Imo­bi­liá­rio do Por­to li­de­ra pro­cu­ra es­tran­gei­ra

Publico - Imobiliario - - Investir No Porto -

A es­cas­sez de ati­vos e a es­ca­la­da de pre­ços em Lis­boa con­du­zi­ram a pro­cu­ra pa­ra o Por­to. Uma di­nâ­mi­ca que co­me­ça a con­ta­gi­ar as áre­as en­vol­ven­tes nu­ma ten­dên­cia de “des­cen­tra­li­za­ção da pro­cu­ra imo­bi­liá­ria”, afir­mou o pre­si­den­te da APEMIP, que fa­la­va no Sa­lão Imo­bi­liá­rio do Por­to, que de­cor­reu na­que­la ci­da­de, no iní­cio des­te mês.

As au­tar­qui­as con­fir­mam es­te ce­ná­rio. “A pres­são ex­pan­de-se do Por­to pa­ra as áre­as pe­ri­fé­ri­cas”, re­fe­riu Mar­co Mar­tins, pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Gondomar, a zo­na mais con­tí­gua à ci­da­de In­vic­ta. E acres­cen­ta que “não se tra­ta ape­nas do se­tor re­si­den­ci­al, a pro­cu­ra co­me­ça a au­men­tar tam­bém nos se­to­res da in­dús­tria e lo­gís­ti­ca”.

“O prin­ci­pal fa­tor pa­ra o au­men­to dos pre­ços é a au­sên­cia de stock”, afir­mou Luís Li­ma. “O pro­ble­ma não es­tá na pro­cu­ra. Aliás ten­tar blo­que­ar a pro­cu­ra é um enor­me er­ro”, aler­tou, su­bli­nhan­do que “é ne­ces­sá­ria obra no­va”. “A re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na faz par­te da so­lu­ção. Cla­ro que sim, mas já não che­ga. Pre­ci­sa­mos de au­men­tar e di­ver­si­fi­car o stock”.

A opi­nião é par­ti­lha­da por Ma­nu­el Reis Cam­pos, pre­si­den­te da AICCOPN. “Es­ta­mos no bom ca­mi­nho. 2018 vai ser um ano de cres­ci­men­to do vo­lu­me das tran­sa­ções, de in­ves­ti­men­to na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro, de tu­ris­mo”, mas su­bli­nha que “é con­ve­ni­en­te que não ha­ja ex­ces­sos”, um equi­lí­brio pa­ra o qual a cons­tru- ção no­va po­de con­tri­buir. Pa­ra o pre­si­den­te da AICCOPN “não há uma bo­lha imo­bi­liá­ria” e os nú­me­ros com­pro­vam-no. Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio, re­co­nhe­ce que “há um cla­ro so­bre­a­que­ci­men­to dos pre­ços, mas em áre­as mui­to cir­cuns­cri­tas, são pon­tos con­cre­tos e não a re­a­li­da­de na­ci­o­nal. A mé­dia ge­ral do ín­di­ce de pre­ços es­tá ain­da abai­xo dos nú­me­ros de 2007”.

Es­te de­ba­te de­cor­reu no pri­mei­ro dia do SIP, nu­ma ses­são pro­mo­vi­da pe­la Cen­tury 21. Du­ran­te qua­tro di­as, en­tre 7 e 10 de ju­nho, o SIP ani­mou o mai­or Pa­vi­lhão da Ex­po­nor, um es­pa­ço ex­po­si­ti­vo de mais de 8.000 m2, com vá­ri­os workshops, con­fe­rên­ci­as e debates. Nos di­as 30 de ju­nho e 1 de ju­lho abrem as por­tas de 65 es­pa­ços de ar­qui­te­tu­ra de uti­li­za­ção in­dus­tri­al, nu­ma se­le­ção de es­pa­ços es­co­lhi­dos por Inês Mo­rei­ra e João Ra­pa­gão, ar­qui­te­tos e co­mis­sá­ri­os des­ta edi­ção.

Es­ta edi­ção “cen­tra-se em ar­qui­te­tu­ras de uti­li­za­ção in­dus­tri­al e na­que­las de sus­ten­ta­ção das su­as ati­vi­da­des”, “nu­ma de­mons­tra­ção cla­ra de que as ci­da­des que her­dá­mos sou­be­ram as­si­mi­lar e con­ci­li­ar a in­dús­tria com os di­ver­sos usos que as es­ti­mu­lam e mo­bi­li­zam”, ex­pli­ca a or­ga­ni­za­ção em co­mu­ni­ca­do ci­ta­do pe­lo Diá­rio de No­tí­ci­as.

Os 65 es­pa­ços cor­res­pon­dem a no­ve fá­bri­cas e ofi­ci­nas em fun­ci­o­na­men­to, 17 in­dús­tri­as re­con­ver­ti­das, se­te ins­ti­tui­ções com­ple­men­ta­res à in­dús­tria e ao co­mér­cio, 13 in­dús­tri­as, qua­tro ti­po­gra­fi­as, 12 in­fra­es­tru­tu­ras ci­vis e mi­li­ta­res, 16 lo­cais de gran­de in­te­res­se, bem co­mo as ins­ta­la­ções das três câ­ma­ras mu­ni­ci­pais en­vol­vi­das. As vi­si­tas são gra­tui­tas, sen­do ne­ces­sá­rio em al­guns ca­sos o re­gis­to pré­vio. To­das as in­for­ma­ções es­tão dis­po­ní­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.