Lis­bon Gre­en Val­ley: no­vos pro­je­tos ar­ran­cam ain­da es­te ano

Ven­di­das “em tem­po re­cor­de” as pri­mei­ras 24 ca­sas do Lis­bon Gre­en Val­ley, o An­dré Jor­dan Group vai ago­ra ar­ran­car com as pró­xi­mas obras na no­va fa­se do Be­las Clu­be de Cam­po, co­lo­can­do no mer­ca­do cer­ca de 40 no­vas uni­da­des ain­da em 2018

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Su­sa­na Correia

A in­for­ma­ção foi re­ve­la­da pe­lo CEO do gru­po, Gil­ber­to Jor­dan, que a 17 de ju­lho foi o an­fi­trião de um en­con­tro on­de deu a co­nhe­cer os úl­ti­mos de­sen­vol­vi­men­tos na­que­le que é o mai­or re­sort re­si­den­ci­al da Gran­de Lis­boa. “Nu­ma al­tu­ra em que o mer­ca­do se quei­xa da fal­ta de pro­du­to, nós te­mo-lo aqui e con­cluí­do den­tro dos pra­zos de­vi­dos”, re­al­çou, ad­mi­tin­do que “as nos­sas ex­pe­ta­ti­vas ini­ci­ais fo­ram su­pe­ra­das”.

Foi há um ano que o Be­las Clu­be de Cam­po deu o pon­ta­pé de saí­da à sua no­va fa­se de ex­pan­são, o Lis­bon Gre­en Val­ley, lan­çan­do as obras e as ven­das das pri­mei­ras uni­da­des, en­tre as quais se in­clui um pré­dio com 16 apar­ta­men­tos T1 a T3 e um con­jun­to de seis “towhou­ses” T4+1. Ven­di­das to­das as ca­sas “em tem­po re­cor­de” e em fa­se de cons­tru­ção, o gru­po prepara-se pa­ra ar­ran­car com a cons­tru­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção de mais três pro­je­tos até ao fi­nal do ano, co­lo­can­do no mer­ca­do três ti­po­lo­gi­as dis­tin­tas de pro­du­to: um lo­te com 16 apar­ta­men­tos, 15 tow­nhou­ses e um con­jun­to de 8 mo­ra­di­as em ban­da, e com os quais es­ti­ma en­cai­xar um vo­lu­me de ven­das de 45 mi­lhões de eu­ros.

“Es­ta­mos a fa­zer pou­cas mo­ra­di­as, mas com um le­que de ti­po­lo­gi­as bas­tan­te am­plo o que re­pre­sen­ta um es­for­ço mui­to gran­de de pro­mo­ção”, no­tou Gil­ber­to Jor­dan, su­bli­nhan­do que “um dos prin­ci­pais ele­men­tos di­fe­ren­ci­a­do­res dos pro­du­tos do Lis­bon Gre­en Val­ley é que cor­res­pon­dem ao mais ele­va­do pa­drão em ter­mos de sus­ten­ta­bi­li­da­de e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca”.

Bra­si­lei­ros li­de­ram a pro­cu­ra, se­gui­dos dos por­tu­gue­ses

Os es­tran­gei­ros fo­ram res­pon­sá­veis por 73% das ven­das nes­ta pri­mei­ra fa­se do Lis­bon Gre­en Val­ley. “Cer­ca de 45% das ven­das a es­tran­gei­ros fo­ram fei­tas a ci­da­dãos bra­si­lei­ros, com aque­le país a li­de­rar a pro­cu­ra em ter­mos de na­ci­o­na­li­da­des. Só de­pois sur­ge o mer­ca­do na­ci­o­nal (27%), se­guin­do-se a Bél­gi­ca (9%), Grã-Bre­ta­nha (5%), Fran­ça (5%) e ou­tros paí­ses (9%)”, adi­an­tou o di­re­tor-co­mer­ci­al do Be­las Clu­be de Cam­po, Bru­no Mar­tins. A seu ver, “o su­ces­so do nos­so pro­du­to no Bra- sil é fru­to, por um la­do, do gran­de es­for­ço co­mer­ci­al que te­mos vin­do a de­sen­vol­ver na­que­le país e, por ou­tro la­do, por­que es­te é um for­ma­to de pro­du­to mui­to do agra­do de uma de­ter­mi­na­da fran­ja de mer­ca­do que é, pre­ci­sa­men­te, o tar­get na­que­le país”.

In­de­pen­den­te­men­te da na­ci­o­na­li­da­de, o per­fil do cli­en­te do Lis­bon Gre­en Val­ley são “fa­mí­li­as com dois fi­lhos, em­pre­sá­ri­os, pro­fis­si­o­nais li­be­rais, exe­cu­ti­vos, bem co­mo fa­mí­li­as que trans­fe­rem a sua re­si­dên­cia pa­ra Por­tu­gal e que pro­cu­ram a qua­li­da­de de vi­da e a tran­qui­li­da­de em ple­na se­gu­ran­ça, sem per­der de vis­ta a li­ga­ção com a na­tu­re­za e a pro­xi­mi­da­de com o cen­tro da ca­pi­tal”, des­cre­ve o An­dré Jor­dan Group.

Es­ten­den­do-se por mais de mil hec­ta­res in­se­ri­dos no no­vo Par­que Flo­res­tal da Ser­ra da Car­re­guei­ra, e lo­ca­li­za­do a 15 mi­nu­tos do cen­tro de Lis­boa, o Be­las Clu­be de Cam­po é atu­al­men­te mo­ra­da pa­ra cer­ca de 800 fa­mí­li­as de 27 na­ci­o­na­li­da­des, con­tan­do com cer­ca de 2500 re­si­den­tes.

Mais de 98 mi­lhões in­ves­ti­dos des­de 2016

Além do in­ves­ti­men­to apli­ca­do di­re­ta­men­te pe­lo An­dré Jor­dan Group no de­sen­vol­vi­men­to do em­pre­en­di­men­to, “nos úl­ti­mos dois anos e meio o Be­las Clu­be de Cam­po cap­tou 98 mi­lhões de eu­ros jun­to de mais de 100 fa­mí­li­as e em­pre­sas que ali de­ci­di­ram com­prar as su­as ca­sas e/ou de­sen­vol­ver pro­je­tos”, re­ve­lou Gil­ber­to Jor­dan.

Um va­lor que in­clui a com­pra de ter­re­nos, a cons­tru­ção de mo­ra­di­as, aqui­si­ção de apar­ta­men­tos ou a cons­tru­ção da es­co­la, bem co­mo as ven­das re­a­li­za­das en­tre 2016 e o pri­mei­ro se­mes­tre de 2018, e que de­ve­rá con­ti­nu­ar a cres­cer a bom rit­mo nos pró­xi­mos anos. Até por­que, além da com­po­nen­te re­si­den­ci­al, o Lis­bon Gre­en Val­ley tem ain­da pre­vis­to pro­je­tos pa­ra uma uni­da­de de saú­de, um cen­tro hí­pi­co e um ho­tel, que se­rão de­sen­vol­vi­dos por ter­cei­ros.

Sus­ten­ta­bi­li­da­de é uma apos­ta ga­nha

Uma das ban­dei­ras do An­dré Jor­dan Group, a apos­ta na sus­ten­ta­bi­li­da­de já es­tá bem pre­sen­te nos pro­je­tos do Lis­bon Gre­en Val­ley. Mas, o ob­je­ti­vo é ir ca­da vez mais além ao lon­go das fa­ses se­guin­tes e, com is­so em vis­ta, o gru­po vai lan­çar em par­ce­ria com a Ho­ming (do gru­po Ca­sais) uma Ca­sa de Ele­va­do Per­fil Am­bi­en­tal (EPA). Tra­ta-se, no fun­do, de um pro­je­to pi­lo­to que in­te­gra­rá efi­caz­men­te di­ver­sas com­po­nen­tes de ar­qui­te­tu­ra e en­ge­nha­ria, pri­vi- le­gi­an­do a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e hí­dri­ca (in­te­gra­do­ra dos re­qui­si­tos de mo­bi­li­da­de elé­tri­ca e in­te­grá­vel nu­ma co­mu­ni­da­de de ener­gia), re­sul­tan­do “nu­ma ca­sa sau­dá­vel, con­for­tá­vel e atra­en­te”.

“O in­ves­ti­men­to em sus­ten­ta­bi­li­da­de e a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca é al­go que per­du­ra no tem­po. E is­so es­tá em li­nha com o nos­so po­si­ci­o­na­men­to no mer­ca­do, já que o An­dré Jor­dan Group de­sen­vol­ve os seus pro­je­tos nu­ma óti­ca de lon­go pra­zo”, afir­mou Bru­no Mar­tins, su­bli­nhan­do que “to­das es­tas ques­tões são ca­da vez mais va­lo­ri­za­das pe­los nos­sos cli­en­tes”.

Os re­tor­nos são evi­den­tes, não só ao ní­vel da re­du­ção de con­su­mos e da pe­ga­da am­bi­en­tal, mas va­lo­ri­zan­do tam­bém o pró­prio imó­vel: só no úl­ti­mo ano, as ca­sas nes­te re­sort re­si­den­ci­al va­lo­ri­za­ram mais de 20% fa­ce a 2016.

DR

O pro­je­to in­clui um pré­dio com 16 apar­ta­men­tos T1 a T3 e um con­jun­to de seis “towhou­ses” T4+1

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.