Mo­ra­tó­ri­as Fis­cais: Es­ta­do tem de con­ti­nu­ar a apoi­ar as em­pre­sas

Publico - Imobiliario - - Opinião - Manuel Reis Cam­pos Pre­si­den­te da CPCI e da AICCOPN

Quan­do a cri­se ge­ra­da pe­lo sur­to pan­dé­mi­co eclo­diu, em mar­ço, iden­ti­fi­cá­mos de ime­di­a­to al­gu­mas me­di­das ex­tra­or­di­ná­ri­as, que eram im­pres­cin­dí­veis pa­ra, co­mo dis­se­mos, evi­tar o que po­de­ria ser um de­sas­tre ab­so­lu­to, per­mi­tin­do que a ge­ne­ra­li­da­de das em­pre­sas pu­des­se su­por­tar o im­pac­to de uma pa­ra­gem sem pre­ce­den­tes na ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca. A mo­ra­tó­ria dos pa­ga­men­tos de im­pos­tos e con­tri­bui­ções pa­ra a se­gu­ran­ça so­ci­al foi uma das so­lu­ções pri­o­ri­tá­ri­as que o Go­ver­no, e bem, im­ple­men­tou e um es­tu­do do Tri­bu­nal de Con­tas, re­cen­te­men­te di­vul­ga­do, diz mes­mo que mais de me­ta­de do apoio pú­bli­co exe­cu­ta­do en­tre mar­ço e maio de­veu-se, pre­ci­sa­men­te, ao adi­a­men­to de re­cei­ta fis­cal, a qual te­rá ago­ra de ser pa­ga ao lon­go dos pró­xi­mos me­ses.

E a ver­da­de é que, mui­tas das em­pre­sas que re­cor­re­ram a es­ta mo­ra­tó­ria, es­tão já a efe­tu­ar os pa­ga­men­tos das con­tri­bui­ções nor­mais de­vi­das, acres­ci­das dos mon­tan­tes que fo­ram ob­je­to de mo­ra­tó­ria. Ou se­ja, num mo­men­to em que a eco­no­mia es­tá a so­frer o im­pac­to do abran­da­men­to ge­ne­ra­li­za­do da ati­vi­da­de e se man­têm as di­fi­cul­da­des ope­ra­ci­o­nais das em­pre­sas, o flu­xo fi­nan­cei­ro da car­ga fis­cal e con­tri­bu­ti­va es­tá a ser agra­va­do pa­ra uma gran­de par­te do te­ci­do em­pre­sa­ri­al.

Co­mo te­mos afir­ma­do, o se­tor da Cons­tru­ção não pa­rou por for­ça da De­cla­ra­ção de Es­ta­do de Emer­gên­cia e é mes­mo apon­ta­do, à es­ca­la eu­ro­peia, co­mo uma apos­ta de­ci­si­va pa­ra re­a­ti­var a ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca e o em­pre­go. Po­rém, é pre­ci­so as­se­gu­rar con­di­ções ao te­ci­do em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal pa­ra se po­si­ci­o­nar com­pe­ti­ti­va­men­te e ti­rar par­ti­do des­ta apos­ta e, pa­ra is­so, há que olhar pa­ra o cur­to pra­zo e pa­ra as ne­ces­si­da­des de li­qui­dez das em­pre­sas. De igual mo­do, nes­ta fi lei­ra, há mui­tas ati­vi­da­des, co­mo é o ca­so das em­pre­sas que se de­di­cam à cons­tru­ção e mon­ta­gem de stands e pres­ta­ção de ser­vi­ços, no âm­bi­to de exposições, fei­ras in­ter­na­ci­o­nais de ne­gó­ci­os e ou­tros even­tos, que con­ti­nu­am com uma sus­pen­são qua­se to­tal das su­as ope­ra­ções.

As me­di­das tem­po­rá­ri­as es­tão, gra­du­al­men­te, a de­sa­pa­re­cer, mas a cri­se eco­nó­mi­ca não. É pre­ci­so dar mais tem­po às em­pre­sas pa­ra li­dar com as di­fi­cul­da­des da si­tu­a­ção atu­al e man­ter os pos­tos de tra­ba­lho que to­dos es­pe­ra­mos ve­nham a ser ne­ces­sá­ri­os pa­ra a pró­xi­ma fa­se, de re­to­ma da eco­no­mia e de ar­ran­que do in­ves­ti­men­to pú­bli­co.

En­quan­to se aguar­da a im­ple­men­ta­ção de ou­tros me­ca­nis­mos que já fo­ram anun­ci­a­dos, co­mo a cri­a­ção de um ver­da­dei­ro Ban­co do Fo­men­to, a exe­cu­ção dos pro­je­tos de in­ves­ti­men­to pú­bli­co pre­vis­tos ou os no­vos ins­tru­men­tos co­mu­ni­tá­ri­os de apoio, pro­lon­gar as mo­ra­tó­ri­as dos pa­ga­men­tos dos im­pos­tos e das con­tri­bui­ções so­ci­ais é, nes­te mo­men­to, uma me­di­da in­dis­pen­sá­vel pa­ra mui­tas em­pre­sas por­tu­gue­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.