Mão: vo­cê tem dois di­as

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

se­quer hy­per­links a de­mons­trar a pro­ve­ni­ên­cia da­que­les três pa­rá­gra­fos, com 176 pa­la­vras re­fu­tá­veis. Ti­nha to­dos os in­dí­ci­os de no­tí­cia fal­sa. A pri­mei­ra re­ac­ção foi de uma jor­na­lis­ta in­dig­na­da. Res­pon­di com uma pa­la­vra: “Fon­te?”. Em Por­tu­gal, a luz so­lar ti­nha aca­ba­do de apa­re­cer. O Brasil man­ti­nha-se na es­cu­ri­dão da noi­te. Meu ir­mão es­ta­va pro­va­vel­men­te a dor­mir. Sem ob­ter res­pos­tas, con­ti­nu­ei a en­vi­ar vá­ri­as per­gun­tas de­ses­pe­ra­das: “De on­de vc ti­rou is­to?” “Es­tá lou­co?” e a dar ori­en­ta­ções de li­te­ra­cia dos media: “Não par­ti­lhe tex­to sem in­di­car fon­tes.”

Dou­to­rei-me, com mé­ri­to, pas­san­do por uni­ver­si­da­des em Por­tu­gal e nos EUA, paí­ses di­fe­ren­tes do meu país de ori­gem. Fui uma das pri­mei­ras na família a ter­mi­nar uma li­cen­ci­a­tu­ra, há 13 anos, e sou a pri­mei­ra dou­to­ra­da na família in­tei­ra, in­cluin­do ti­os e pri­mos. As mi­nhas me­mó­ri­as de su­ces­so aca­dé­mi­co são tão fres­cas co­mo as de dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al. Am­bas fa­zem de mim quem eu sou ago­ra e aban­do­ná-las se­ria um ex­ter­mí­nio da mi­nha iden­ti­da­de. No Brasil, na in­fân­cia, cri­an­ças re­cu­sa­ram-me a dar as mãos nas brin­ca­dei­ras de ro­da na es­co­la pri­má­ria por ser ne­gra. Di­zi­am-me na mi­nha ca­ra. Eu cho­ra­va ba­ba e ra­nho. Em Por­tu­gal, o pai de um ex­na­mo­ra­do por­tu­guês loi­ro não fa­la­va co­mi­go de­cla­ra­da­men­te por ser pre­ta. Tam­bém o di­zia des­ca­ra­da­men­te. Eu cho­ra­va ba­ba e ra­nho. Nos EUA, no Te­xas, on­de vi­vi qua­se cin­co anos, ti­nha re­ceio de cor­rer no meu bair­ro de clas­se mé­dia al­ta, à noi­te, co­mo os ame­ri­ca­nos bran­cos fa­zi­am-no. Não que­ria cor­rer o ris­co de ser ati­ra­da por uma ar­ma de fo­go, co­mo é uma cons­tan­te no Te­xas. Eu acei­ta­va, mas já não cho­ra­va. Ago­ra es­cre­vo con­tra aqui­lo que po­de­rá acon­te­cer no país, on­de nas­ci, com um pos­sí­vel pre­si­den­te, dis­pa­ra­dor de de­cla­ra­ções ra­cis­tas, mi­só­gi­nas, ho­mo­fó­fi­cas e apo­lo­gis­ta do por­te de ar­mas.

Is­to é pa­ra di­zer que já vi e vi­vi o ra­cis­mo ao lon­go da mi­nha vi­da nas su­as di­fe­ren­tes ma­ti­zes e ge­o­gra­fi­as, mes­mo ele não sen­do mo­ral­men­te acei­te. O que po­de­rá acon­te­cer, a par­tir de ago­ra, sen­do o ra­cis­mo e ou­tras bi­zar­ri­ces ins­ti­ga­das pe­lo pró­prio pre­si­den­te do Brasil? Es­ti­ve fe­liz por al­gum tem­po pe­lo des­pon­tar de mo­vi­men­tos de afir­ma­ção cul­tu­ral e ra­ci­al pe­las Amé­ri­cas, e pe­las po­lí­ti­cas afir­ma­ti­vas que se alas­tra­vam pe­lo Brasil. Ver o re­tro­ces­so dis­to cau­sa-me dor fí­si­ca e emo­ci­o­nal­men­te. Dói-me ain­da mais des­co­brir que o meu ir­mão, que saiu do mes­mo ven­tre que eu, é a fa­vor des­te re­tro­ces­so, é a fa­vor de um su­jei­to que ins­ti­ga pen­sa­men­tos ra­cis­tas ao ofen­der qui­lom­bo­las (des­cen­den­tes de afri­ca­nos es­cra­vi­za­dos) e in­dí­ge­nas, ao con­fun­dir re­la­ções in­ter-ra­ci­ais com pro­mis­cui­da­de, e ter co­mo ob­jec­ti­vo re­du­zir as po­lí­ti­cas afir­ma­ti­vas .

O meu ir­mão acor­dou do seu so­no. Não sou­be es­pe­ci­fi­car fon­te ne­nhu­ma. Ex­pli­cou-me que após a fa­ca­da mal­di­ta ti­nha de­ci­di­do o seu vo­to di­zen­do: “De­pois des­sa lou­cu­ra eu me de­ci­di, não es­tão ten­tan­do ma­tar ele à toa não, tá in­co­mo­dan­do mui­tos ban­di­dos da po­lí­ti­ca po­de ter cer­te­za.” Des­de 8 de Se­tem­bro, te­nho ten­ta­do di­a­lo­gar com o meu ir­mão. No en­tan­to, ele ig­no­ra que uma boa par­te da mas­sa in­te­lec­tu­al e cul­tu­ral no mun­do, co­mo o so­ció­lo­go Ma­nu­el Cas­tells e a can­to­ra Madonna, es­tá ex­tre­ma­men­te in­co­mo­da­da com o seu can­di­da­to pre­di­lec­to. E não por es­te ser um he­rói sal­va­dor ou um exor­cis­ta do PT, mas por ser um “ca­na­lha à por­ta do pla­nal­to”.

Per­mi­tam-me ago­ra di­ri­gir-me di­rec­ta­men­te ao meu ir­mão. Eu pos­so ter lhe agre­di­do, ir­mão, com as mi­nhas pa­la­vras de­ses­pe­ra­das nos nos­sos de­ba­tes no WhatsApp. Não foi in­ten­ci­o­nal­men­te e não foi cer­ta­men­te pe­la dor que que­ria que vo­cê sen­tis­se. Foi pe­la dor que te­nho sen­ti­do. Pe­la dor que sin­to tam­bém ago­ra por ter de par­ti­lhar is­to tu­do num jor­nal in­ter­na­ci­o­nal, do país on­de ago­ra g vi­vo. Mas ser mu­lher, , ne­gra, jor­na­lis­ta, e pes­qui­sa­do­ra, no sé­cu­lo XXI é is­to. É ser li­vre. É es­tar no es­pa­ço pú­bli­co. É ques­ti­o­nar o sta­tus quo. É lu­tar pe­la de­mo­cra­cia, pe­la igual­da­de e pe­la li­ber­da­de no mun­do, mes­mo que is­to doa às ve­zes. Eu só es­pe­ro que vo­cê re­flic­ta.

Vo­cê tem dois di­as.

Tes­sa Thomp­so Thomp­son

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.