“F

Publico - Ipsilon - - Sumário -

kj & Ma­se­go — Ta­dow”. Po­dia ser uma de­sig­na­ção co­mo qual­quer ou­tra, uma en­tre tan­tas pa­ra uma can­ção al­gu­res dis­po­ní­vel no YouTu­be. Mas não é — an­tes, o no­me de um fe­nó­me­no po­pu­lar na era da mú­si­ca em stre­a­ming, ca­so ra­ro de uma can­ção re­cen­te que, con­tan­do mi­lhões de vi­su­a­li­za­ções (qua­se 52, por es­ta al­tu­ra), faz cor­res­pon­der aos re­don­dís­si­mos nú­me­ros um ge­nuí­no e mag­ne­ti­zan­te vir­tu­o­sis­mo dos in­tér­pre­tes. Fe­nó­me­no que, ain­da o ou­vin­te não se aper­ce­beu, e já lhe es­tá a in­jec­tar subs­tân­ci­as adi­ti­vas na cor­ren­te san­guí­nea. Mas não só o som, tam­bém a ima­gem: o que se vê nes­se pla­no-sequên­cia de 8 mi­nu­tos de uma ses­são im­pro­vi­sa­da en­tre o fran­cês FKJ e o ame­ri­ca­no Ma­se­go, nas­ci­do há 25 anos em Kings­ton e cri­a­do na Vir­gí­nia por pai ja­mai­ca­no e mãe ame­ri­ca­na, é uma jam no sen­ti­do qua­se mí­ti­co do ter­mo, uma da­que­las em que ima­gi­na­mos um Hen­drix e um Mi­les Da­vis nu­ma noi­ta­da em ca­sei­ri­nho e ébrio es­tú­dio. Des­con­trac­ção, char­me, boa dis­po­si­ção — e, cla­ro, ta­len­to, car­ra­das de­le —, tu­do em bru­to. Dois ar­tis­tas em es­ta­do de gra­ça a “brin­ca­rem à mú­si­ca”, pu­xan­do des­te e da­que­le ins­tru­men­to, ex­pe­ri­men­tan­do es­ta no­ta e ou­tra mais ali, co­mo se, aca­so al­guém lhe en­tras­se pe­lo es­tú­dio aden­tro e lhes su­ge­ris­se a in­tro­du­ção de um cím­ba­lo hún­ga­ro, eles re­tor­quis­sem: “Por­que não? Dei­xa cá ver”. Sem pres­sas, co­mo se de ape­nas mais uma tar­de de re­cre­a­ção en­tre dois miú­dos aca­ba­dos de sair de um dia de au­las se tra­tas­se. FKJ ocu­pan­do-se das te­clas, bai­xo, gui­tar­ra, Ma­se­go, sem­pre de ócu­los es­cu­ros, co­me­çan­do a fa­zer per­cus­são com o de­di­lhar de na­da mais na­da me­nos do que o seu pas­sa­por­te, pas­san­do pa­ra uma drum ma­chi­ne e um sam­pler, de­pois a ba­te­ria e fi­nal­men­te o seu su­per-po­der: o sa­xo­fo­ne (a que jun­ta, ele que não sa­be ler mú­si­ca, o do­mí­nio de uma pa­nó­plia de ou­tros brin­que­dos, en­tre pi­a­no, vi­o­li­no, gui­tar­ra, to­dos apren­di­dos au­to-di­dac­ti­ca­men­te). Mas não um sa­xo­fo­ne qual­quer: um fa­bri­ca­do na Áfri­ca do Sul, on­de tem raí­zes fa­mi­li­a­res (“Ma­se­go” sig­ni­fi­ca “Aben­ço­a­do” em tswa­na, lín­gua fa­la­da no Botswa­na e no país de Man­de­la, no­me que o mú­si­co adop­tou pe­lo fac­to de, na igre­ja, o ape­li­da­rem de “Lit­tle Bles­sing” pe­la for­ma rá­pi­da e in­tui­ti­va co­mo apren­dia a to­car no­vos ins­tru­men­tos), a que deu o no­me (fe­mi­ni­no, cla­ro) de Sasha e do qual traz sem­pre uma mi­ni­a­tu­ra ao pes­co­ço, ten­do-lhe mes­mo cri­a­do uma con­ta Lady, Lady Ma­se­go

EQT Re­cor­dings. no Twit­ter, per­so­na­li­da­de “vir­tu­al” que tem cor­res­pon­dên­cia na per­so­na­li­da­de ou pre­pon­de­rân­cia cen­tral do sax no seu som. Na ver­da­de, ain­da Ma­se­go não ti­nha mú­si­ca edi­ta­da e já fa­zia fu­ror por es­sa In­ter­net fo­ra ( Wo­man Crush Wed­nes­day era o no­me da sua ru­bri­ca no SoundC­loud) so­lan­do com a sua fi­el com­pa­nhei­ra por ci­ma de ins­tru­men­tais po­pu­la­res de ter­cei­ros. E um sa­xo­fo­ne, ain­da, cu­ja mai­or par­ti­cu­la­ri­da­de es­tá no fac­to de a mo­ti­va­ção pa­ra o apren­der ter vin­do da mes­ma fon­te que ago­ra mo­ti­va Ma­se­go a fa­zer mú­si­ca: cai­di­nho por uma jo­vem pro­fes­so­ra que, no li­ceu, veio tem­po­ra­ri­a­men­te subs­ti­tuir a ti­tu­lar e tra­zia uma fo­to­gra­fia de Na­jee Da­vis na ca­pa do dos­si­er, o ain­da ado­les­cen­te de­ci­diu que não era tar­de nem ce­do, por ali ti­nha de tri­lhar a sua con­quis­ta (por ali e pe­las au­las de na­ta­ção em que se ins­cre­veu, pa­ra abrir os pul­mões que o ins­tru­men­to exi­ge).

“A mi­nha ins­pi­ra­ção são as mu­lhe­res”, não se can­sa de o afir­mar uma e ou­tra vez. Se, nes­sa jam com FKJ, as mãos vão per­cor­ren­do di­fe­ren­tes ins­tru­men­tos, à voz não é da­do mai­or des­can­so pe­lo meio de di­ver­sas har­mo­ni­as, in­fle­xões, rit­mos, ca­dên­ci­as: Ma­se­go can­ta tão ma­ra­vi­lho­sa­men­te qu­an­to rap­pa, em­bo­ra se­ja, aci­ma de tu­do, um can­tor (mas um que, em 2018, sol­ta um “Yo!” an­tes de ini­ci­ar um pro­di­gi­o­so fal­se­te, por exem­plo), com um as­pec­to cu­ri­o­so (ou es­tra­nho): em­bo­ra con­te 25 Ve­rões, pa­re­ce, por ve­zes, que a sua voz ain­da se es­tá a for­mar.

TrapHou­seJazz? Tu­do is­to e ain­da mais

Ain­da es­te ano, o rap­per nor­te-ame­ri­ca­no Fred­die Gibbs cau­sou sen- sa­ção com a ca­pa do seu dis­co ( Fred­die), re­cri­a­ção fi­el, mas com o seu ros­to, da co­ver do cé­le­bre Teddy, LP de 1979 do gran­dís­si­mo no­me da soul ame­ri­ca­na Teddy Pen­der­grass. Ti­ran­do a gra­ça do ges­to, ti­ro ao la­do: a mú­si­ca de Gibbs es­tá tão pró­xi­ma da de Pen­der­grass co­mo a Ter­ra de Plu­tão, não pe­lo fac­to de o pri­mei­ro fa­zer hip-hop, mas por­que o seu hip-hop em par­ti­cu­lar, in­te­res­sa­do nos con­tos vi­o­len­tos de dro­gas e ru­as, em na­da con­tac­ta com a sen­su­a­li­da­de e o char­me ca­nas­trão do som e das pa­la­vras do ho­mem de Clo­se The Do­or ou Turn Off The Lights. Is­to pa­ra di­zer que, se há ros­to que, num es­for­ço de re­ac­tu­a­li­za­ção, po­de­ría­mos subs­ti­tuir na artwork des­se ál­bum de Pen­der­grass (ou na de um de Bar­ry Whi­te ou Luther Van­dross), é, jus­ta­men­te, o de Ma­se­go, jo­vem ca­va­lei­ro an­dan­te sem­pre a apal­par, cheio de sou­ples­se, os ter­re­nos do amor, do se­xo, do en­ga­te cor­tês. Uma for­ma de es­tar tam­bém na vi­da re­al even­tu­al­men­te pro­ble­má­ti­ca nos in­fla­ma­dos (quan­do não neo-pu­ri­ta­nos) di­as que cor­rem? Em en­tre­vis­ta à Okay­player, Ma­se­go, que se en­con­tra em tour pe­la Eu­ro­pa, mos­tra co­mo é um ti­po com a ca­be­ça no sí­tio cer­to: “Vi­ve­mos num tem­po em que to­dos po­dem ser acu­sa­dos de as­sé­dio se­xu­al. Eu in­te­ra­jo com mu­lhe­res que se sen­tem atraí­das por mim, que en­tram na mi­nha es­fe­ra. Se uma mu­lher de­se­ja a mi­nha aten­ção e per­mi­te que eu re­a­ja de vol­ta, en­tão te­mos uma boa ce­na. É tu­do!”.

Eis o ul­tra-ro­mân­ti­co ima­gi­ná­rio ma­se­go­ni­a­no: tons (sons) lu­xu­ri­an­tes, faus­to­sos, en­fim, di­ría­mos, “ro­xos” (co­mo os das mag­ní­fi­cas fo­to­gra­fi­as que acom­pa­nham Lady, Lady). Com a di­fe­ren­ça de que, on­de Prin­ce via rain, o nos­so Ma­se­go, que tam­bém é um car­to­o­nes­co en­ter­tai­ner em pal­co (dis­se à Bill­bo­ard que ver os shows de Ja­mie Foxx, em que a stand-up co­medy con­vi­via com gran­des per­for­man­ces ao pi­a­no, foi mui­to ins­pi­ra­dor), vê sol lim­po: Pur­ple Sun, en­tão, se nos é per­mi­ti­do o ca­nhes­tro tro­ca­di­lho, pois que, aqui, a me­lan­co­lia fi­ca (qua­se) sem­pre à por­ta, a di­ver­são e o sor­ri­so de ore­lha a ore­lha são quem mais or­de­nam. Di­zen­do-se um ad­mi­ra­dor do tra­ba­lho punk de Vi­vi­en­ne Westwo­od (por tam­bém ele gos­tar de cru­zar a al­ta cos­tu­ra com as pe­ças mais ho­od pos­sí­veis), com­pre­en­de-se o in­te­res­se da Vo­gue na en­tre­vis­ta que lhe fez re­cen­te­men­te: a sua vis­to­sa apa­rên­cia tem cor­res­pon­dên­cia na ri­que­za e ex­cen­tri­ci­da­de do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.