Re­a­va­li­a­ção dos imó­veis de­ve­rá ace­le­rar no fu­tu­ro

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

Ape­sar da eco­no­mia eu­ro­peia ter re­a­ti­va­do de for­ma po­si­ti­va, a se­gun­da eta­pa da re­cu­pe­ra­ção de­ve­rá ser “len­ta e de­si­gual”. E nes­te fu­tu­ro ain­da in­cer­to de­ve­rá as­sis­tir-se à ace­le­ra­ção da re­a­va­li­a­ção dos va­lo­res dos imó­veis.

"A re­a­va­li­a­ção do pre­ço das pro­pri­e­da­des de­ve­rá ace­le­rar e es­ta­rá as­sen­te mais nas ren­das do que nas yi­elds", aler­ta David Hut­chings, He­ad of In­vest­ment Stra­tegy EMEA na Cush­man and Wa­ke­fi­eld, que re­ve­la ain­da que, nes­te pa­no­ra­ma, vão ser "os ati­vos se­cun­dá­ri­os que mais vão so­frer". No âm­bi­to do we­bi­nar “What’s Next for Eu­ro­pe­an re­al es­ta­te in­vest­ments?”, or­ga­ni­za­do pe­la mes­ma con­sul­to­ra, David Hut­chings re­ve­lou ain­da que em ter­mos de tran­sa­ções e de pro­cu­ra o sen­ti­men­to de mer­ca­do tem vin­do a evo­luir de for­ma po­si­ti­va. Já "os pre­ços e a dí­vi­da per­ma­ne­cem em ter­ri­tó­rio ne­ga­ti­vo e têm si­do mui­to mais len­tos a me­lho­rar", as­si­na­la na oca­sião.

Es­tes re­sul­ta­dos sur­gem num mo­men­to em que o in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio no es­pa­ço eu­ro­peu já co­me­ça a dar os pri­mei­ros si­nais de re­cu­pe­ra­ção e, em pa­ra­le­lo, já se as­sis­te a uma evo­lu­ção po­si­ti­va do sen­ti­men­to de mer­ca­do na Eu­ro­pa, em­bo­ra não li­ne­ar de país pa­ra país.

A es­tra­té­gia dos in­ves­ti­do­res de­ve­rá es­tar ago­ra as­sen­te em di­fe­ren­tes fa­to­res que po­dem di­vi­dir-se em três gru­pos. O dos que res­su­mem as apren­di­za­gens des­ta cri­se, co­mo é o ca­so do in­ves­ti­men­to em saú­de, os es­tí­mu­los fis­cais e a va­lo­ri­za­ção do bai­xo ris­co. Ou­tro gru­po en­glo­ba as ques­tões que a pan­de­mia co­lo­cou na ri­bal­ta e so­bre as quais é pre­ci­so pen­sar: o e-com­mer­ce, a aces­si­bi­li­da­de, e o pa­ra­do­xo cen­tra­li­zar ou des­cen­tra­li­zar. E, por fim, há um ou­tro con­jun­to de te­mas que vol­ta­ram à agen­da dos in­ves­ti­do­res com a pan­de­mia, co­mo é o ca­so das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas e de­mo­grá­fi­cas dos paí­ses.

Re­si­den­ci­al e Lo­gís­ti­ca são os ven­ce­do­res da cri­se

Em re­la­ção aos di­fe­ren­tes seg­men­tos do imo­bi­liá­rio, os re­sul­ta­dos do mes­mo inquérito mos­tram que o re­ta­lho e ho­te­la­ria con­ti­nu­am no ver­me­lho, en­quan­to o sen­ti­men­to de mer­ca­do em re­la­ção aos es­cri­tó­ri­os me­lho­rou li­gei­ra­men­te e o re­si­den­ci­al e a lo­gís­ti­ca con­ti­nu­am no pó­dio.

So­bre o fu­tu­ro do re­ta­lho, David Hut­chings acre­di­ta que ha­ve­rá "uma des­cen­tra­li­za­ção do in­ves­ti­men­to no pe­río­do de re­cu­pe­ra­ção. Es­ta­mos a pas­sar um mo­men­to em que os re­tai­lers es­tão a lu­tar pa­ra man­ter os seus ne­gó­ci­os ati­vos, mas ha­ve­rá al­guns que não vão re­sis­tir e, por is­so, ha­ve­rá opor­tu­ni­da­des no mer­ca­do", acres­cen­ta pre­ven­do ain­da que, co­mo con­sequên­cia, "no fu­tu­ro va­mos ter me­nos es­pa­ços de re­ta­lho do que te­mos ho­je".

Já o que o fu­tu­ro guar­da pa­ra o seg­men­to de es­cri­tó­ri­os pa­re­ce ser bem di­fe­ren­te. E a fle­xi­bi­li­da­de se­rá a pa­la­vra de or­dem. Na opi­nião de Ja­mes Young, He­ad of I nves­tor Ser­vi­ces EMEA na Cush­man & Wa­ke­fi­eld, "o pa­pel dos es­cri­tó­ri­os vai mu­dar" e ex­pli­ca que "em­bo­ra os es­cri­tó­ri­os con­ti­nu­em a ser im­por­tan­tes pa­ra as em­pre­sas, os seus usos de­ve­rão mu­dar e o mais pro­vá­vel é que ha­ja uma com­bi­na­ção en­tre o tra­ba­lho no es­cri­tó­rio e o te­le­tra­ba­lho". O que é cer­to é que nes­te seg­men­to "o ar­ren­da­men­to fle­xí­vel fa­rá par­te do seu fu­tu­ro", ga­ran­te.

En­quan­to se as­sis­te a um "au­men­to de tran­sa­ções de uni­da­des lo­gís­ti­cas por to­da a Eu­ro­pa", Stephen Scre­e­ne, He­ad of Glo­bal Ca­pi­tal, EMEA Ca­pi­tal Mar­kets, as­su­me que o re­si­den­ci­al e, em es­pe­ci­al, o seu mer­ca­do de ar­ren­da­men­to foi uma "sur­pre­sa e que vai ser um se­tor mui­to ati­vo". O ape­ti­te dos in­ves­ti­do­res tam­bém de­ve­rá vol­tar-se ago­ra pa­ra ati­vos que alo­jem li­fe sci­en­ces e da­ta cen­tres, avan­ça.

A ver­da­de é que se pre­vê que em ter­mos de ofer­ta o mer­ca­do imo­bi­liá­rio eu­ro­peu irá co­nhe­cer uma épo­ca "mais dinâmica do que an­tes do Co­vid-19", já que se es­ti­ma que ha­ja um au­men­to de players mo­ti­va­dos, re­ve­la David Hut­chings. Is­to se­rá es­pe­ci­al­men­te ver­da­de se não vol­tar a ha­ver blo­quei­os de mer­ca­do de­ri­va­dos da pan­de­mia. Se es­tas con­di­ções as­sim se reu­ni­rem, a Cush­man & Wa­ke­fi­eld acre­di­ta que a "ati­vi­da­de imo­bi­liá­ria se­rá for­te em 2021".

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.