Me­di­a­do­res ou fis­cais?

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Cer­ca de 30% do mer­ca­do imo­bi­liá­rio não é re­gu­la­do. Ou se­ja, apro­xi­ma­da­men­te 30% dos ne­gó­ci­os, não são fei­tos atra­vés de me­di­a­do­ras imo­bi­liá­ri­as li­cen­ci­a­das, mas sim por “agen­tes” que são tu­do me­nos me­di­a­do­res. Des­de ca­be­lei­rei­ras, por­tei­ros, ex-bancários (sem qu­al­quer des­me­re­ci­men­to pa­ra es­tas pro­fis­sões), to­da a gen­te re­sol­veu ven­der ca­sas, o que não se­ria um pro­ble­ma, des­de que se li­cen­ci­as­sem pa­ra tal.

Ho­je é, aliás, bem sim­ples ser me­di­a­dor imo­bi­liá­rio, so­bre­tu­do de­pois da trans­po­si­ção eu­ro­peia que en­trou em vi­gor em 2013 e que sim­pli­fi­cou (até de­mais!) o aces­so à pro­fis­são.

Mas com as cres­cen­tes exi­gên­ci­as que são im­pos­tas, o mais ten­ta­dor pa­ra es­tes clan­des­ti­nos é man­te­rem-se co­mo es­tão, fu­gin­do à re­gu­la­ção Mui­tos dos que pro­mo­vem es­ta ati­vi­da­de ile­gal­men­te não que­rem ser re­gu­la­dos e o pi­or é que mui­tos ou­tros que são ho­je re­gu­la­dos, co­me­çam a che­gar à con­clu­são que é mais com­pen­sa­dor dei­xa­rem de o ser, num ci­clo que é mau pa­ra to­das a par­tes: pa­ra o Es­ta­do, que per­de o con­tro­lo des­ta ati­vi­da­de, pa­ra nós, as­so­ci­a­ção, que per­de­mos as­so­ci­a­dos e pa­ra o con­su­mi­dor fi­nal que fi­ca des­pro­te­gi­do nos ne­gó­ci­os re­a­li­za­dos.

Se há um es­cru­tí­nio ca­da vez mais exi­gen­te das agên­ci­as imo­bi­liá­ri­as, quem exi­ge as mes­mas con­di­ções a es­tes ne­gó­ci­os pa­ra­le­los?

Na im­pren­sa, sur­gem da­dos do ins­ti­tu­to re­gu­la­dor (IMPIC – Ins­ti­tu­to dos Mer­ca­dos Pú­bli­cos, do Imo­bi­liá­rio e da Cons­tru­ção), dan­do con­ta de que em 2017 fo­ram fis­ca­li­za­das 487 em­pe­sas de me­di­a­ção imo­bi­liá­ria. Um tra­ba­lho que é com cer­te­za ne­ces­sá­rio, mas que não vai ao cer­ne do pro­ble­ma.

O pro­ble­ma é quem atua à mar­gem da lei, fa­zen­do con­cor­rên­cia des­le­al às em­pre­sas que es­tão le­gal­men­te no mer­ca­do e que se vêm obri­ga­das a cum­prir to­dos os re­qui­si­tos que lhes são so­li­ci­ta­dos, en­tre os quais o pa­pel de “fis­cal” do Es­ta­do, na­qui­lo que diz res­pei­to às co­mu­ni­ca­ções obri­ga­tó­ri­as no âm­bi­to do com­ba­te ao bran- que­a­men­to de ca­pi­tais.

Es­tas pes­so­as e en­ti­da­des clan­des­ti­nas são ca­da vez mais e não há quem as fis­ca­li­ze, não há quem as pu­na, não há quem as re­gu­le e lá es­tão elas a atu­ar li­vre­men­te no mer­ca­do, mui­tas vezes con­tri­buin­do, de mãos da­das com os do­nos dos ati­vos, pa­ra a es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria ao pra­ti­ca­rem co­mis­sões bas­tan­te su­pe­ri­o­res às das me­di­a­do­ras imo­bi­liá­ri­as li­cen­ci­a­das que, re­gra ge­ral, ga­nham 3% a 5% por ne­gó­cio con­cre­ti­za­do.

É sa­bi­do que o imo­bi­liá­rio os­ci­la con­for­me a sua sa­ni­da­de e que quan­to me­lhor es­tá o ne­gó­cio, mai­or é a pro­ba­bi­li­da­de de aparecerem es­ta es­pé­cie de “agen­tes ilí­ci­tos”, mas o sec­tor tem que exi­gir que es­tes se­jam res­pon­sa­bi­li­za­dos por fu­gi­rem às su­as obri­ga­ções e atu­a­rem num mer­ca­do pa­ra­le­lo, con­tri­buin­do não só pa­ra a sua des­cre­di­bi­li­za­ção e des­trui­ção, mas tam­bém pa­ra a des­pro­te­ção do con­su­mi­dor.

A APEMIP tem vin­do a dis­po­ni­bi­li­zar-se pa­ra tra­ba­lhar jun­to do Es­ta­do, no­me­a­da­men­te do IMPIC, pa­ra pro­mo­ver uma efe­ti­va fis­ca­li­za­ção des­tes “pseu­do-agen­tes”. A im­por­tân­cia que o imo­bi­liá­rio tem pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal, obri­ga-nos a as­su­mir mais res­pon­sa­bi­li­da­des e tam­bém a exi­gi-las ao Es­ta­do e por is­so dis­po­ni­bi­li­za­mo-nos pa­ra apoi­ar ao ní­vel da fis­ca­li­za­ção uma vez que, com o con­tri­bu­to das em­pre­sas nos­sas As­so­ci­a­das, te­re­mos mas­sa su­fi­ci­en­te pa­ra de­nun­ci­ar quem atua ile­gal­men­te.

Pas­sam o tem­po a exi­gir de nós res­pon­sa­bi­li­da­des de fis­ca­li­za­ção e ago­ra, co­mo se não bas­tas­se, que­rem obri­gar-nos a no­ti­fi­car o Es­ta­do sem­pre que pes­so­as que de­sem­pe­nham ou que te­nham de­sem­pe­nha­do fun­ções pú­bli­cas de ní­vel su­pe­ri­or (co­mo juí­zes, po­lí­ti­cos, fa­mi­li­a­res e/ou ami­gos, au­tar­cas, de­pu­ta­dos e até ge­ne­rais das for­ças ar­ma­das) com­prem um imó­vel.

É o ver­da­dei­ro cú­mu­lo e pe­dem­nos que se­ja­mos au­tên­ti­cos “bu­fos”. Pa­ra ser­mos fis­cais, que o se­ja­mos em cau­sa pró­pria, pa­ra que se vá ba­ter à por­ta de quem fo­ge à le­ga­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.