As­sim não se ga­ran­te con­fi­an­ça aos in­ves­ti­do­res

Publico - Imobiliario - - Opinião -

ASes­são Le­gis­la­ti­va es­tá pres­tes a ter­mi­nar e, quan­do era es­sen­ci­al ver, de for­ma inequí­vo­ca, as­su­mi­dos com­pro­mis­sos com o fu­tu­ro, as dú­vi­das e as in­cer­te­zas so­bre­põem-se, ge­ran­do um cli­ma de ins­ta­bi­li­da­de que co­lo­ca em cau­sa a po­si­ção de Por­tu­gal co­mo um des­ti­no de ex­ce­lên­cia do in­ves­ti­men­to na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro. Anun­ci­ar su­ces­si­vas al­te­ra­ções já é, por si só, ne­ga­ti­vo mas, anun­ci­ar mu­dan­ças le­gis­la­ti­vas que po­dem dis­si­par o cli­ma de con­fi­an­ça que exis­te no nos­so País e, em par­ti­cu­lar, no nos­so imo­bi­liá­rio, po­de­rá de­sen­ca­de­ar um efei­to que, acre­di­to, nin­guém quer en­fren­tar. Num mo­men­to em que a gran­de pri­o­ri­da­de é o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, es­te é um ob­je­ti­vo que só po­de ser al­can­ça­do, uti­li­zan­do to­dos os ar­gu­men­tos pos­sí­veis pa­ra au­men­tar o in­ves­ti­men­to pri­va­do.

Nes­te do­mí­nio, quan­do se co­me­ça a pers­pe­ti­var o Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019, é ne­ces­sá­rio as­se­gu­rar que es­te dá res­pos­ta a ques­tões es­tru­tu­ran­tes e, um dos seus ei­xos fun­da­men­tais, te­rá de pas­sar pe­la ne­ces­si­da­de de con­so­li­dar a im­por­tân­cia da ha­bi­ta­ção, co­mo área pri­o­ri­tá­ria de atu­a­ção, dan­do-se, des­ta for­ma, res­pos­ta a uma la­cu­na que há mui­to es­tá iden­ti­fi­ca­da. A ne­ces­si­da­de de con­si­de­rar a ha­bi­ta­ção e, con­se­quen­te­men­te, o imo­bi­liá­rio, de uma for­ma trans­ver­sal, con­duz ine­vi­ta­vel­men­te ao re­co­nhe­ci­men­to do seu po­ten­ci­al e à opor­tu­ni­da­de que o mes­mo re­pre­sen­ta pa­ra o País. Es­tão em cau­sa ati­vi­da­des co­mo a re­a­bi­li­ta­ção e re­ge­ne­ra­ção ur­ba­na, a ha­bi­ta­ção so­ci­al, o tu­ris­mo, as ci­da­des in­te­li­gen­tes, a ino­va­ção e o em­pre­en­de­do­ris­mo, ou se­ja, a ca­pa­ci­da­de de ge­rar ri­que­za e de cri­ar mais em­pre­go, pro­mo­ver a sus­ten­ta­bi­li­da­de e a co­e­são do ter­ri­tó­rio e do pa­tri­mó­nio his­tó­ri­co. São de­síg­ni­os fun­da­men­tais pa­ra o nos­so fu­tu­ro, mas que só se po­de­rão con­cre­ti­zar mo­bi­li­zan­do mais e me­lhor in­ves­ti­men­to pri­va­do.

Po­rém, nos úl­ti­mos me­ses su­ce­de­ram-se os anún­ci­os de no­vas Leis, ou de al­te­ra­ções a ou­tras já exis­ten­tes, que com­pro­me­tem es­te ati­vo fun­da­men­tal do nos­so País. Ar­ren­da­men­to, despejos, di­rei­to de pre­fe­rên­cia dos in­qui­li­nos, imó­veis de­vo­lu­tos, alo­ja­men­to lo­cal, Vis­tos Gold e Re­gi­me dos Re­si­den­tes não Ha­bi­tu­ais, são ape­nas al­gu­mas dos “te­mas” que, nes­te mo­men­to, es­tão em de­ba­te no Par­la­men­to. O Es­ta­do, que de­tém um par­que de ha­bi­ta­ção so­ci­al que não che­ga a 2% do edi­fi­ca­do na­ci­o­nal, quer trans­por pa­ra os pri­va­dos os en­car­gos que lhe com­pe­tem e a que não es­tá a con­se­guir dar res­pos­ta, ig­no­ran­do os er­ros do pas­sa­do. To­dos sa­be­mos o re­sul­ta­do de im­por re­gras de­sa­jus­ta­das da re­a­li­da­de de uma eco­no­mia de mer­ca­do, que com­pe­te in­ter­na­ci­o­nal­men­te en­quan­to des­ti­no de in­ves­ti­men­to.

A es­ta­bi­li­da­de le­gis­la­ti­va e fis­cal tem de ser en­ca­ra­da nu­ma ló­gi­ca de com­pe­ti­ti­vi­da­de e de per­ma­nên­cia. É tem­po de cla­ri­fi­car o que se pre­ten­de e de as­su­mir com­pro­mis­sos com o fu­tu­ro, em ma­té­ri­as que são fun­da­men­tais pa­ra o nos­so País e que vão mui­to pa­ra além de dis­cus­sões po­lí­ti­co-par­ti­dá­ri­as. Re­cor­do que foi pre­ci­sa­men­te o di­na­mis­mo do in­ves­ti­men­to pri­va­do, em re­sul­ta­do do bom com­por­ta­men­to do tu­ris­mo e do imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal, que tem per­mi­ti­do com­pen­sar a fal­ta de in­ves­ti­men­to pú­bli­co, que per­ma­ne­ce em mí­ni­mos nas úl­ti­mas 3 dé­ca­das. Es­ta é uma re­a­li­da­de to­tal­men­te in­sus­ten­tá­vel, da qual nin­guém, e mui­to me­nos os po­lí­ti­cos, se po­de es­que­cer. Há, por is­so, que as­se­gu­rar o cli­ma de con­fi­an­ça do qual ain­da usu­fruí­mos, ine­ga­vel­men­te es­sen­ci­al não só pa­ra atrair no­vos in­ves­ti­do­res co­mo tam­bém im­pres­cin­dí­vel pa­ra man­ter os já in­ves­ti­ram em Por­tu­gal, per­mi­tin­do-lhes con­ti­nu­ar “aqui”, sem que se sin­tam de­sa­pon­ta­dos e de­frau­da­dos.

Manuel Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.