Co­vi­lhã: em­ble­má­ti­co edi­fí­cio da Ga­ra­gem de São João à ven­da por 1,2 mi­lhões

Publico - Imobiliario - - Oportunida­des -

O imó­vel de qua­tro pi­sos, lo­ca­li­za­do no cen­tro da ci­da­de, com for­te com­po­nen­te de comércio e ser­vi­ços na sua en­vol­ven­te, es­tá ago­ra à ven­da por 1,2 mi­lhões de eu­ros.

O edi­fí­cio pra­ti­ca­men­te dis­pen­sa apre­sen­ta­ções. A em­ble­má­ti­ca Ga­ra­gem de S. João, que faz par­te in­te­gran­te da ‘pai­sa­gem’ do cen­tro da ci­da­de da Co­vi­lhã, es­tá ago­ra dis­po­ní­vel no mer­ca­do. O imó­vel, cons­ti­tuí­do por qua­tro pi­sos - ca­ve, rés- do- chão, 1.º e 2.º an­da­res, te­ve co­mo úl­ti­mo uso uma es­ta­ção de ser­vi­ço, re­co­lha e ofi­ci­na de au­to­mó­veis. Cons­tru­ção de al­ve­na­ria, gra­ni­to e pla­cas de be­tão ar­ma­do, tem na ca­ve en­tra­da pe­la Rua Marquês de Avi­la e Bo­la­ma, sen­do o rés do chão e os pi­sos su­pe­ri­o­res cons­ti­tuí­dos por zo­nas am­plas, com ram­pa de aces­so no seu in­te­ri­or.

O ca­ris­má­ti­co edi­fí­cio, que es­tá de­vo­lu­to há já al­guns anos, con­ta com uma área de cons­tru­ção de 5 600 m2.

O ati­vo res­pi­ra his­tó­ria. No lo­cal em que se vi­ria a er­guer a Ga­ra­gem de São João exis­tia des­de 1875 um te­a­tro de­no­mi­na­do de “Te­a­tro Ve­lho”, sen­do que na dé­ca­da de 30 do sé­cu­lo XX a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de­ci­diu ven­dê-lo em has­ta pú­bli­ca. De en­tre as con­di­ções de ven­da, cons­ta­va a obri­ga­to­ri­e­da­de de ali se cons­truir uma no­va ca­sa de es­pe­tá­cu­los.

No iní­cio dos anos qua­ren­ta, uma so­ci­e­da­de em­pre­sa­ri­al, de­ci­de do­tar a Co­vi­lhã de um ci­ne­ma ad­qui­rin­do o imó­vel. O an­te­pro­je­to pa­ra o Ci­ne­te­a­tro S. João, as­sim se cha­ma­ria a fu­tu­ra ca­sa de es­pe­tá­cu­los, deu en­tra­da na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal em 1944 e, um ano de­pois, da­ria en­tra­da o pro­je­to de­fi­ni­ti­vo as­si­na­do pe­lo ar­qui­te­to Carlos Ra­mos, um dos gran­des no­mes da ar­qui­te­tu­ra do sé­cu­lo XX e um dos in­tro­du­to­res de mo­der­nis­mo em Por­tu­gal.

Du­ran­te o ano de 1947, foi pe­di­da uma li­cen­ça à Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal pa­ra ini­ci­ar as obras. En­tre­tan­to, foi pro­je­ta­do o Te­a­tro- Ci­ne mas não ha­ve­ria na ci­da­de lu­gar pa­ra du­as ca­sas de es­pe­tá­cu­los com a gran­di­o­si­da­de pro­pos­ta, o que obri­gou os pro­mo­to­res do Ci­ne­te­a­tro São João a op­ta­rem por cons­truir, em seu lu­gar, uma ga­ra­gem. O pro­je­to da­ta de 1949 sen­do as­si­na­do por Ale­xan­dre Stein­kit­zer Bas­tos.

A Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, con­tra­ri­a­men­te aos pro­je­tos an­te­ri­o­res, re­co­nhe­ceu a im­por­tân­cia des­ta obra e a 20 de Se­tem­bro de 1949 a re­par­ti­ção téc­ni­ca emi­tiu o pa­re­cer fa­vo­rá­vel à cons­tru­ção.

Após con­cluí­da, a ga­ra­gem não se man­tém du­ran­te mui­to tem­po sob a di­re­ção da Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Es­pe­tá­cu­los, ten­do pas­sa­do pa­ra a So­ci­e­da­de de Ca­mi­o­na­gem da Guar­da, de­pois pa­ra a Sa­cor (de Pe­dro Or­daz), mas foi com um pres­ti­gi­a­do em­pre­sá­rio da ci­da­de que vi­veu os seus ‘úl­ti­mos di­as de gló­ria’.

Ver­sa­ti­li­da­de e gran­di­o­si­da­de

Pe­dro Fer­rei­ra, di­re­tor co­mer­ci­al da Prum­mo, em­pre­sa par­cei­ra do Mil­len­nium bcp na pro­mo­ção des­te imó­vel, ga­ran­tiu ao Pú­bli­co Imo­bi­liá­rio que uma das mais-va­li­as des­te ati­vo é a sua gran­di­o­si­da­de, o que lhe con­fe­re uma imen­sa ca­pa­ci­da­de de ver­sa­ti­li­da­de, po­den­do ser adap­ta­do a ha­bi­ta­ção, su­per­mer­ca­do, hos­pi­tal, ho­tel, lo­jas de gran­des di­men­sões, en­tre mui­tos ou­tros fins. “Es­te é um ver­da­dei­ro ex-li­bris da ci­da­de que in­fe­liz­men­te já es­tá fe­cha­do há mui­tos anos. So­bre­tu­do, é um edi­fí­cio com um enor­me po­ten­ci­al por­que po­de ser uti­li­za­do pa­ra imen­sos fins”. Pa­ra além das já re­fe­ri­das va­lên­ci­as, Pe­dro Fer­rei­ra sa­li­en­tou que a sua uti­li­za­ção po­dia ser al­ta­men­te be­né­fi­ca pa­ra a ci­da­de ca­so a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal ou mes­mo a Uni­ver­si­da­de da Bei­ra In­te­ri­or fi­cas­sem res­pon­sá­veis pe­lo des­ti­no a dar ao ati­vo: “Es­ta­ria al­ta­men­te ade­qua­do pa­ra ser­vi­ços ca­ma­rá­ri­os ou mes­mo Lo­ja do Ci­da­dão”, co­men­tou. “Pa­ra além de mui­to bem lo­ca­li­za­do, é um edi­fí­cio mui­to bo­ni­to, lo­go um ho­tel tam­bém se­ria uma boa op­ção pa­ra o ati­vo”.

Ha­bi­ta­ção se­ria op­ção

Uma das op­ções que Pe­dro Fer­rei­ra acre­di­ta ser viá­vel pa­ra o edi­fí­cio é o seg­men­to ha­bi­ta­ção. Mas não só. A ver­sa­ti­li­da­de do ati­vo per­mi­te que vá­ri­os ce­ná­ri­os es­te­jam em ci­ma da me­sa, pe­lo que Pe­dro Fer­rei­ra acre­di­ta no po­ten­ci­al do ati­vo e no fac­to de que fa­cil­men­te se­rá ab­sor­vi­do pe­lo mer­ca­do.

Quan­to ao mer­ca­do da Co­vi­lhã após o iní­cio o des­con­fi­na­men­to, o di­re­tor co­mer­ci­al afir­ma que tem de­mons­tra­do al­gum di­na­mis­mo. “Nes­te mo­men­to con­ti­nu­a­mos a ven­der, o que é um si­nal mui­to po­si­ti­vo. As opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cio vão con­ti­nu­ar com cer­te­za a sur­gir, te­mos é de nos man­ter aten­tos e apro­vei­tar es­sas opor­tu­ni­da­des”.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.