A vi­da co­mo tex­to a cor­ri­gir

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

A lin­gua­gem co­mo gran­de meio de ace­der ao quo­ti­di­a­no mais ín­ti­mo é o fo­co de A Úl­ti­ma Por­ta An­tes da Noi­te. Se­gue cin­co homens uni­dos num pac­to cri­mi­no­so.

O tí­tu­lo do ro­man­ce é uma re­fe­rên­cia à ópe­ra O Cas­te­lo do Bar­ba Azul do hún­ga­ro Be­la Bar­tók. Ju­di­te, rap­ta­da pe­lo du­que de Bar­ba Azul, é le­va­da pa­ra o seu cas­te­lo e fei­ta sua quar­ta mu­lher. Fi­ca in­tri­ga­da com as se­te por­tas que en­con­tra fe­cha­das num sa­lão e qu­er sa­ber o que es­tá por trás e ca­da uma. Con­ven­ce-o a abrir ca­da uma de­las, ace­den­do aos mis­té­ri­os da vi­da do du­que. A sé­ti­ma e úl­ti­ma re­ve­lam-no. Ge­or­ge Stei­ner es­cre­veu um en­saio so­bre es­sa obra. Lo­bo Antunes evo­ca-o na fra­se que es­co­lheu pa­ra no­me­ar o 29º ro­man­ce.

A Úl­ti­ma Por­ta An­tes da Noi­te tem co­mo cen­tro um cri­me, re­al, ain­da em in­ves­ti­ga­ção. Um em­pre­sá­rio é as­sas­si­na­do e o seu cor­po dis­sol­vi­do em áci­do sul­fú­ri­co pa­ra eli­mi­nar qual­quer pro­va. Vá­ri­os homens es­tão en­vol­vi­dos, en­tre eles dois ir­mãos, ad­vo­ga­dos. Es­ta é a ver­da­de, o res­to é o mer­gu­lho no in­ti­mo e no quo­ti­di­a­no de cin­co per­so­na­gens: o “co­bra­dor do bi­lhar”, o “se­gun­do co­bra­dor”, o “er­va­ná­rio”, o “ir­mão do dou­tor” e o “dou­tor”, o man­dan­te da ope­ra­ção que to­dos acre­di­tam es­tar bem mon­ta­da por­que as­sen­te num pres­su­pos­to: “Sem ca­dá­ver não há cri­me”.

A fra­se ecoa ao lon­go das 456 pá­gi­nas. Uma fra­se mur­mu­ra­da, pen­sa­da, gri­ta­da, lem­bra­da por ca­da um dos homens no sin­gu­lar flu­xo de cons­ci­ên­cia em que o ro­man­ce é nar­ra­do, téc­ni­ca re­cor­ren­te em Lo­bo Antunes, des­ta vez a pro­cu­rar uma de­pu­ra­ção ain­da mai­or de lin­gua­gem que dei­xa o lei­tor mais sozinho — tra­gi­ca­men­te cúm­pli­ce — com a in­ti­mi­da­de de ca­da uma das per­so­na­gens. Elas, por sua vez, mer­gu­lha­das na so­li­dão da sua exis­tên­cia mais pri­va­da. To­dos con­tan­do a si mes­mos a ver­são de uma his­tó­ria que se rein­ven­ta, trans­for­ma e con­tex­tu­a­li­za de acor­do com os fan­tas­mas, am­bi­ções, sub­ti­le­zas da ca­da exis­tên­cia, ain­da que com fi­xa­ções co­muns: o me­do do es­cu­ro, a pai­xão si­len­ci­o­sa pe­la ir­mã do “dou­tor”, o mo­do co­mo olham o voo das “to­da­vi­as”, o pás­sa­ro re­cu­pe­ra­do de um po­e­ma de David Mou­rão-Fer­rei­ra. E to­das as ver­sões sur­gem co­mo ve­ro­sí­meis, as­su­min­do uma ver­da­de que tan­to ganha con­sis­tên­cia — por­que en­cai­xa na re­a­li­da­de e sub­jec­ti­vi­da­de de ca­da um dos homens — co­mo se di­lui num de­lí­rio ou ab­sur­do, uma co­mé­dia hu­ma­na re­ve­la­do­ra do que há de mais gro­tes­co e sen­sí­vel. Com a lin­gua­gem es­ta­mos no quo­ti­di­a­no in­te­ri­or das per­so­na­gens. Na­da de novo, mais uma vez, mas aqui re­for­ça­do.

Di­vi­di­do em 25 ca­pí­tu­los, os 25 anos da pe­na a que aque­les homens ar­ris­cam, o ro­man­ce é nar­ra­do a cin­co vo­zes, al­ter­na­das nos pri­mei­ros 15, pa­ra de­pois se­guir uma or­dem mais li­vre, a or­dem de uma per­di­ção à me­di­da que a in­ves­ti­ga­ção avan­ça e a fra­se “sem ca­dá­ver não há cor­po” ga­nhe con­tor­nos de­men­ci­ais. E sem­pre que a voz mu­da, ou se­ja, sem­pre que a per­so­na­gem que acom­pa­nha­mos fala, a lin­gua­gem adap­ta-se a ela e ao am­bi­en­te, re­ve­lan­do Lo­bo Antunes, mais uma vez, o pro­fun­do co­nhe­ci­men­to dos cam­bi­an­tes do por­tu­guês. O re­cur­so a di­mi­nu­ti­vos, fra­ses da cul­tu­ra po­pu­lar, ao ma­tiz que for­ma a lín­gua e a faz o gran­de ins­tru­men­to des­te es­cri­tor nu­ma al­tu­ra em que pa­re­ce pro­cu­rar a gran­de sim­pli­ci­da­de e pe­ne­trar nu­ma re­a­li­da­de que se co­la co­mo se­gun­da pe­le por­que en­tra­mos na ca­sa, na in­fân­cia, nos cor­pos, na ro­ti­na de ou­tra gen­te. Gen­te que, co­mo to­da a gen­te, já te­ve “von­ta­de de cor­ri­gir o tex­to in­tei­ro” que é a sua pró­pria vi­da. I.L. A Úl­ti­ma Por­ta An­tes da Noi­te An­tó­nio Lo­bo Antunes

Dom Qui­xo­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.