Ala­van­ca

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

A atra­ção de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro é, re­gra ge­ral, per­ce­ci­o­na­da co­mo uma mais­va­lia pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das eco­no­mi­as. Se­rão pou­cos os que não vêm com bons olhos a ideia de ter en­ti­da­des es­tran­gei­ras a in­ves­tir no País, aju­dan­do des­te mo­do a cri­ar em­pre­go e, con­se­quen­te­men­te, a ala­van­car a eco­no­mia.

Co­mo nos de­mais sec­to­res, tam­bém no imo­bi­liá­rio a en­tra­da de ca­pi­tal es­tran­gei­ro é uma ala­van­ca pa­ra a sua di­na­mi­za­ção. É in­con­tes­tá­vel a sua im­por­tân­cia no pa­no­ra­ma eco­nó­mi­co e na ri­que­za que ge­ra pa­ra o País.

Re­cor­do a úl­ti­ma cri­se quan­do, ain­da pe­ran­te a in­ter­ven­ção da Troi­ka, fo­ram cri­a­dos e di­na­mi­za­dos os pro­gra­mas de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to (Pro­gra­ma de Au­to­ri­za­ção de Re­si­dên­cia pa­ra Ati­vi­da­des de In­ves­ti­men­to e Re­gi­me Fis­cal pa­ra Re­si­den­tes não Ha­bi­tu­ais), que ti­ve­ram uma im­por­tân­cia ab­so­lu­ta­men­te fun­da­men­tal não só na re­cu­pe­ra­ção do sec­tor, que atra­ves­sa­va um di­fí­cil pe­río­do de es­tag­na­ção, mas tam­bém na re­to­ma de ou­tros co­mo a cons­tru­ção ou o pró­prio turismo, que mui­to be­ne­fi­ci­a­ri­am des­te ca­pi­tal es­tran­gei­ro que nes­te pe­río­do co­me­ça­va a en­trar no nos­so País, per­ce­ci­o­na­do com um por­to se­gu­ro pa­ra in­ves­ti­men­tos.

To­da es­ta re­cu­pe­ra­ção trou­xe com ela a ge­ra­ção de mi­lha­res de pos­tos de tra­ba­lho que se ha­vi­am per­di­do com a cri­se, ten­do si­do uma das prin­ci­pais pe­dras de to­que pa­ra uma re­to­ma da eco­no­mia que pros­pe­rou com a as­cen­são do mer­ca­do imo­bi­liá­rio.

Mas a me­mó­ria foi cur­ta e ra­pi­da­men­te as pes­so­as es­que­ce­ram as di­fi­cul­da­des atra­ves­sa­das e as van­ta­gens que a re­a­bi­li­ta­ção e re­ge­ne­ra­ção, fei­ta por pri­va­dos, trou­xe­ram aos cen­tros das nos­sas ci­da­des, co­lo­can­do cons­tan­te­men­te em cau­sa os pro­gra­mas exis­ten­tes, ten­do in­clu­si­ve o Par­la­men­to apro­va­do, no Or­ça­men­to de Es­ta­do pa­ra 2020, uma nor­ma que au­to­ri­za­va o Go­ver­no a re­ver o re­gi­me le­gal atu­al, no que ao pro­gra­ma de “Vis­tos Gold” diz res­pei­to, al­te­ran­do o seu âm­bi­to e di­ri­gin­do- o ex­clu­si­va­men­te pa­ra as re­giões e bai­xa den­si­da­de.

No en­tan­to, a sur­pre­sa de uma cri­se pan­dé­mi­ca veio, uma vez mais, acen­tu­ar a im­por­tân­cia que o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro tem no de­sen­vol­vi­men­to e ma­nu­ten­ção de de­ter­mi­na­dos sec­to­res da eco­no­mia.

Os ris­cos do fu­tu­ro da eco­no­mia na­ci­o­nal me­re­cem tan­ta ou mais aten­ção que os ris­cos que o CO­VID 19 re­pre­sen­ta pa­ra a sa­ni­da­de da po­pu­la­ção, pe­lo que me pa­re­ce ób­via a ne­ces­si­da­de de dar um pas­so atrás, fa­ce à au­to­ri­za­ção le­gis­la­ti­va pre­vis­ta no OE 2020 e às al­te­ra­ções ao Re­gi­me Fis­cal pa­ra Re­si­den­tes não Ha­bi­tu­ais.

Em vez de tra­var­mos o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, o nos­so pa­pel de­ve­rá ser o de o vol­tar a cap­tar, in­te­gran­do os pro­gra­mas de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to nu­ma es­tra­té­gia de re­cu­pe­ra­ção que se­ja par­te da so­lu­ção.

Olhe­mos pa­ra Paí­ses co­mo a Grécia ou Itá­lia, que já se co­me­çam a po­si­ci­o­nar na pro­mo­ção des­te ti­po de pro­gra­mas, com van­ta­gens fis­cais pa­ra quem es­ta­be­le­ça re­si­dên­cia. Se não nos adi­an­tar­mos, ou­tros o fa­rão.

Por ve­zes, é ne­ces­sá­rio dar um pas­so atrás, pa­ra dar dois à fren­te.

E fi­ca no ar um en­si­na­men­to que mui­to de­fen­do: ao agir, de­ve­re­mos sem­pre atu­ar na pro­mo­ção do au­men­to da ofer­ta e nun­ca pa­ra tra­var a pro­cu­ra. O di­ta­do diz e bem: quem cos­pe pa­ra ci­ma, na ca­ra lhe cai.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.