Ci­en­tis­ta vai ten­tar in­ves­ti­gar por­que é que as pes­so­as quan­do acor­dam 1 ho­ra an­tes do des­per­ta­dor es­tão fres­cas co­mo uma al­fa­ce mas quan­do to­ca o des­per­ta­dor es­tão a mor­rer

Publico - Inimigo - - NOTÍCIAS DO GOVERNO -

A Ci­ên­cia já faz be­bés ma­ni­pu­la­dos ge­ne­ti­ca­men­te, es­tá a trans­for­mar o can­cro e a Sida nu­ma do­en­ça cró­ni­ca, des­co­briu tra­ta­men­tos de pe­le re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os fei­tos à ba­se de cé­lu­las de pre­pú­ci­os de be­bés re­cém-nas­ci­dos co­re­a­nos, mas con­ti­nua sem dar res­pos­tas às ques­tões re­al­men­te im­por­tan­tes. Mas a re­so­lu­ção de um dos pro­ble­mas mais enig­má­ti­cos do ser hu­ma­no po­de­rá es­tar pa­ra bre­ve. “Acor­do às 7 da ma­nhã e sin­to-me bem. O des­per­ta­dor só vai to­car às 8, mas eu não pre­ci­so. Es­tou em gran­de for­ma, fres­qui­nho, dor­mi mes­mo bem, não te­nho dor de ca­be­ça, des­can­sei tu­do o que pre­ci­sa­va, o meu cor­po não es­tá do­ri­do, es­tou mes­mo pron­to pa­ra co­me­çar o dia em gran­de. Vou car só aqui um bo­ca­di­nho na ca­ma acor­da­do. To­ca o des­per­ta­dor às 8 da ma­nhã e eu sin­to-me com­ple­ta­men­te es­go­ta­do. De­ve ha­ver aqui al­gum en­ga­no. São 4 da ma­nhã e eu só dor­mi 1 ho­ra. Vou to­can­do no ecrã do te­le­mó­vel e adi­an­do 10 mi­nu­tos e mais 10 e mais 10 e mais 10 e pa­re­ce que es­tou ca­da vez mais can­sa­do e com mais so­no. Por­que é que is­to acon­te­ce? Por­que é que quan­do nos sen­ti­mos fres­cos às 7 da ma­nhã não nos le­van­ta­mos lo­go e ca­mos ali pa­ra de­pois acor­dar­mos mais tar­de a mor­rer? É is­to que vou ten­tar sa­ber. Eu de­pois di­go porquê. Ago­ra vou ali pas­sar pe­las bra­sas e já vol­to”, re­ve­lou o ci­en­tis­ta. JH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.