Qu­em vem e atra­ves­sa o rio

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

ODo­clis­boa pro­põe, num dos seus pro­gra­mas pa­ra­le­los de 2018, acom­pa­nhar ci­ne­ma­to­gra­fi­ca­men­te o per­cur­so do Eu­fra­tes, um dos gran­des ri­os da Me­so­po­tâ­mia, atra­ves­san­do e mis­ci­ge­nan­do ci­vi­li­za­ções e cul­tu­ras. É a ma­ni­fes­ta­ção fí­si­ca da apos­ta de sem­pre do cer­ta­me nos “va­sos co­mu­ni­can­tes”: se­guir um rio on­de tu­do pas­sa, tu­do se mis­tu­ra, on­de tu­do ecoa e res­soa e faz li­ga­ção com tu­do o res­to. Tu­do, is­to é, não ape­nas nes­sa sec­ção nem na ge­o­gra­fia do rio asiá­ti­co; an­tes em to­do um pro­gra­ma on­de te­mas e fil­mes trans­por­tam ecos de hoje e de on­tem, do pro­gra­ma 2018 e das pre­sen­ças de anos an­te­ri­o­res, par­tin­do sem­pre do lo­cal pa­ra o uni­ver­sal.

O pon­to ze­ro, a Ari­ad­ne que co­me­ça a des­fi­ar o no­ve­lo, foi o fil­me de aber­tu­ra, The Waldheim Waltz. O olhar da aus­tría­ca Ruth Bec­ker­mann so­bre a “préhis­tó­ria” da as­cen­são ao po­der da di­rei­ta con­ser­va­do­ra não é ape­nas re­le­van­te pa­ra os nos­sos di­as de fake news; é tam­bém uma li­ção de his­tó­ria. Em 1986, quan­do a can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al de Kurt Waldheim acor­dou a Áus­tria pa­ra o seu passado es­con­di­do, Hu­go Por­tis­ch, de­ca­no do jor­na­lis­mo aus­tría­co, dis­se, na te­le­vi­são, pa­ra que to­dos o ou­vis­sem, que a Áus­tria não ti­nha fei­to o seu ac­to de con­tri­ção do pe­río­do na­zi; as con­sequên­ci­as des­se “es­que­ci­men­to” co­me­ça­ram a vir ao de ci­ma em 1986 e me­xem hoje com os ali­cer­ces das de­mo­cra­ci­as oci­den­tais. A pre­sen­ça do fil­me de Bec­ker­mann si­na­li­za o mo­do co­mo o Do­clis­boa su­bli­nha, hoje, uma for­ma de ver o mun­do e de o tra­du­zir ci­ne­ma­to­gra­fi­ca­men­te que não exis­te em iso­la­men­to nem em re­clu­são; que se ins­cre­ve co­mo par­te de tu­do o que o ro­deia co­mo um block­chain em cons­tan­te ac­tu­a­li­za­ção.

O olhar de The Waldheim Waltz so­bre a vi­ra­gem à di­rei­ta ecoa no úl­ti­mo pan­fle­to de Mi­cha­el Mo­o­re so­bre a elei­ção de Do­nald Trump, Fah­re­nheit 11/9 (an­te-es­treia, fo­ra de con­cur­so), e em in­ves­ti­ga­ções gé­me­as so­bre as se­que­las da Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al exi­bi­das na com­pe­ti­ção. Gre­e­tings from Free Fo­rests, do ame­ri­ca­no Ian So­ro­ka, é um mer­gu­lho na his­tó­ria es­que­ci­da dos Bal­cãs, vi­si­tan­do os bos­ques da Es­lo­vé­nia on­de a re­sis­tên­cia ju­gos­la­va, os par­ti­sans, com­ba­teu du­ran­te a gu­er­ra a ocu­pa­ção na­zi. Hoje palco de mo­nu­men­tos e me­mo­ri­ais pou­co vi­si­ta­dos, de gru­tas e pe­drei­ras, dos ar­qui­vos da Ci­ne­ma­te­ca da Es­lo­vé­nia, de ca­ça­do­res e ma­dei­rei­ros, es­tes bos­ques são o cen­tro de uma ab­sor­ven­te vi­a­gem ao co­ra­ção da me­mó­ria e do es­que­ci­men­to, e de uma re­fle­xão so­bre o pe­so da his­tó­ria na cons­tru­ção de uma iden­ti­da­de. (O mon­te­ne­gri­no Ivan Sa­la­tic ex­plo­ra, de ma­nei­ra mais opa­ca e menos con­se­gui­da, es­sa li­ga­ção à pai­sa­gem na mé­dia We Are the

Sons of Your Rocks, ins­pi­ra­da num ou­tro ca­so da Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al.)

Em pa­ra­le­lo, Ex­tin­ção, da por­tu­gue­sa Sa­lo­mé La­mas, vai a uma das ex-re­pú­bli­cas so­ci­a­lis­tas so­vié­ti­cas re­flec­tir so­bre um dos 37 con­fli­tos fron­tei­ri­ços nas pe­ri­fe­ri­as da Rús­sia de Pu­tin. Re­co­nhe­ce­mos a atrac­ção da re­a­li­za­do­ra pe­lo abis­mo dos lim­bos, tan­to fi­lo­só­fi­cos co­mo fí­si­cos, já ex­plo­ra­dos em Ter­ra de Nin­guém ou El­do­ra­do XXI — “ter­ras de nin­guém” que per­mi­tem ques­ti­o­nar o que sig­ni­fi­ca a iden­ti­da­de e a ver­da­de hoje. Aqui, per­cor­re­mos as fron­tei­ras de um ter­ri­tó­rio di­vi­di­do, en­tre uma gran­de Mol­dá­via pró-eu­ro­peia e uma pe­que­na Trans­nís­tria pró­rus­sa que o mun­do não re­co­nhe­ce, apa­nha­do na de­sin­te­gra­ção e no fe­cha­men­to so­bre si mes­mo de um ur­so rus­so que (ao con­trá­rio do que Solzhe­nitsyn pres­cre­via) não

Um per­cur­so, en­tre mui­tos, por um pro­gra­ma com­pe­ti­ti­vo aten­to ao passado e ao pre­sen­te, à his­tó­ria e ao con­fli­to, à ci­da­de e às ter­ras; uma vi­a­gem por olha­res clás­si­cos e mo­der­nos que co­a­bi­tam num mes­mo cer­ta­me. É (tam­bém) is­to a com­pe­ti­ção do Do­clis­boa 2018. É a apos­ta de sem­pre nos “va­sos co­mu­ni­can­tes”: se­guir um rio on­de tu­do pas­sa, tu­do se mis­tu­ra, on­de tu­do ecoa e res­soa e faz li­ga­ção com tu­do o res­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.