O ata­que aos di­rei­tos dos pro­pri­e­tá­ri­os

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Já se sa­bia de há mui­to que a for­ma­ção da ge­rin­gon­ça iria le­var a um go­ver­no ide­o­lo­gi­ca­men­te hos­til à pro­pri­e­da­de pri­va­da. Não se es­pe­ra­va, po­rém, que es­te go­ver­no e es­te par­la­men­to fos­sem de tal for­ma vi­o­len­tos e ra­di­cais nos ata­ques que su­ces­si­va­men­te lan­çam con­tra os pou­cos pro­pri­e­tá­ri­os que, ape­sar de tu­do, ain­da se têm man­ti­do no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to. Mas, a con­ti­nu­ar­mos nes­te ca­mi­nho, até os úl­ti­mos se­nho­ri­os que ain­da re­sis­ti­am são mui­to ca­pa­zes de aban­do­nar de vez qual­quer in­ten­ção que ti­ves­sem de ar­ren­dar as su­as ca­sas.

A úl­ti­ma de­mons­tra­ção des­ta sa­nha con­tra os pro­pri­e­tá­ri­os re­si­de no di­plo­ma que foi apro­va­do pe­lo par­la­men­to a de­cre­tar a sus­pen­são de to­das as de­nún­ci­as do con­tra­to de ar­ren­da­men­to e dos pró­pri­os pro­ces­sos de des­pe­jo em cur­so no ca­so de os in­qui­li­nos te­rem mais de 65 anos e ocu­pa­rem o imó­vel há quin­ze anos. Não se tra­ta nes­te ca­so de ar­ren­da­men­tos an­ti­gos, abran­gi­dos pe­la Lei Cris­tas, mas an­tes de con­tra­tos que as par­tes qui­se­ram que fos­sem tem­po­rá­ri­os, e que con­ti­nu­am a ser tem­po­rá­ri­os em fa­ce da lei vi­gen­te, mas que o par­la­men­to quer proi­bir uma das par­tes de os de­nun­ci­ar no fim do pra­zo es­ti­pu­la­do. Is­to mes­mo que o in­qui­li­no até já ti­ves­se saí­do do imó­vel e re­ce­bi­do in­clu­si­va­men­te uma in­dem­ni­za­ção por es­se fac­to, bas­tan­do-lhe ago­ra de­vol­ver a in­dem­ni­za­ção pa­ra fi­car com um ar­ren­da­men­to eter­no, mes­mo que o pré­dio já es­te­ja ocu­pa­do por ter­cei­ros. É di­fí­cil ima­gi­nar mai­or vi­o­la­ção da con­fi­an­ça das par­tes e mai­or aten­ta­do aos di­rei­tos das pes­so­as. O Par­la­men­to pre­ten­de re­ti­rar a uma das par­tes num con­tra­to o seu di­rei­to de aces­so aos tri­bu­nais, quan­do a lei que pre­sen­te­men­te vi­go­ra lhe per­mi­te pôr ter­mo ao con­tra­to no fim do pra­zo es­ti­pu­la­do.

Me­di­das com es­te ra­di­ca­lis­mo só exis­ti­ram no nos­so país nos tem­pos de Vas­co Gon­çal­ves, que igual­men­te de­cre­tou uma sus­pen­são das de­nún­ci­as de con­tra­tos de ar­ren­da­men­to e dos pro­ces­sos de des­pe­jo. Aliás, tam­bém tem ins­pi­ra­ção em Vas­co Gon­çal­ves a pro­pos­ta da de­pu­ta­da He­le­na Ro­se­ta de re­qui­si­ção das ca­sas de­vo­lu­tas pe­las Câ­ma­ras Mu­ni­ci­pais, que em 1975 ce­le­bra­ram ar­ren­da­men­tos à for­ça, le­ga­li­zan­do in­clu­si­va­men­te ocu­pa­ções de ca­sas, sem que até ho­je mui­tas de­las te­nham si­do res­ti­tuí­das aos seus le­gí­ti­mos pro­pri­e­tá­ri­os. Pe­los vis­tos es­tes de­pu­ta­dos são fiéis se­gui­do­res des­tas po­lí­ti­cas. Mas o re­sul­ta­do das me­di­das gon­çal­vis­tas foi cri­ar um trau­ma tão gran­de nos pro­pri­e­tá­ri­os que du­ran­te dé­ca­das não hou­ve ar­ren­da­men­to em Por- tugal, só ten­do co­me­ça­do a vol­tar a sur­gir nos anos 1990 com os con­tra­tos tem­po­rá­ri­os pre­vis­tos no RAU, pe­los vis­tos o mes­mo re­gi­me que ago­ra que­rem ter­mi­nar. O re­sul­ta­do já se sa­be que vai ser o de­sa­pa­re­ci­men­to to­tal do nos­so mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, agra­van­do uma cri­se ha­bi­ta­ci­o­nal sem pre­ce­den­tes já cau­sa­da pe­lo dis­pa­ra­ta­do adi­ci­o­nal ao IMI so­bre pré­di­os de ha­bi­ta­ção, que es­te go­ver­no igual­men­te cri­ou por pu­ras ra­zões ide­o­ló­gi­cas.

Por­tu­gal é um Es­ta­do de Di­rei­to, tem uma cons­ti­tui­ção e um tri­bu­nal cons­ti­tu­ci­o­nal, pe­lo que me­di­das des­ta na­tu­re­za nun­ca de­ve­ri­am sur­gir num par­la­men­to de­mo­crá­ti­co. Es­pe­re­mos por is­so que os pro­pri­e­tá­ri­os por­tu­gue­ses pos­sam ver os seus di­rei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais de­fen­di­dos.

Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Lis­bo­nen­se de Pro­pri­e­tá­ri­os

Luís Me­ne­zes Lei­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.