“Quin­ta do Zé Duarte” po­de vol­tar a atrair tu­ris­tas pa­ra Bor­ba

Si­tu­a­da à saí­da de Bor­ba em di­re­ção a El­vas, a her­da­de co­nhe­ci­da co­mo “Quin­ta do Zé Duarte” es­tá em pro­ces­so de ven­da. Retomar a sua an­te­ri­or vo­ca­ção de tu­ris­mo ru­ral é uma das pos­si­bi­li­da­des mais atra­ti­vas.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Ana Ta­va­res

A her­da­de de 7,5 hec­ta­res (ha) si­tu­a­da à saí­da de Bor­ba, na EN4, co­nhe­ci­da na re­gião co­mo “Quin­ta do Zé Duarte”, po­de­rá vol­tar a ser um des­ti­no de tu­ris­mo ru­ral no con­ce­lho de Bor­ba. A pro­pri­e­da­de es­tá des­de iní­cio do ano em pro­ces­so de co­mer­ci­a­li­za­ção por um va­lor de €1,25 mi­lhões e tan­to o atu­al pro­pri­e­tá­rio – o Mil­len­nium bcp - co­mo o me­di­a­dor se­le­ci­o­na­do pa­ra apoi­ar o Ban­co nes­te pro­ces­so de ven­da – a Hall Tem­plus – con­si­de­ram que es­ta vo­ca­ção tu­rís­ti­ca, já an­tes ex­plo­ra­da pe­la pro­pri­e­da­de é uma das que tem mai­or po­ten­ci­al pa­ra atrair os in­ves­ti­do­res. Tal uti­li­za­ção “se­rá sem­pre mui­to mais atra­ti­va”, con­si­de­ra An­tó­nio Ra­mos, só­cio-ge­ren­te da­que­la me­di­a­do­ra imo­bi­liá­ria, fri­san­do que “qu­an­do es­ta­va em fun­ci­o­na­men­to, foi o pri­mei­ro ho­tel do con­ce­lho de Bor­ba a re­ce­ber a clas­si­fi­ca­ção de in­te­res­se tu­rís­ti­co, de­vi­do à sua na­tu­re­za his­tó­ri­ca”. A pro­pri­e­da­de in­te­gra um an­ti­go con­ven­to cons­truí­do, se­gun­do fon­tes lo­cais, no sé­cu­lo XVI e que foi adap­ta­do em me­a­dos da pri­mei­ra dé­ca­da do sé­cu­lo XXI (após um pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção que du­rou 6 anos) pa­ra uma uni­da­de de ho­tel ru­ral, que “man­te­ve as ca­ra­te­rís­ti­cas e tra­ça­do ori­gi­nais”, no­ta An­tó­nio Ra­mos. Por is­so, diz Ra­mi­ro Go­mes, Res­pon­sá­vel de Ven­da - Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, “es­tá ho­je do­ta­da de to­das as va­lên­ci­as pa­ra a uti­li­za­ção que de­ti­nha an­te­ri­or­men­te”, no­me­a­da­men­te a ex­plo­ra­ção tu­rís­ti­ca. O edi­fí­cio principal es­tá equi­pa­do com 11 quar­tos, res­tau­ran­te, salão, spa, ade­ga, bi­bli­o­te­ca e ca­pe­la, es­ta úl­ti­ma “ain­da com al­guns fres­cos nas pa­re­des e abó­bo­das ca­ra­te­rís­ti­cas”. Na ade­ga, si­tu­a­da na ca­ve, pro­du­zia-se vi­nho em “ta­lhas” de bar­ro”, evi­den­cia Ra­mi­ro Go­mes. Da par­te ex­te­ri­or, des­ta­ca-se a pis­ci­na, cam­po de té­nis, um gran­de la­go ap­to pa­ra ati­vi­da­des pis­ca­tó­ri­as, bo­xes pa­ra 4 ca­va­los, além de 4 ha de vi­nha, 2 ha de po­mar di­ver­so (in­cluin­do pe­rei­ras, fi­guei­ras e amei­xo­ei­ras), bem co­mo 1 ha de ex­plo­ra­ção hor­tí­co­la. Dis­per­sas por to­da a pro­pri­e­da­de, exis­tem ain­da mais de três cen­te­nas de oli­vei­ras e du­as cen­te­nas de la­ran­jei­ras e abun­dan­tes es­pa­ços ver­des, uma com­bi­na­ção que “va­lo­ri­za ain­da mais a ex­plo­ra­ção tu­rís­ti­ca do es­pa­ço”, ten­do em con­ta o ti­po de ati­vi­da­des que po­de pro­por­ci­o­nar, De acor­do com os mais re­cen­tes da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE), o Alen­te­jo foi a re­gião on­de as dor­mi­das de não re­si­den­tes mais cres­ce­ram, con­si­de­ran­do os qua­tro pri­mei­ros me­ses do ano. A su­bi­da foi de 13,8% fa­ce a igual pe­río­do do ano pas­sa­do, pa­ra as 146,3 mil dor­mi­das. A ní­vel na­ci­o­nal, es­se cres­ci­men­to foi de ape­nas 1%. Já nas dor­mi­das de re­si­den­tes, a re­gião pra­ti­ca­men­te não me­xeu, com as 266,9 mil dor­mi­das re­gis­ta­das no acu­mu­la­do do ano a fi­ca­rem 0,4% aci­ma do pe­río­do ho­mó­lo­go. No com­pu­to do to­tal das dor­mi­das, o Alen­te­jo su­biu 4,8%, uma evo­lu­ção ape­nas su­pe­ra­da pe­la re­gião Nor­te e no­va­men­te mui­to aci­ma da mé­dia na­ci­o­nal (1,6%). A re­gião tem vin­do a apos­tar na pro­mo­ção tu­rís­ti­ca e em di­ver­sos even­tos, com o pre­si­den­te da En­ti­da­de Re­gi­o­nal de Tu­ris­mo do Alen­te­jo e Ri­ba­te­jo, An­tó­nio Ceia da Silva, a des­ta­car nu­ma rá­dio lo­cal a pro­pó­si­to des­te te­ma que “pre­o­cu­pa-nos ter qua­li­da­de e ter ex­ce­lên­cia”, o que tem per­mi­ti­do atrair “um me­lhor tu­ris­ta, um tu­ris­ta mais cul­to, que tem mais po­der de com­pra”. Pe­las con­tas des­te res­pon­sá­vel, “o tu­ris­ta que vem ao Alen­te­jo con­se­cu­ti­va­men­te con­so­me mais 20% que no ano an­te­ri­or”. co­mo pas­sei­os a pé ou a ca­va­lo, diz Ra­mi­ro Go­mes, que con­si­de­ra a pro­pri­e­da­de co­mo “um es­pa­ço úni­co” que pos­sui “to­das as in­fra­es­tru­tu­ras, além dos seus re­cur­sos na­tu­rais e va­lor his­tó­ri­co”.

Pa­ra An­tó­nio Ra­mos, não há dú­vi­da que “a pro­pri­e­da­de es­tá pre­pa­ra­da pa­ra ex­pe­ri­ên­ci­as úni­cas em ati­vi­da­des ao ar li­vre no sos­se­go úni­co que o Alen­te­jo pro­por­ci­o­na”, um as­pe­to ain­da mais evi­den­ci­a­do pe­la lo­ca­li­za­ção, que “tam­bém é atra­ti­va do pon­to de vis­ta tu­rís­ti­co. Fi­ca si­tu­a­da pró­xi­mo de Bor­ba e Vi­la Vi­ço­sa, “ter­ras so­be­ja­men­te pro­cu­ra­das de­vi­do à sua ri­que­za his­tó­ri­ca, além da qua­li­da­de da pro­du­ção de vi­nho e már­mo­res em Bor­ba”. Sem es­que­cer que se si­tua a “cer­ca de 5 km da en­tra­da da A6, au­to­es­tra­da que li­ga Évo­ra/Lis­boa e Es­pa­nha”.

Por is­so, o per­fil de in­ves­ti­do­res pa­ra aqui­si­ção des­ta her­da­de in­clui “es­sen­ci­al­men­te gru­pos de in­ves­ti­men­to em imo­bi­liá­rio ho­te­lei­ro, na­ci­o­nais ou es­tran­gei­ros”, sen­do que es­te úl­ti­mo gru­po es­tá a ser abor­da­do em vá­ri­as fren­tes. “Es­ta­mos a de­sen­vol­ver to­das as di­li­gên­ci­as na di­vul- ga­ção do imó­vel em si­tes in­ter­na­ci­o­nais que abran­gem 160 paí­ses”, diz An­tó­nio Ra­mos, adi­an­tan­do ain­da que a em­pre­sa es­tá a co­la­bo­rar com vá­ri­as me­di­a­do­ras in­ter­na­ci­o­nais”, mas tam­bém a ní­vel lo­cal, es­tão a ser de­sen­vol­vi­dos con­tac­tos com em­pre­sá­ri­os e in­ves­ti­do­res, bem co­mo com em­pre­sas li­ga­das ao ra­mo ho­te­lei­ro pa­ra “dar a co­nhe­cer es­ta opor­tu­ni­da­de de in­ves­ti­men­to”.

“Pa­lá­cio de So­nho” pa­ra fa­mí­li­as

Mas “não des­cu­ran­do a ou­tra ver­ten­te da pro­pri­e­da­de (i.e, a com­po­nen­te rús­ti­ca)”, diz Ra­mi­ro Go­mes, a her­da­de tem tam­bém si­do apre­sen­ta­da aos cli­en­tes par­ti­cu­la­res da re­de de su­cur­sais do Ban­co, atra­vés da sua área de ven­das e dis­tri­bui­ção. O pro­pó­si­to é “ten­tar en­con­trar uma ‘fa­mí­lia’ que pre­ten­da es­te pe­que­no Mon­te pa­ra uti­li­zar co­mo sua ha­bi­ta­ção se­cun­dá­ria, as­so­ci­an­do as su­as va­lên­ci­as agrí­co­las”, in­cluin­do a vi­nha, que “se en­con­tra a pro­du­zir em per­fei­tas con­di­ções”, diz Ra­mi­ro Go­mes, os 3,5 ha de po­mar e hor­ta e os re­cur­sos hí­dri­cos pro­ve­ni­en­tes da pe­que­na bar­ra­gem exis­ten­te na her­da­de. “É uma fon­te de abas­te­ci­men­to hí­dri­co pa­ra to­da agri­cul­tu­ra exis­ten­te”, no­ta. E tam­bém An­tó­nio Ra­mos con­si­de­ra que “não é de des­car­tar a adap­ta­ção do imó­vel pa­ra re­si­dên­cia de par­ti­cu­la­res, com con­di­ções e áre­as es­pe­ta­cu­la­res pa­ra um pa­lá­cio de so­nho”.

Pa­ra uma ex­plo­ra­ção me­ra­men­te eco­nó­mi­ca da ver­ten­te agrícola, es­te me­di­a­dor de­fen­de que a área rús­ti­ca da pro­pri­e­da­de ne­ces­si­ta­ria de ter mai­or es­ca­la. É que pa­ra es­tes fins, a pro­cu­ra tem-se di­re­ci­o­na­do so­bre­tu­do pa­ra pro­pri­e­da­des de gran­de di­men­são. “Dos pou­cos ati­vos que o Ban­co re­ce­beu nos úl­ti­mos dois anos (her­da­des no Alen­te­jo), tem con­se­gui­do con­cre­ti­zar as su­as ven­das de for­ma ágil, quer as her­da­des de gran­de di­men­são e com pre­do­mi­nân­cia de ex­plo­ra­ção agrícola, in­cluin­do vi­nha e cri­a­ção de ga­do, quer pe­que­nos mon­tes, de 10 a 30 hec­ta­res, pa­ra ha­bi­ta­ção se­cun­dá­ria ou pa­ra ex­plo­ra­ção de pe­que­nos es­pa­ços de tu­ris­mo ru­ral”, detalha Ra­mi­ro Go­mes. Es­te res­pon­sá­vel con­fir­ma que “se tra­ta de um ti­po de pro­pri­e­da­de que con­ti­nua a ter mui­ta pro­cu­ra”, uma ten­dên­cia con­fir­ma­da por An­tó­nio Ra­mos”. “As her­da­des no Alen­te­jo con­ti­nu­am a ser mui­to re­qui­si­ta­das”, ter­mi­na.

FOTOS: MIL­LEN­NIUM BCP

A her­da­de já aco­lheu um ho­tel ru­ral com 11 quar­tos e es­ten­de-se por 7,5 ha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.