Mo­e­da boa

Publico - Inimigo - - O INIMIGO PÚBLICO -

Ano No­vo: gre­ve dos en­fer­mei­ros che­gou pri­mei­ro a Sid­ney do que a Por­tu­gal

Che­gou mais um ano e, co­mo sem­pre, os ne­o­ze­lan­de­ses e os aus­tra­li­a­nos fo­ram os pri­mei­ros a re­ce­ber o no­vo ano, ten­do vis­to a gre­ve dos en­fer­mei­ros 12 ho­ras an­tes do que os por­tu­gue­ses. Os ne­o­ze­lan­de­ses e os aus­tra­li­a­nos tam­bém fo­ram os pri­mei­ros a as­sis­tir ao dis­cur­so de An­tó­nio Cos­ta so­bre “o ano no­vo que, veio, de­pois do ano ve­lho que aca­bou de se pas­sar”, às pre­vi­sões de Mar­ques Men­des pa­ra o Dia dos Reis e às no­tí­ci­as da “CM TV” so­bre ti­ros, fa­ca­das, de­go­la­ções, am­pu­ta­ções, gan­gre­nas e des­mem­bra­men­tos em fes­tas de re­véil­lon na par­vó­nia. Rui Rio foi a úl­ti­ma pes­soa do mun­do a per­ce­ber que o ano ti­nha mu­da­do. VE

Trump fez es­co­la: Go­ver­no cria Agên­cia Es­pa­ci­al Por­tu­gue­sa e pri­mei­ro des­ta­ca­men­to da GNR Es­pa­ci­al

2019 mar­ca o ar­ran­que da Agên­cia Es­pa­ci­al Por­tu­gue­sa, com se­de nos Aço­res pa­ra ho­me­na­ge­ar a ter­ra na­tal da va­ca vo­a­do­ra de Cos­ta. A agên­cia Es­pa­ci­al co­me­ça­rá com um pro­jec­to

low cost, o nan­ci­a­men­to do pri­mei­ro por­no por­tu­guês fo­ra da at­mos­fe­ra ter­res­tre, e de­pois acom­pa­nha Do­nald Trump, na in­ten­ção de cri­ar um ra­mo mi­li­tar no Es­pa­ço, e cria o pri­mei­ro des­ta­ca­men­to da GNR es­pa­ci­al e o Cor­po Ex­pe­di­ci­o­ná­rio Jai­me Mar­ta So­a­res de Bom­bei­ros Es­pa­ci­ais. O Pre­si­den­te da Câ­ma­ra do Por­to, Rui Mo­rei­ra, es­tá fu­ri­o­so por­que “a Agên­cia Es­pa­ci­al Por­tu­gue­sa foi pro­me­ti­da pa­ra Ser­ral­ves mas a nal vai pa­ra Mar­te ou lá o que é. Não sei, con­ta­ram-me.”. MB

Tu­ris­tas com in­só­ni­as pe­dem des­con­to na ta­xa das dor­mi­das

A Ta­xa Mu­ni­ci­pal Tu­rís­ti­ca du­pli­cou em 2019. Quem dor­mir em ho­téis ou uni­da­des de alo­ja­men­to lo­cal da ci­da­de de Lis­boa pa­ga dois eu­ros por dor­mi­da. Mas os tu­ris­tas pe­dem ex­cep­ções pa­ra além das cri­an­ças até 13 anos e pa­ra quem per­noi­ta na ci­da­de pa­ra ob­ter tra­ta­men­to mé­di­co. “Eu so­fro de in­só­ni­as e mes­mo que te­nha pas­sa­do o dia in­tei­ro a pas­se­ar em Lis­boa che­go à ca­ma e só con­si­go ador­me­cer às 6 da ma­nhã e de­pois te­nho de acor­dar até às 9 pa­ra to­mar o pe­que­no-al­mo­ço. Pa­gar dois eu­ros pa­ra dor­mir três ho­ras é ex­tre­ma­men­te in­jus­to. Fa­çam-me um des­con­to e eu não me im­por­to de pa­gar 50 cên­ti­mos por dor­mi­da. Quem che­ga à ca­ma e dor­me co­mo um an­jo 8 ho­ras se­gui­das é que de­via pa­gar 3 eu­ros”, pe­diu um tu­ris­ta. Já os por­tu­gue­ses acham in­jus­to pa­gar 2 eu­ros por uma ta­xa quan­do só vão dar uma que­ca com a aman­te ao mo­tel du­ran­te 1 ho­ra de­pois de al­mo­ço. JH

96 mi­lhões de eu­ros que ain­da exis­tem em no­tas de es­cu­do fo­ram ofe­re­ci­dos a Jo­sé Só­cra­tes por ami­gos nos anos 80

O Ban­co de Por­tu­gal re­ve­lou que ain­da exis­te o equi­va­len­te a 96 mi­lhões de eu­ros em no­tas de es­cu­dos al­gu­res e o CM des­co­briu que to­das elas fo­ram ofe­re­ci­das a Jo­sé Só­cra­tes por Car­los San­tos Sil­va nos anos 80 e es­tão guar­da­das ho­je em dia por bai­xo do col­chão do ex-pri­mei­ro-mi­nis­tro na ca­sa da Eri­cei­ra, es­tan­do al­gu­mas cen­te­nas de no­tas de 5 con­tos por bai­xo do col­chão da Fer­nan­da Cân­cio on­de, se­gun­do Jo­sé An­tó­nio Sa­rai­va, a jor­na­lis­ta gos­ta de sal­tar nua pa­ra ser fo­to­gra­fa­da por ami­gos e por repórteres da “Ca­ras”. O Ban­co de Por­tu­gal re­ve­lou ain­da que exis­te ain­da em cir­cu­la­ção o equi­va­len­te a 9 mi­lhões de eu­ros em ri­fas do Con­gres­so de Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal de Vi­lar de Per­di­zes de 1998. VE

Lis­boa vai tor­nar-se um es­ta­lei­ro de obras em 2019 e Uber pas­sa a ter fro­ta de ca­miões e re­tro­es­ca­va­do­ras

Lis­boa vai tor­nar-se um es­ta­lei­ro de obras em 2019 e a Uber já re­ve­lou que pas­sa­rá a dis­po­ni­bi­li­zar uma fro­ta de ca­miões e re­tro­es­ca­va­do­ras, en­quan­to a Ca­bify pas­sa­rá a ter uma fro­ta de gru­as e guin­das­tes e os ta­xis­tas pro­me­tem es­ma­gar to­dos os mo­to­ris­tas da Uber e Ca­bify que apa­nha­rem na Por­te­la com um rolo com­pres­sor da obra mais pró­xi­ma. Fer­nan­do Me­di­na já ti­nha avi­sa­do Do­nald Trump que Lis­boa não gos­ta de cons­truir mu­ros, mas pon­tes, pe­lo que vai cons­truir vá­ri­as ré­pli­cas da Pon­te 25 de Abril que, la­do a la­do, che­ga­rão à Pon­te Vas­co da Ga­ma, li­gan­do di­rec­ta­men­te to­dos os ha­bi­tan­tes de Lis­boa a to­dos os ha­bi­tan­tes da Mar­gem Sul. Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa vai na­dar nos bu­ra­cos das obras ala­ga­dos no In­ver­no. VE

Rui Rio fre­quen­ta cur­so in­ten­si­vo de emo­jis com ado­les­cen­tes de 13 anos pa­ra apren­der a es­cre­ver nas re­des so­ci­ais

O lí­der do PSD odeia os jor­na­lis­tas e os jor­na­lis­tas tam­bém o odei­am. Pa­ra che­gar ao po­vo sem pre­ci­sar da in­ter­me­di­a­ção da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, Rui Rio abriu um per l no Twit­ter, mas ain­da não do­mi­na as fer­ra­men­tas bá­si­cas pa­ra co­mu­ni­car a sua men­sa­gem de for­ma e caz na re­de co­mo já faz As­sun­ção Cris­tas. Com uma equi­pa de con­se­lhei­ros com­pos­ta por au­tar­cas do Nor­te que ain­da fun­ci­o­nam com o fax, o can­di­da­to a pri­mei­ro- mi­nis­tro re­sol­veu con­tra­tar os ser­vi­ços de ado­les­cen­tes na­ti­vos di­gi­tais, os me­lho­res es­pe­ci­a­lis­tas do mer­ca­do. “Es­tou a tra­ba­lhar dia e noi­te pa­ra fa­zer do PSD o me­lhor par­ti­do di­gi­tal de Por­tu­gal. Já sei fa­zer o emo­ji do co­có pa­ra usar nas gre­ves, gos­to mui­to do

emo­ji a cho­rar in­ten­sa­men­te, o emo­ti­con com os den­tes cer­ra­dos pa­ra usar nas in­di­rec­tas pa­ra a opo­si­ção in­ter­na e o emo­ji que pis­ca o olho di­rei­to e me­te a lín­gua de fo­ra pa­ra os mo­men­tos de des­con­tra­ção. Ve­jam lá que eu até já sei fa­zer o emo­ji do Gri­to do Mun­ch! Te­mos de ele­var o ní­vel cul­tu­ral dos emo­jis. E con­to usar mui­tas ve­zes em 2019 o emo­ji do ga­ti­nho sur­pre­en­di­do sem­pre que acon­te­cer aque­las bar­ra­ca­das tí­pi­cas do go­ver­no nos ser­vi­ços pú­bli­cos”, re­ve­lou Rui Rio. JH

An­dré Ven­tu­ra quer co­lo­car pre­sos a es­ta­gi­ar com o Chef Avil­lez

A en­tre­vis­ta do chef Jo­sé Avil­lez ao Ob­ser­va­dor on­de cri­ti­ca as es­co­las de ho­te­la­ria que não per­mi­tem que os seus alu­nos pos­sam

tra­ba­lhar mais de 8 ho­ras por dia a es­ta­gi­ar em res­tau­ran­tes ins­pi­rou An­dré Ven­tu­ra a en­du­re­cer ain­da mais o dis­cur­so e a exi­gir pu­ni­ções ain­da mais se­ve­ras. Bol­so­na­ro cou im­pres­si­o­na­do e até já pe­diu a Avil­lez pa­ra abrir res­tau­ran­tes no Bra­sil. “Tra­ba­lhar na pri­são é pa­ra me­ni­nos mi­ma­dos. Co­me­tes­te um cri­me? Nem se­quer vais pa­ra a pri­são. Vais ser con­de­na­do a es­ta­gi­ar com o chef Avil­lez a tra­ba­lhar 18 ho­ras por dia sem fol­gas e sem sa­lá­rio na­que­les res­tau­ran­tes nos que ele tem. Não vais ter tem­po pa­ra res­pi­rar e vais ser su­ga­do pe­lo ego de um chef com es­tre­las Mi­che­lin. Um es­tá­gio de 5 anos, 10, 20, 40 anos ou o res­to da vi­da se fo­res pe­dó lo, ci­ga­no ou pre­to e vais apren­der a ser um ci­da­dão de bem”, ame­a­çou An­dré Ven­tu­ra. JH

Sis­mo de mag­ni­tu­de 6,9 atin­giu as Fi­li­pi­nas mas pre­si­den­te Du­ter­te re­ve­la que ca­sas só caí­ram em ci­ma de tra can­tes de dro­ga e ho­mos­se­xu­ais

O sis­mo de mag­ni­tu­de 6,9 que atin­giu as Fi­li­pi­nas de­vas­tou vá­ri­as po­pu­la­ções, mas o pre­si­den­te Du­ter­te re­ve­lou que as ca­sas só caí­ram em ci­ma de tra can­tes de dro­ga, ho­mos­se­xu­ais, pros­ti­tu­tas, pa­dres ca­tó­li­cos e os po­pu­la­res a ci­o­na­dos de ka­ro­a­o­ke do país que can­tam mú­si­cas de gan­za­dos co­mo o Jor­ge Pal­ma. Du­ter­te ma­ni­fes­tou pe­sar por não ter sur­gi­do um tsu­na­mi al­tís­si­mo que le­vas­se os tra can­tes até às nu­vens e os ati­ras­se lá pa­ra bai­xo co­mo ele gos­ta de fa­zer, mas pro­me­teu um no­vo ter­ra­mo­to de 9,9 com o epi­cen­tro na ca­sa do lí­der da opo­si­ção. Do­nald Trump acon­se­lhou o ami­go Du­ter­te a fa­zer um mu­ro pa­ra im­pe­dir tsu­na­mis ile­gais de in­va­di­rem as Fi­li­pi­nas. VE

Ale­mães já po­dem iden­ti car-se co­mo ‘in­ter­se­xu­ais’ pa­ra se­rem ma­chões com os fran­ce­ses e dó­ceis com os rus­sos

Os ale­mães já po­dem iden­ti car-se o ci­al­men­te co­mo per­ten­cen­do ao 3º gé­ne­ro e a de­ci­são his­tó­ri­ca foi apro­vei­ta­da por to­dos os po­lí­ti­cos e po­li­ti­cas ale­mães que são ho­mens ma­chões quan­do fa­lam com os fran­ce­ses e os gre­gos, mas dó­ceis don­ze­las quan­do fa­lam com Vla­di­mir Pu­tin e os res­pon­sá­veis da Gaz­prom. Bruno Ma­çães con­ti­nua a achar que é “mais ale­mão do que os ale­mães” e por­tan­to pas­sou a iden­ti car­se com Priscilla, a rai­nha do de­ser­to, ten­do en­vi­a­do fotos da sua no­va va­gi­na a vá­ri­as jor­na­lis­tas. Os mi­li­tan­tes da AfD já po­dem iden­ti car-se com Adolf Hi­tler e com Eva Braun ao mes­mo tem­po. VE

Hips­ters cri­ti­cam RTP Me­mó­ria por ter es­co­lhi­do co­mo gu­ra do ano de 1980 o as­sas­si­no de John Len­non

A re­vis­ta Ti­me es­co­lheu Khashog­gi, mas a RTP op­tou por ou­tros cri­té­ri­os. De­pois da es­co­lha do no­vo pre­si­den­te do Bra­sil Jair Bol­so­na­ro co­mo a per­so­na­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal do ano, mais uma po­lé­mi­ca a en­vol­ver pro ssi­o­nais do ca­nal de TV do Es­ta­do. A re­dac­ção da RTP Me­mó­ria es­tá a ser cri­ti­ca­da pe­los hips­ters por ter es­co­lhi­do Mark Da­vid Chap­man a per­so­na­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal do ano de 1980. “Co­mo é que uma pes­soa que ma­tou um dos ar­tis­tas mais im­por­tan­tes da his­tó­ria da mú­si­ca é elei­ta a per­so­na­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal mais im­por­tan­te do ano? Ain­da por ci­ma ele ma­tou o John Len­non na pri­mei­ra se­ma­na do úl­ti­mo mês de 1980! Não acon­te­ceu mais na­da de im­por­tan­te nes­se ano? Que­rem es­co­lher pes­so­as re­al­men­te im­por­tan­tes que ma­ta­ram ar­tis­tas em 1980? Es­co­lham o Ian Cur­tis dos Joy Di­vi­si­on que pe­lo me­nos ma­tou-se a ele pró­prio”, re­cla­mou um hips­ter. JH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.