La La Mo­on

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Uma Amé­ri­ca a olhar pa­ra uma das gló­ri­as da sua his­tó­ria re­cen­te, e tu­do pa­re­ce uma lon­ga la­men­ta­ção. Luís Mi­guel Oli­vei­ra

O Pri­mei­ro Ho­mem na Lua

First Man

De Damien Chazelle

Com Ryan Gosling, Claire Foy, Ja­son Clar­ke Há 35 anos (uma eter­ni­da­de em anos-ci­ne­ma), Os Elei­tos, de Phi­lip Kauf­man, po­dia nar­rar a con­quis­ta do es­pa­ço em tons épi­cos, can­tan­do, com ver­ve e al­gu­ma in­so­lên­cia, o es­pí­ri­to pi­o­nei­ro e o en­ge­nho ame­ri­ca­no. Olhan­do pa­ra uma his­tó­ria mui­to si­mi­lar (o ca­mi­nho até à che­ga­da à Lua, com fo­co em Neil Arms­trong, o “pri­mei­ro ho­mem”), Damien Chazelle, ques­tão do tem­po ou ques­tão do seu tem­pe­ra­men­to, de­no­ta menos exal­ta­ção do que me­lan­co­lia, ou até nos­tal­gia. É a gran­de sin­gu­la­ri­da­de des­te fil­me, on­de ele pas­sa da La La Land pa­ra a“la la mo­on” man­ten­do uma es­pé­cie de la­men­to di­fu­so por um tem­po passado e ir­re­cu­pe­rá­vel (e nem se di­ga que aban­do­nou o “mu­si­cal”: a ma­nei­ra co­mo usa a música é cen­tral na cri­a­ção do clima do fil­me, e nal­gu­mas ce­nas, por exem­plo as que mos­tram na­ves a mo­vi­men­ta­rem-se no es­pa­ço ao som de uns com­pas­sos de val­sa, a ri­ma “ci­né­fi­la” é ób­via – até de­ma­si­a­do, e nem va­le a pe­na men­ci­o­nar o tí­tu­lo do fil­me que Chazelle ci­ta).

Mas nos­tal­gia de quê? Por exem­plo, de um mun­do ain­da es­sen­ci­al­men­te me­câ­ni­co, fei­to de re­bi­tes e ca­bos eléc­tri­cos. Uma das me­lho­res sequên­ci­as do fil­me é a que mos­tra um dos pri­mei­ros lan­ça­men­tos de um fo­gue­tão tri­pu­la­do por Arms­trong, com a câ­ma­ra sem­pre no in­te­ri­or do ha­bi­tá­cu­lo on­de se­guem os as­tro­nau­tas – sen­te-se to­da a fra­gi­li­da­de do ma­te­ri­al, tu­do tre­me, tu­do ran­ge, pa­re­ce que se es­tá sem­pre à bei­ra da de­sin­te­gra­ção (e de fac­to, es­ta­va­se, co­mo ou­tra ce­na mais à fren­te mos­tra­rá). É uma boa ex­pres­são de co­mo o tem­po faz mu­dar o (nos­so) olhar so­bre a tec­no­lo­gia, tor­nan­do o que nos anos 1960 cor­res­pon­dia a um pín­ca­ro de so­fis­ti­ca­ção no que ago­ra pa­re­ce uma ve­tus­ta cas­qui­nha de noz. Mas, tam­bém, in­dí­cio do tom aca­bru­nha­do do fil­me, co­mo se o “êxi­to” fos­se me­ra­men­te a “au­sên­cia de fra­cas­so”, al­go que tam­bém é bem ex­pres­so (ago­ra em tons de “sus­pen­se”, apli­ca­do com in­te­li­gên­cia) na ce­na-cli­max da alu­na­gem do mó­du­lo que trans­por­ta Arms­trong e Al­drin, on­de a mon­ta­gem es­tá sem­pre a cha­mar a aten­ção pa­ra a quan­ti­da­de de com­bus­tí­vel, dra­ma­ti­ca­men­te re­du­zi­da, a bor­do do veí­cu­lo (e por­tan­to, tam­bém aí, no epi­só­dio der­ra­dei­ro e triun­fal des­ta sa­ga, o fra­cas­so es­tá por uma unha ne­gra).

Nos­tal­gia, ain­da, de uma clas­se mé­dia “nor­mal” que era, no en­tan­to, ca­paz de fa­zer coi­sas “es­pe­ci­ais”? É as­sim que Chazelle re­tra­ta os am­bi­en­tes fa­mi­li­a­res de Arms­trong e dos ou­tros as­tro­nau­tas – su­búr­bi­os pa­ca­tos, ba­lou­ços no quintal, pis­ci­nas nas tra­sei­ras, as mulheres es­tão com os fi­lhos, os homens tra­ba­lham e be­bem cer­ve­ja no al­pen­dre. É tu­do “nor­mal”, mas re­dun­da nas coi­sas mais “es­pe­ci­ais” que se fa­zi­am na épo­ca. Po­de-se no­tar que o re­du­to fa­mi­li­ar – a ca­sa de Arms­trong – es­tá tão her­me­ti­ca­men­te ve­da­do e iso­la­do do ex­te­ri­or co­mo as cáp­su­las em que os as­tro­nau­tas par­tem pa­ra o es­pa­ço (e são, a “ca­sa” e a “cáp­su­la”, os dois dé­cors do­mi­nan­tes no fil­me, co­mo se a re­la­ção fos­se de­li­be­ra­da). Tão ve­da­do e iso­la­do que as gran­des per­tur­ba­ções da épo­ca (o Vi­et­na­me, a con­tes­ta­ção so­ci­al) não dei­xam mar­ca, “pas­sam” na te­le­vi­são co­mo imagem de fun­do ou música de fun­do.

Es­te tom aba­ti­do, ri­ma­do pe­la de­pri­mi­da per­so­na­gem de Arms­trong (em­bo­ra Chazelle use e abu­se de al­go que se tor­nou um “efei­to”: pla­nos do fá­ci­es fe­cha­do de Ryan Gosling com música por ci­ma, co­mo se ime­di­a­ta­men­te is­so cri­as­se uma im­pres­são de pro­fun­di­da­de, e no­te-se que is­to não é uma crí­ti­ca a Gosling, an­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.