Por­que é que os con­cur­sos pú­bli­cos fi­cam de­ser­tos?

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Têm vin­do a pú­bli­co vá­ri­as no­tí­ci­as que dão con­ta de do­nos de obra que se vi­ram obri­ga­dos ao lan­ça­men­to de no­vos con­cur­sos, que ti­nham por ob­je­to em­prei­ta­das que já ha­vi­am si­do an­tes con­cur­sa­das, mas que não fo­ram en­tre­gues pe­lo fac­to de não te­rem ob­ti­do qual­quer pro­pos­ta. Os con­cur­sos fi­cam de­ser­tos e es­te é um te­ma re­cor­ren­te, exi­gin­do­se a ado­ção de me­di­das con­cre­tas, que evi­tem a re­pe­ti­ção des­tas si­tu­a­ções. Es­tá em cau­sa, não só, o des­per­dí­cio de re­cur­sos pú­bli­cos mas, so­bre­tu­do, o atra­so no iní­cio e na con­clu­são de pro­je­tos que são es­sen­ci­ais pa­ra o bem-es­tar e de­sen­vol­vi­men­to das po­pu­la­ções e pa­ra o re­for­ço da co­e­são ter­ri­to­ri­al.

De fac­to, num con­tex­to de es­cas­sez de re­cur­sos fi nan­cei­ros, qu­an­do Por­tu­gal es­tá de­pen­den­te dos fundos co­mu­ni­tá­ri­os pa­ra a con­cre­ti­za­ção dos pro­je­tos de in­ves­ti­men­to ne­ces­sá­ri­os pa­ra o cres­ci­men­to do País, a úl­ti­ma coi­sa que po­de acon­te­cer é co­lo­car em cau­sa a uti­li­za­ção des­tes fundos. Re­cor­de- se que fa­la­mos de uma Lei que já exis­te há mais de 10 anos – o Có­di­go dos Con­tra­tos Pú­bli­cos – e que, co­mo é co­nhe­ci­do, sem­pre de­fen­de­mos que o Pre­ço Ba­se de­ve­ria ser, ape­nas, uma es­ti­ma­ti­va e não um fa­tor de ex­clu­são das pro­pos­tas. As al­te­ra­ções in­tro­du­zi­das a es­ta Lei, no iní­cio de 2018, fi­ca­ram a meio ca­mi­nho e fo­ram uma opor­tu­ni­da­de des­per­di­ça­da pa­ra ade­quar a le­gis­la­ção à re­a­li­da­de. Se nos úl­ti­mos anos as em­pre­sas, pa­ra man­ter as res­pe- ti­vas car­tei­ras de en­co­men­das, se vi­am com­pe­li­das a apre­sen­tar pro­pos­tas que lhes per­mi­tis­sem evi­tar a ex­clu­são, ho­je, da­do o de­sen­vol­vi­men­to ve­ri­fi­ca­do ao ní­vel do mer­ca­do de obras par­ti­cu­la­res, op­tam por não con­cor­rer, evi­den­ci­an­do as­sim a su­bor­ça­men­ta­ção do cus­to das em­prei­ta­das de obras pú­bli­cas. Ou se­ja, os pre­ços ba­se da ge­ne­ra­li­da­de dos con­cur­sos re­ve­lam- se “anor­mal­men­te bai­xos”.

Ora, os pre­ços têm de ser cre­dí­veis. E, tal co­mo acon­te­ce em di­ver­sos paí­ses co­mu­ni­tá­ri­os, há que cri­ar uma ba­se de da­dos de pre­ços de re­fe­rên­cia, ten­do por ob­je­ti­vo ge­rar os ele­men­tos ne­ces­sá­ri­os ao lan­ça­men­to de uma obra, in­cluin­do a es­ti­ma­ti­va or­ça­men­tal, me­di­ções de­ta­lha­das e ma­pa de tra­ba­lhos e quan­ti­da­des, que de­ve­rão obri­ga­to­ri­a­men­te ser con­si­de­ra­dos pe­los do­nos de obra pú­bli­ca. Foi es­ta pro­pos­ta que apre­sen­tá­mos ao Go­ver­no e sa­li­en­tá­mos que es­tá em cau­sa uma so­lu­ção que, pa­ra além de cor­res­pon­der às ne­ces­si­da­des do mer­ca­do, dá res­pos­ta aos prin­cí­pi­os apre­sen­ta­dos pe­las Di­re­ti­vas Co­mu­ni­tá­ri­as, que as­su­mem co­mo ob­je­ti­vos: au­men­tar a trans­pa­rên­cia, pre­ve­nir a cor­rup­ção e os con­fli­tos de in­te­res­ses.

Num mo­men­to em que o in­ves­ti­men­to pú­bli­co es­tá a ní­veis de há 30 anos, há que cri­ar con­di­ções pa­ra que o mer­ca­do se pos­sa de­sen­vol­ver com nor­ma­li­da­de. E não é com um Có­di­go dos Con­tra­tos Pú­bli­cos que tem uma vi­são dis­tor­ci­da do mer­ca­do, que o in­te­res­se pú­bli­co se­rá sal­va­guar­da­do. Es­tão em cau­sa em­pre­sas e do­nos de obra, pe­lo que, de uma vez por to­das, se im­põe uma pers­pe­ti­va uni­tá­ria, que, de uma for­ma equi­li­bra­da, sal­va­guar­de a po­si­ção das du­as par­tes.

Num mo­men­to em que o in­ves­ti­men­to pú­bli­co es­tá a ní­veis de há 30 anos, há que cri­ar con­di­ções pa­ra que o mer­ca­do se pos­sa de­sen­vol­ver com nor­ma­li­da­de

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.