Par­la­men­to “ar­ra­sa” com ofer­ta de ar­ren­da­men­to em Por­tu­gal

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

buí­vel a ca­da ar­ren­da­tá­rio por for­ma a per­mi­tir o exer­cí­cio da op­ção de com­pra.

Uma ques­tão crí­ti­ca é a for­ma­li­za­ção da pro­pri­e­da­de ho­ri­zon­tal, que no di­plo­ma ago­ra con­sen­su­a­li­za­do fi­ca a car­go do ar­ren­da­tá­rio que exer­ce a op­ção de com­pra. Aqui, fi­ca a dú­vi­da de co­mo o ne­gó­cio po­de pros­se­guir, uma vez que com­pra­dor e in­qui­li­no pre­fe­ren­te fi­cam com o imó­vel em com­pro­pri­e­da­de.

O mo­de­lo de re­gu­la­ção é o re­sul­ta­do da ne­go­ci­a­ção en­tre os gru­pos parlamentares à es­quer­da. Se­gun­do He­le­na Ro­se­ta, de­pu­ta­da do PS, “con­se­gui­mos uma si­tu­a­ção de equi­lí­brio que vem res­pon­der a uma no­va es­ca­la do mer­ca­do imo­bi­liá­rio, mui­to mais global, e que exi­ge me­di­das de pro­te­ção adi­ci­o­nais, que são in­tei­ra­men­te jus­ti­fi­ca­das e sen­sa­tas”.

Uma vi­são bas­tan­te dis­tin­ta é das as­so­ci­a­ções do mer­ca­do imo­bi­liá­rio. Luís Li­ma, pre­si­den­te da APEMIP apon­ta pa­ra o er­ro de “mu­dar as re- gras a meio do jo­go, num as­pe­to par­ti­cu­lar que não ti­nha a re­le­vân­cia ne­ces­sá­ria pa­ra es­ta in­ter­ven­ção à pres­sa”. O pre­si­den­te da APEMIP aler­ta ain­da pa­ra “a má ima­gem que da­mos ao in­ves­ti­men­to in­ter­na­ci­o­nal que é es­sen­ci­al pa­ra o fu­tu­ro de Por­tu­gal”.

Luís Me­ne­zes Lei­tão, Pre­si­den­te da ALP é ex­pli­ci­to ao con­si­de­rar “é mais um for­te de­sin­cen­ti­vo à ce­le­bra­ção de con­tra­tos de ar­ren­da­men­to por qu­al­quer pes­soa de juí­zo”, re­cor­dan­do que es­ta é mais “uma ma­cha­da­da ao ar­ren­da­men­to, de­pois da sus­pen­são da de­nún­cia e opo­si­ção à re­no­va­ção dos con­tra­tos”. Ain­da pi­or, “é a al­te­ra­ção ago­ra in­tro­du­zi­da em que bas­ta um con­tra­to de ar­ren­da­men­to ter três di­as pa­ra dar di­rei­to de pre­fe­rên­cia ao in­qui­li­no”, quan­do o re­gi­me an­te­ri­or pre­via uma an­ti­gui­da­de mí­ni­ma de três anos pa­ra o di­rei­to de pre­fe­rên­cia ter lu­gar.

Hu­go San­tos Fer­rei­ra, vi­ce-pre­si­den­te da APPII con­si­de­ra que “es­tas me­di­das têm o efei­to con­trá­rio pre- ten­di­do pe­los nos­sos parlamentares, ao tor­nar im­pos­sí­vel o aces­so dos in­ves­ti­do­res ins­ti­tu­ci­o­nais ao mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal”, re­for­çan­do que os pre­ju­di­ca­dos fi­nais são as fa­mí­li­as por­tu­gue­sas por­que “es­tas me­di­das vão le­var a ‘en­co­lher’” o “já en­co­lhi­do” mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal”.

Igual po­si­ção é apre­sen­ta­da por Jo­sé Veiga Sarmento, Pre­si­den­te da APFIPP, que em opi­nião pu­bli­ca­da, escreve que “o que se es­tá a pas­sar no nos­so País com as re­cen­tes pro­pos­tas de al­te­ra­ção ao mo­de­lo das ren­das de ha­bi­ta­ção, é um exem­plo do mo­de­lo de ges­tão ve­ne­zu­e­la­na “cha­vis­ta” da eco­no­mia: im­por, por de­cre­to, a uti­li­za­ção dos mei­os de pro­du­ção pri­va­dos em be­ne­fí­cio de um en­ten­di­men­to re­li­gi­o­so so­bre cer­tas pri­o­ri­da­des so­ci­ais”.

Por sua vez, a ACAI di­vul­gou em co­mu­ni­ca­do a “ma­ni­fes­ta com­ple­ta es­tu­pe­fa­ção pe­la an­te­ci­pa­ção, “às pres­sas”, da vo­ta­ção da al­te­ra­ção ao Có­di­go Ci­vil ain­da pa­ra a pre­sen­te ses­são le­gis­la­ti­va, que en­cer­ra a 18 ju­lho”, so­man­do ain­da “o fac­to de tal ini­ci­a­ti­va pa­re­cer ser­vir um pro­pó­si­to ins­tru­men­tal de res­pos­ta a uma si­tu­a­ção par­ti­cu­lar, o que é um prin­cí­pio que não se de­se­ja num Es­ta­do de Di­rei­to De­mo­crá­ti­co”.

Nu­ma aná­li­se ju­rí­di­ca, Fi­li­pa Aran­tes Pe­dro­so da so­ci­e­da­de de ad­vo­ga­dos Mo­rais Lei­tão aler­ta pa­ra o ris­co de li­ti­gio da no­va lei “ao abrir a pos­si­bi­li­da­de de ad­qui­rir em com­pro­pri­e­da­de en­tre o in­qui­li­no pre­fe­ren­te da sua frac­ção e o com­pra­dor original, ge­ran­do si­tu­a­ções com ele­va­do po­ten­ci­al de con­fli­to que a lei quis des­de há mui­tos anos evi­tar com o me­ca­nis­mo da pro­pri­e­da­de ho­ri­zon­tal”. Acres­ce a es­te ris­co, o ónus de cons­ti­tui­ção da pro­pri­e­da­de ho­ri­zon­tal po­der fi­car a car­go do in­qui­li­no que exer­ce a pre­fe­rên­cia, o que “vai cri­ar mui­tas in­cer­te­zas e ani­qui­lar mui­tos ne­gó­ci­os que vi­sa­vam cri­ar uma ofer­ta de ar­ren­da­men­to”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.