Ex­tre­ma-di­rei­ta Ex­tr la­men­ta lam Por­tu­gal ain­da aind não ter ban­di­dos su cci­en­tes pa­ra que um dis­cur­so se­cu­ri­tá­rio te­nha te­nh e cá­cia elei­to­ral

Publico - Inimigo - - O INIMIGO PÚBLICO -

A vi­tó­vi­tó­ria de Bol­so­na­ro no Bra­sil es­tá a en­co­ra­jar en­co os par­ti­dos mais à di­rei­ta em Por­tu­gal Por­tu a tes­tar um dis­cur­so mais ra­di­cal, mas até ago­ra os re­sul­ta­dos têm si­do de­so­la­do­res de­so e os ul­tra­con­ser­va­do­res não es­tão a con­se­guir o en­ga­ja­men­to que os seus co­le­gas con­se­gui­ram no Bra­sil. “Te­mos tu­do mon­ta­do pa­ra cri­ar um Bol­so­na­ro em Por­tu­gal.P Já an­da­mos a di­zer que é pre­ci­so prec dar car­ta bran­ca aos po­lí­ci­as pa­ra ma­tar ma­ta os ban­di­dos, que os es­tran­gei­ros de­vem de­ve ser ex­pul­sos, que os gays de­vem ser eli­mi­na­dos, eli­mi que as es­co­las es­tão a dou­tri­nar as cr­cri­an­ças pa­ra se­rem co­mu­nis­tas e que os si­sin­di­ca­tos de­vem ser proi­bi­dos. Fal­ta­nos­nos uum cli­ma de in­se­gu­ran­ça, me­do e ter­ror ter­ro em Por­tu­gal. No Fa­ce­bo­ok até pa­re­ce que te­mos po­ten­ci­al, mas na vi­da re­al es­sa for­ça des­va­ne­ce-se to­da. As pes­so­as an­dam tran­qui­las nas ru­as, te­mos uma ta­xa de cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta ri­dí­cu­la e mui­to pou­cos ho­mi­cí­di­os. O por­tu­guês con­vi­ve tran­qui­la­men­te com as mi­no­ri­as ét­ni­cas e se­xu­ais, es­tá com pou­co ódio, pa­re­ce sa­tis­fei­to com a De­mo­cra­cia e não pa­re­ce que­rer mu­dar pa­ra uma di­ta­du­ra. Te­mos tu­do pa­ra dar cer­to, só fal­ta a re­a­li­da­de dar-nos ra­zão. O fas­cis­mo nes­te mo­men­to é um pés­si­mo ne­gó­cio em Por­tu­gal. Vou ter de emi­grar pa­ra o Bra­sil”, la­men­tou um fascista.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.