El­ma Avei­ro re­cua e diz que fra­se “mun­do que vi­ve da po­dri­dão, má a e lho da pu­ta do di­nhei­ro” era so­bre Or­ça­men­to do Es­ta­do e não Bo­la de Ou­ro

Publico - Inimigo - - LA FAMIGLIA -

Afi­nal não foi uma fal­ta mui­to feia de fair­play nem des­res­pei­to pe­lo gran­des­sís­si­mo fu­te­bo­lis­ta Lu­ka Mo­dric: a fra­se de El­ma Avei­ro “mun­do que vi­ve da po­dri­dão, má­fia e fi­lho da pu­ta do di­nhei­ro” não se re­fe­ria à atri­bui­ção da Bo­la de Ou­ro a uma pes­soa que não é seu ir­mão mas sim ao Or­ça­men­to do Es­ta­do de 2019, que é um do­cu­men­to que re­vi­ra as en­tra­nhas da ir­mã do cra­que, tal é o po­der dos lob­bi­es e dos in­te­res­ses ini­mi­gos dos con­tri­buin­tes e do in­te­res­se público. Ao IP, El­ma ex­pli­cou que o tal “mun­do que vi­ve da po­dri­dão, má­fia e fi­lho da pu­ta do di­nhei­ro”, mes­mo que fos­se o do fu­te­bol, só te­ria co­me­ça­do de­pois de o ir­mão ga­nhar cin­co bo­las de ou­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.