Os atri­tos de Mar­cius Ga­lan nos pa­drões do nos­so dia-a-dia

Publico - Ipsilon - - Sumário - Luí­sa So­a­res de Oli­vei­ra

Quan­do en­tra­mos na ga­le­ria a pri­mei­ra im­pres­são que a ex­po­si­ção nos pro­vo­ca é a de uma ri­go­ro­sa si­me­tria. O es­pa­ço, uma gran­de na­ve en­ci­ma­da por um tra­ve­ja­men­to de du­as águas, ten­do ao fun­do uma sa­la mais pe­que­na on­de per­ce­be­mos que há pe­ças de for­ma­to me­nor, pa­re­ce ri­go­ro­sa­men­te di­vi­di­do por meio de um ei­xo per­pen­di­cu­lar à fa­cha­da prin­ci­pal. Dum la­do e dou­tro des­te ei­xo, ca­da pe­ça re­pe­te-se si­me­tri­ca­men­te, co­mo se exis­tis­se um es­pe­lho a di­vi­dir a sa­la.

Con­tu­do, is­to é uma ilu­são. Ou, me­lhor di­zen­do, a ilu­são de uma ilu­são ( já que a ima­gem do es­pe­lho é, por na­tu­re­za, vir­tu­al). Mar­cius Ga­lan, que tra­ba­lhou aqui com a cu­ra­do­ra Inês Gros­so, con­ta-nos que na re­a­li­da­de a si­me­tria é ape­nas uma fic­ção, uma abs­trac­ção que li­da com ob­jec­tos mui­to re­ais. Nes­te ca­so, as es­cul­tu­ras pos­su­em um ca­rác­ter eté­reo, qua­se ima­te­ri­al. Pa­re­cem ten­der pa­ra uma li­nha, co­mo na obra de Wal­ter­cio Cal­das, um ar­tis­ta que, com Ly­gia Pa­pe e Iran do Es­pí­ri­to San­to, es­te jo­vem bra­si­lei­ro nas­ci­do em 1972 ad­mi­ra. Con­tu­do, ao con­trá­rio do que acon­te­ce na obra de Cal­das, o gran­de te­ma sub­ja­cen­te à obra de Ga­lan não é o de­se­nho, mas sim a re­la­ção com a ar­qui­tec­tu­ra.

Na sa­la prin­ci­pal da ga­le­ria, on­de o ei­xo cen­tral de que fa­lá­va­mos há pou­co es­tá mar­ca­do no chão por uma li­nha qua­se im­per­cep­tí­vel, que di­vi­de cro­ma­ti­ca­men­te a área atra­vés da apli­ca­ção de uma ce­ra ma­te, o ar­tis­ta dispôs as pe­ças em lu­ga­res qua­se im­pro­vá­veis: há es­cul­tu­ras fi­nas co­mo ré­guas no chão, ou­tras que, ape­sar de se as­se­me­lha­rem a fi­tas se pen­du­ram dos tra­ve­ja­men­tos do tec­to, ou­tras ain­da que pa­re­cem sair da pa­re­de pa­ra o es­pa­ço cir­cun­dan­te atra­vés de um cor­te no re­ves­ti­men­to; há até pe­ças pin­ta­das no chão.

“Es­te é um lu­gar on­de o de­se­nho (a li­nha) tem uma im­por­tân­cia enor­me. Eu ti­nha von­ta­de de cri­ar um es­pa­ço não tan­to so­bre a ideia de ilu­são, mas so­bre o mo­do co­mo per­ce­be­mos a ar­qui­tec­tu­ra. E de fac­to a pre­sen­ça das di­a­go­nais”, diz, apon­tan­do pa­ra o tra­ve­ja­men­to apa­ren­te do tec­to, “pro­vo­ca uma mu­dan­ça de rit­mo den­tro do es­pa- ço, uma al­te­ra­ção do po­si­ci­o­na­men­to do cor­po den­tro do es­pa­ço”, afir­ma o ar­tis­ta, a pro­pó­si­to do que ve­mos aqui.

Per­gun­ta­mos-lhe se es­se po­si­ci­o­na­men­to vai pro­vo­car qua­se co­mo que uma dan­ça no es­pec­ta­dor. “Exac­ta­men­te. Aca­bo por cri­ar um cir­cui­to que o es­pec­ta­dor de­ve per­cor­rer, ima­gi­no o tem­po que ele vai de­mo­rar a per­cor­rer es­te es­pa­ço. ele não tem con­tro­lo so­bre is­so, mas es­sa re­la­ção in­te­res­sa-me mui­to.”

Obra, es­pa­ço e es­pec­ta­dor são as três va­riá­veis que es­tão sem­pre em jo­go na ins­ta­la­ção con­tem­po­râ­nea. E, con­tu­do, Ga­lan afas­ta-se das pre­mis­sas au­to­ri­tá­ri­as do mi­ni­ma­lis­mo das dé­ca­das de 50 e 60 pa­ra in­tro­du­zir um pau­zi­nho na en­gre­na­gem ir­re­pre­en­sí­vel dos pro­jec­tos ar­qui­tec­tó­ni­cos de au­tor. É que nun­ca es­ta re­la­ção de es­pe­lha­men­to é per­fei­ta: as sub­tis di­fe­ren­ças de cor no chão in­tro­du­zem o atri­to na pro­jec­to ar­qui­tec­tó­ni­co da ga­le­ria, e mes­mo no es­que­ma de mon­ta­gem das pró­pri­as pe­ças que, de tão exac­to, pa­re­ce ir­re­al.

A ideia da ex­po­si­ção, que nas pa­la­vras do ar­tis­ta com­bi­na pe­la pri­mei­ra vez “es­te ti­po de mon­ta­gem que im­pli­ca com a cor e com os ob­jec­tos jun­tos”, sur­giu na sequên­cia de uma re­la­ção de tra­ba­lho de dez anos com a cu­ra­do­ra Inês Gros­so. “Eu ti­nha fei­to um tra­ba­lho cha­ma­do Sec­ção Di­a­go­nal na Ga­le­ria Luí­sa Stri­na, de São Paulo, que de­pois foi com­pra­do pe­lo Inho­tim. Nes­sa al­tu­ra, co­nhe­ci a Inês, que era uma das cu­ra­do­ras do Inho­tim, e co­me­çá­mos a fa­zer ou­tros pro­jec­tos.” O Cen­tro Inho­tim, em Mi­nas Ge­rais, com­bi­na um jar­dim bo­tâ­ni­co com um cen­tro de ex­po­si­ções de ar­te con­tem­po­râ­nea sem pa­ra­le­lo no Brail. Inês Gros­so en­tra­ria mais tar­de na equi­pa de cu­ra­do­res do MAAT, da Fun­da­ção EDP, e é nes­te con­tex­to que re­ce­be o con­vi­te pa­ra co­mis­sa­ri­ar uma ex­po­si­ção na ga­le­ria Fran­cis­co Fi­no. “Tan­to ela co­mo o Fran­cis­co, ex­pli­ca Ga­lan, que­ri­am uma ex­po­si­ção

Es­pe­lhos, si­me­tri­as, di­a­gra­mas, en­gre­na­gens. E aqui­lo que os des­trói. Tu­do is­to es­tá na pri­mei­ra in­di­vi­du­al do bra­si­lei­ro Mar­cius Ga­lan em Lis­boa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.