Lin­guis­ta não con­se­gue com­pre­en­der por­que é que Gu­ter­res con­se­gue ser re­le­van­te quan­do fa­la em in­glês e quan­do fa­la em por­tu­guês não con­se­gue trans­mi­tir uma ideia de jei­to

Publico - Inimigo - - O INIMIGO PÚBLICO -

O se­cre­tá­rio-ge­ral das Na­ções Uni­das foi à Web Sum­mit par­tir aqui­lo tu­do. Mais uma vez fi­cou pro­va­do que o de­sem­pe­nho do an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro es­tá de­ma­si­a­do de­pen­den­te do idi­o­ma que uti­li­za na sua in­ter­ven­ção e as pes­so­as que­rem sa­ber porquê. “An­do há vá­ri­os anos com is­to e não con­si­go des­co­brir. O António quan­do fa­la em por­tu­guês é um son­so, es­tá sem­pre pre­o­cu­pa­di­nho com os po­bre­zi­nhos e não sei quê, mas não con­se­gue sair des­se dis­cur­so ba­nal que não pro­duz con­sequên­ci­as. A mes­ma pes­soa em in­glês con­se­gue ser um lí­der in­ter­na­ci­o­nal in­crí­vel. O ti­po vai a uma con­fe­rên­cia da­que­las e avi­sa pa­ra os pe­ri­gos da uti­li­za­ção da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al pa­ra fins mi­li­ta­res e bé­li­cos. Os ma­lu­qui­nhos que es­ta­vam na pla­teia que se de­di­cam pro­fis­si­o­nal­men­te a es­tas coi­sas até ge­la­ram. Pa­ga­ram uma pi­pa de mas­sa e fo­ram pa­ra o ho­tel ques­ti­o­nar se o que an­dam a fa­zer na vi­da é mo­ral­men­te acei­tá­vel. Não sei se o pro­ble­ma é o Gu­ter­res ou se é a lín­gua por­tu­gue­sa que é as­sim e li­mi­ta as pes­so­as. Se o Gu­ter­res ti­ves­se fa­la­do in­glês to­da a sua vi­da, ele ho­je em dia até que po­de­ria ser uma pes­soa in­flu­en­te no mun­do”, de­fen­deu o lin­guis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.