Ocu­pa­ção de es­cri­tó­ri­os cres­ce 38% no Por­to

No pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, o mer­ca­do de es­cri­tó­ri­os do Gran­de Por­to re­gis­tou um au­men­to de 38% no vo­lu­me de ocu­pa­ção, fa­ce a igual se­mes­tre de 2019, num to­tal de 28.381 m² de es­cri­tó­ri­os to­ma­dos.

Publico - Imobiliario - - Em Destaque -

Ape­sar da pan­de­mia, o mer­ca­do de es­cri­tó­ri­os da In­vic­ta con­ti­nua a cres­cer. É o que mos­tra o re­la­tó­rio OnOf­fi­ce, da Pre­di­bi­sa, se­gun­do o qual, ape­sar de um me­nor nú­me­ro de tran­sa­ções re­gis­ta­das (me­nos 4%, num to­tal de 24 ne­gó­ci­os), o va­lor mé­dio con­tra­ta­do por ope­ra­ção au­men­tou pa­ra 1.183 m². Es­ta va­ri­a­ção foi in­flu­en­ci­a­da por 4 ope­ra­ções aci­ma dos 3.000 m².

Se­gun­do a con­sul­to­ra, 2/3 das tran­sa­ções fe­cha­das até ju­nho en­vol­ve­ram mul­ti­na­ci­o­nais, e 38% das mes­mas di­zem res­pei­to à ins­ta­la­ção de no­vas em­pre­sas na re­gião, con­fir­man­do a cres­cen­te atra­ti­vi­da­de do Por­to na área em­pre­sa­ri­al a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal. Por ou­tro la­do, 50% do ta­ke up foi mo­ti­va­do pe­la ex­pan­são de área das em­pre­sas

Nes­te se­mes­tre, a ci­da­de do Por­to ab­sor­veu 65% da área co­lo­ca­da, com o CBD a li­de­rar, com 8 tran­sa­ções e 9.347 m² con­tra­ta­dos (33% do to­tal). Se­guem-se Ma­to­si­nhos, com 20% da área to­ma­da, Vi­la No­va de Gaia, com 10%, e a Maia, com 6%.

As em­pre­sas do se­tor das TMT’s & Uti­li­ti­es fo­ram as mais ati­vas no pri­mei­ro se­mes­tre do ano, num to­tal de 6 tran­sa­ções e 25% da pro­cu­ra, se­gui­das pe­lo se­tor Ser­vi­ços Em­pre­sas e Ou­tros Ser­vi­ços, com 21% ca­da. O se­tor Ser­vi­ços Em­pre­sas foi o res­pon­sá­vel pe­la mai­or per­cen­ta­gem de ocu­pa­ção, num to­tal de 31% da área de es­cri­tó­rio con­tra­ta­da.

No pe­río­do ana­li­sa­do, a Pre­di­bi­sa foi res­pon­sá­vel pe­la co­lo­ca­ção de 14.403 m², cer­ca de 51% da área to­tal ab­sor­vi­da no Gran­de Por­to, as­se­gu­ran­do me­ta­de do nú­me­ro de tran­sa­ções.

Por­to con­so­li­da a sua atra­ti­vi­da­de in­ter­na­ci­o­nal

Gra­ça Ri­bei­ro da Cu­nha, res­pon­sá­vel da Pre­di­bi­sa pa­ra a área de Es­cri­tó­ri­os, des­ta­ca que "a boa per­for­man­ce des­te pri­mei­ro se­mes­tre, no se­gui­men­to do que tem vin­do a acon­te­cer nos úl­ti­mos anos no mer­ca­do de es­cri­tó­ri­os do Gran­de Por­to, de­ve-se à con­clu­são de ne­gó­ci­os que já se ti­nham ini­ci­a­do no ano an­te­ri­or. Por nor­ma, as gran­des em­pre­sas pla­nei­am a sua im­plan­ta­ção em no­vos paí­ses ou mes­mo a sua ex­pan­são, com mui­to tem­po de an­te­ce­dên­cia".

A res­pon­sá­vel sa­li­en­ta que "a pan­de­mia a ní­vel mun­di­al veio acau­te­lar to­do es­te pro­ces­so, co­lo­can­do as­sim al­guns ne­gó­ci­os em stand-by, ain­da sem in­dí­ci­os de da­ta pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to. É nos­sa opi­nião que es­te abran­da­men­to po­de­rá vir a re­fle­tir-se nos pró­xi­mos me­ses".

A pro­cu­ra por es­pa­ços de es­cri­tó­ri­os no Por­to con­ti­nua a su­pe­rar a ofer­ta. O Gran­de Por­to tem nes­te mo­men­to em pi­pe­li­ne cer­ca de 86.000 m² de es­cri­tó­ri­os, nas con­tas da Pre­di­bi­sa, cu­ja en­tra­da em stock es­tá pre­vis­ta até ao fi­nal do pró­xi­mo ano. Mas se­rá in­su­fi­ci­en­te pa­ra o des­fa­sa­men­to en­tre ofer­ta e pro­cu­ra.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.