Re­gião Oes­te atrai ca­da vez mais re­si­den­tes per­ma­nen­tes

É um des­ti­no con­so­li­da­do de tu­ris­mo re­si­den­ci­al, mas é tam­bém ca­da vez mais pro­cu­ra­do pa­ra fixar pri­mei­ra re­si­dên­cia quer por por­tu­gue­ses, quer por es­tran­gei­ros. A zo­na de Óbidos é um bom exem­plo.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Ana Ta­va­res

A pro­cu­ra de ha­bi­ta­ção na re­gião Oes­te tem vin­do a cres­cer de for­ma acen­tu­a­da nos úl­ti­mos anos e um “da­do in­te­res­san­te é que tal pro­cu­ra é mais fo­ca­da em pri­mei­ra ha­bi­ta­ção do que em se­gun­da ha­bi­ta­ção”, con­fir­ma Pedro Ga­bri­el, Ge­ren­te da me­di­a­do­ra Ca­sa Gold, des­ta­can­do o ei­xo en­tre São Mar­ti­nho do Por­to, Pe­ni­che e Cal­das da Rai­nha. É al­go que se no­ta en­tre os por­tu­gue­ses, mas é tam­bém uma cres­cen­te ten­dên­cia en­tre os es­tran­gei­ros, que tra­di­ci­o­nal­men­te se­le­ci­o­na­vam a re­gião com mo­ti­va­ções so­bre­tu­do tu­rís­ti­cas, mui­to di­re­ci­o­na­das à prá­ti­ca de gol­fe e com re­fle­xo na pro­cu­ra de ha­bi­ta­ção pró­xi­ma das prai­as, mas que, ho­je em dia, pre­ten­dem tam­bém “zo­nas mais cal­mas e iso­la­das”, no­ta San­dra Je­sus, Di­re­to­ra Co­mer­ci­al da EasyGest pa­ra o dis­tri­to de Lei­ria. Por is­so, “mes­mo os es­tran­gei­ros não re­si­den­tes, po­dem não re­si­dir em per­ma­nên­cia des­de já, mas ten­ci­o­nam fa­zê-lo nos pró­xi­mos dois a três anos”, es­pe­ci­al­men­te os que “pro­cu­ram vi­ver num lo­cal se­gu­ro, com tem­pe­ra­tu­ras ame­nas e com boa ca­pa­ci­da­de de in­te­gra­ção so­ci­al”, de­fen­de Pedro Ga­bri­el. Pa­ra Car­los Nu­nes, Res­pon­sá­vel de Ven­das - Re­ta­lho Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, a re­gião é es­pe­ci­al­men­te atra­ti­va pa­ra fixar re­si­dên­cia de “es­tran­gei­ros que, mo­vi­dos pe­lo es­ta­tu­to do Re­si­den­te Não Ha­bi­tu­al, pro­cu­ram cen­tra­li­da­de, se­gu­ran­ça e in­te­gra­ção ime­di­a­ta em co­mu­ni­da­de”, um con­jun­to de re­qui­si­tos que tem mo­ti­va­do o in­te­res­se pe­lo con­do­mí­nio pri­va­do En­cos­ta das Oli­vei­ras, a pou­cos mi­nu­tos de Óbidos e on­de o Ban­co tem em co­mer­ci­a­li­za­ção um con­jun­to de seis mo­ra­di­as uni­fa­mi­li­a­res nas ti­po­lo­gi­as V3 e V4. “A fi­lo­so­fia do con­do­mí­nio pri­va­do ape­la à pro­xi­mi­da­de dos re­si­den­tes”, ex­pli­ca es­te res­pon­sá­vel, des­ta­can­do, nes­te ca­so con­cre­to, o fac­to de “ser de pe­que­na di­men­são e lo­ca­li­za­ção cen­tral, dis­por de am­bi­en­te de cam­po, mas per­to da ci­da­de e da praia”. Com­pos­to por 17 mo­ra­di­as e uma área de la­zer co­mum com pis­ci­na pa­ra cri­an­ças e adul­tos e zo­nas ajar­di­na­das, tal con­do­mí­nio “dis­tin­gue-se pe­la har­mo­nia da sua ar­qui­te­tu­ra, ge­ran­do-se um con­jun­to ha­bi­ta­ci­o­nal mu­to agra­dá­vel e fun­ci­o­nal”, diz. Além dis­so, as mo­ra­di­as em ques­tão “são to­das di­fe­ren­tes em es­tru­tu­ra, des­de a dis­tri­bui­ção das di­vi­sões, às áre­as e aca­ba­men­tos, con­fe­rin­do-lhes a pos­si­bi­li­da­de de es­co­lha con­so­an­te a pre­fe­rên­cia de ca­da com­pra­dor”, diz Car­los Nu­nes. Acres­ce ain­da a lo­ca­li­za­ção, mui­to per­to de Óbidos e das Cal­das da Rai­nha bem co­mo do ae­ro­por­to de Lis­boa, de­fen­de Nu­no An­jos, Di­re­tor Co­mer­ci­al da ERA Pe­ni­che-Óbidos, que co­mer­ci­a­li­za es­tas mo­ra­di­as a par da EasyGest e da Ca­sa Gold.

De acor­do com Car­los Nu­nes, os es­tran­gei­ros “com al­gu­ma ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra, que pre­ten­dem uma mo­ra­dia iso­la­da de mé­dia di­men­são, po­li­va­len­te e in­te­gra­da em am­bi­en­te cui­da­do” são um dos prin­ci­pais pú­bli­cos-al­vo des­te pro­du­to. “Em ter­mos de na­ci­o­na­li­da­des, o in­te­res­se tem si­do bas­tan­te di­ver­si­fi­ca­do”, diz Pedro Ga­bri­el, em­bo­ra se des­ta­quem os “re­si­den­tes nos Es­ta­dos Uni­dos, Ín­dia e Bra­sil e Cen­tro/Nor­te da Eu­ro­pa”.

Os por­tu­gue­ses são tam­bém um com­pra­dor-al­vo com gran­de po­ten­ci­al, so­bre­tu­do os ca­sais na fai­xa dos 30 aos 45 anos, fa­mí­li­as de 4 a 5 ele­men­tos, que pro­cu­ram uma mo­ra­dia pa­ra pri­mei­ra ha­bi­ta­ção, num mer­ca­do on­de a “ofer­ta é do­mi­na­da so­bre­tu­do por apar­ta­men­tos”, no­ta San­dra Je­sus, re­al­çan­do que “são ex­ce­len­tes mo­ra­di­as, nu­ma zo­na re­si­den­ci­al cal­ma, pró­xi­ma de Lis­boa, das prai­as e de Óbidos”. Quem é da zo­na “e por ra­zões de ne­ces­si­da­de de ha­bi­ta­ção de mai­o­res di­men­sões, pre­ten­de evo­luir do apar­ta­men­to pa­ra a mo­ra­dia no con­cei­to de con­do­mí­nio pri­va­do, en­con­tra aqui uma ex­ce­len­te op­ção” de­fen­de Car­los Nu­nes. Pa­ra não fa­lar de “pro­por­ci­o­nar al­go que co­me­ça a ser um pro­ble­ma em Por­tu­gal, e que as fa­mí­li­as por­tu­gue­sas en­con­tram aqui com fa­ci­li­da­de: mo­ra­di­as dis­po­ní­veis de ime­di­a­to”, su­bli­nha ain­da Pedro Ga­bri­el.

Es­tran­gei­ros de to­dos as par­tes

Ain­da as­sim, e ten­do em con­ta que “não há con­do­mí­ni­os pri­va­dos com as ca­rac­te­rís­ti­cas da En­cos­ta das Oli­vei­ras”, nas pa­la­vras de Car­los Nu­nes, e que a re­gião se afir­ma co­mo um des­ti­no con­so­li­da­do de 2ª ha­bi­ta­ção no país, es­tas mo­ra­di­as “po­dem ser uma al­ter­na­ti­va mui­to in­te­res­san­te pa­ra o tu­ris­mo re­si­den­ci­al que pro­cu­ra pro­xi­mi­da­de a Lis­boa”, de­fen­de Nu­no An­jos. As bo­as vi­as de co­mu­ni­ca­ção da re­gião, a sua ani­ma­da agen­da cul­tu­ral, a exis­tên­cia de qua­tro cam­pos de gol­fe de di­men­são in­ter- na­ci­o­nal, prai­as de surf mun­di­al­men­te co­nhe­ci­das e “uma co­mu­ni­da­de que sa­be re­ce­ber” são al­guns atra­ti­vos des­ta re­gião, a que acres­cem a boa lo­ca­li­za­ção des­tas mo­ra­di­as e o fac­to de “se­rem imó­veis no­vos por pre­ços atra­ti­vos”, com “pos­si­bi­li­da­de de ren­ta­bi­li­zar o in­ves­ti­men­to, pe­la cres­cen­te pro­cu­ra da nos­sa zo­na”, no­ta es­te me­di­a­dor.

Nes­ta re­gião, “os es­tran­gei­ros ain­da pro­cu­ram so­bre­tu­do ha­bi­ta­ção jun­to às prai­as e aces­so di­re­to ao golf”, na pers­pe­ti­va de Car­los Nu­nes, mas tam­bém é cla­ro que há uma cres­cen­te ten­dên­cia pa­ra “zo­nas re­si­den­ci­ais mais cal­mas e iso­la­das”, diz San­dra je­sus. Es­ta úl­ti­ma op­ção é es­pe­ci­al­men­te pre­fe­ri­da en­tre os fran­ce­ses, que pro­cu­ram na re­gião “zo­nas mais tran­qui­las e fo­ra da azá­fa­ma tu­rís­ti­ca”, diz Car­los Nu­nes. Nu­no An­jos des­ta­ca pre­ci­sa­men­te o au­men­to de pro­cu­ra de ca­sas pa­ra 2ª ha­bi­ta­ção por par­te des­ta na­ci­o­na­li­da­de (com um pe­so de cer­ca de 50% en­tre os es­tran­gei­ros), se­guin­do-se ale­mães (20%), in­gle­ses (15%), bel­gas (10%) e po­la­cos (5%) uma lis­ta à qual San­dra Je­sus acres­cen­ta os ho­lan­de­ses, “que co­me­çam a in­te­res­sar-se pe­la re­gião”. Pa­ra Pedro Ga­bri­el, a pro­cu­ra in­ter­na­ci­o­nal mais ex­pres­si­va pa­ra 2ª ha­bi­ta­ção vem ho­je de ou­tros con­ti­nen­tes. “Os es­tran­gei­ros que mais nos con­tac­tam são oriun­dos dos Es­ta­dos Uni­dos, Bra­sil e Ín­dia” e além das na­ci­o­na­li­da­des eu­ro­pei­as já re­fe­ri­das, acres­cen­ta ain­da a Suí­ça. Na sua pers­pe­ti­va, os es­tran­gei­ros “po­dem já ter vi­si­ta­do a re­gião, mas a gran­de mai­o­ria não a co­nhe­cia an­te­ri­or­men­te. Sen­tem-se atraí­dos pe­los pre­ços com­pe­ti­ti­vos, qua­li­da­de de vi­da, aces­si­bi­li­da­des, se­gu­ran­ça, fa­ci­li­da­de de in­te­gra­ção so­ci­al e be­le­za na­tu­ral”, ou se­ja, “uma mistura de fa­to­res di­fí­ceis de igua­lar”, ter­mi­na.

FO­TOS: MIL­LEN­NIUM BCP

As mo­ra­di­as de­ti­das pe­lo Mil­len­nium bcp na En­cos­ta das Oli­vei­ras, em Ga­ei­ras, Óbidos, têm atraí­do aten­ção de es­tran­gei­ros e por­tu­gue­ses pa­ra fixar re­si­dên­cia na re­gião. Es­ta­dos Uni­dos, Bra­sil e Ín­dia, além do Cen­tro e Nor­te da Eu­ro­pa são as...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.