Dan­ças Ocul­tas pe­lo mar que le­va ao Brasil

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Nuno Pa­che­co

Há um mo­men­to, na vi­da de um mú­si­co ou de um gru­po, que se pen­sa já ter atin­gi­do o pon­to mais al­to ou a per­fei­ção pos­sí­vel. Foi is­so que acon­te­ceu ao gru­po de con­cer­ti­nas Dan­ças Ocul­tas, de Águe­da, de­pois de lan­ça­rem em 2016 um so­ber­bo dis­co ao vi­vo a que cha­ma­ram Am­pli­tu­de, gra­va­do na Ca­sa da Música (Por­to) e no CCB (Lis­boa) com vá­ri­os con­vi­da­dos: Fi­lar­mo­nia das Bei­ras, Car­mi­nho, De­ad Com­bo e Ro­dri­go Leão. Pa­ra trás fi­ca­ra um lo­te já in­ve­já­vel de dis­cos, nu­ma pro­gres­são qua­li­ta­ti­va: Dan­ças Ocul­tas (1996), Ar (1998), Tra­ves­sa da Es­pe­ra (2002), Pul­sar (2004) e Ta­rab (2009), além de uma co­lec­tâ­nea cha­ma­da Alen­to (2011) e da par­ti­ci­pa­ção do gru­po num dis­co da jo­vem can­to­ra e vi­o­lon­ce­lis­ta bra­si­lei­ra Dom La Ne­na (o EP Ar­co, de 2014).

A par des­tas gra­va­ções, o gru­po foi re­fi­nan­do a sua abor­da­gem ao ins­tru­men­to, dis­tri­buin­do as vá­ri­as “vo­zes” mu­si­cais pe­los qua­tro, à se­me­lhan­ça de um quar­te­to de cor­das clás­si­co: Fi­li­pe Cal fi­cou com as har­mo­ni­as, Ar­tur Fer­nan­des e Francisco Mi­guel fi­ca­ram com as me­lo­di­as e Fi­li­pe Ri­car­do to­ca con­cer­ti­na bai­xo, que de pro­tó­ti­po pas­sou a ins­tru­men­to fa­bri­ca­do por en­co­men­da, com um fo­le que se abre ao ta­ma­nho de dois bra­ços aber­tos.

De­pois da feé­ri­ca ex­pe­ri­ên­cia do dis­co ao vi­vo de 2016, o quar­te­to de con­cer­ti­nas de Águe­da quis ex­pe­ri­men­tar ou­tras on­das e aca­bou por apor­tar ao Brasil. Com Ja­ques Mo­re­len­baum na pro­du­ção e Car­mi­nho, Zé­lia Dun­can e Do­ra Mo­re­len­baum por con­vi­da­dos.

Gra­var no Rio de Ja­nei­ro

Com Am­pli­tu­de, che­ga­dos ao seu au­ge, con­ti­nu­a­ram a com­por mas sem vis­lum­bra­rem no­vo ru­mo. “Há cer­ca de dois anos es­te ma­te­ri­al ain­da es­ta­va de­ma­si­a­do em bru­to. Com uma an­gús­tia mui­to gran­de da nos­sa par­te, por­que es­tá­va­mos com al­gu­ma di­fi­cul­da­de, a ní­vel dos ar­ran­jos, de che­gar a so­lu­ções di­fe­ren­tes da­que­las a que já tí­nha­mos che­ga­do com o re­per­tó­rio an­te­ri­or.” Per­ce­be­ram, en­tão, que pre­ci­sa­vam de uma “in­ter­ven­ção ar­tís­ti­ca ex­ter­na.” Com uma par­ti­cu­la­ri­da­de, diz Ar­tur Fer­nan­des: “Te­ria de ser al­guém que pre­fe­ren­ci­al­men­te não nos co­nhe­ces­se, a nós e aos ins­tru­men­tos.” Ha­via uma ra­zão for­te pa­ra is­so, co­mo su­bli­nha Fi­li­pe Cal: “No dis­co ao vi­vo, a orquestra am­pli­fi­ca­va os nos­sos ins­tru­men­tos, des­de lo­go pe­los ar­ran­jos. E de­sen­vol­ve­mos ali um de­ter­mi­na­do con­cei­to so­no­ro que, sem pre­ten­si­o­sis­mos, é mui­to di­fí­cil fa­zer me­lhor do que aqui­lo. Com aque­la fór­mu­la, es­ta­va fei­to. Me­lhor não con­se­gui­mos. E ago­ra?”

Fo­ram, por is­so, pen­san­do em no­mes, em pos­si­bi­li­da­des. “Quan­do se fa­lou do Ja­ques Mo­re­len­baum, por ter a ver com o ti­po de música que ou­vi­mos, lan­çá­mos o con­vi­te e ele acei­tou.” Co­mo se ti­nham can­di­da­ta­do a um apoio da GDA, e ele foi con­ce­di­do, is­so per­mi­tiu-lhes vi­a­ja­rem até ao Rio de Ja­nei­ro. “O que nos abriu lo­go uma pos­si­bi­li­da­de ma­ra­vi­lho­sa, que foi tra­ba­lhar­mos com mú­si­cos lo­cais.” A su­ge­rir no­vos ho­ri­zon­tes.

Ja­ques Mo­re­len­baum ti­nha ou­vi­do no Youtu­be “uma coi­sa ou ou­tra” dos Dan­ças Ocul­tas. Por is­so, quan­do re­ce­beu o con­vi­te “já sa­bia a que ti­po de coi­sa vi­nha”, diz Ar­tur. Fi­li­pe re­cor­da que Ja­ques tra­ba­lha­ra com Car­mi­nho e es­ta par­ti­ci­pa­ra no dis­co ao vi­vo dos Dan­ças Ocul­tas, ha­via aí uma li­ga­ção: “Ela já lhe ti­nha fa­la­do de nós.” E a par­ti­ci­pa­ção de Car­mi­nho no es­pec­tá­cu­lo que deu ori­gem ao dis­co ao vi­vo agra­dou-lhes tan­to que os le­vou “ao im­pul­so de es­cre­ver uma música es­pe­ci­al­men­te pa­ra a voz de­la.” Foi O teu olhar (com le­tra de Ti­a­go Torres da Sil­va) e é uma das três can­ções, num to­tal de on­ze te­mas, na sua mai­or par­te ins­tru­men­tais, que sur­gem em Den­tro Des­se Mar. As ou­tras são As vi­a­jan­tes, com le­tra de Car­los Ren­nó, can­ta­da por Zé­lia Dun­can, e Des­sa ilha, com le­tra de Ar­nal­do An­tu­nes e a voz de Do­ra Mo­re­len­baum, fi­lha de Ja­ques.

Um ano de pre­pa­ra­ção

“Es­ti­ve­mos qua­se um ano, des­de o pri­mei­ro con­tac­to após o con­vi­te ter si­do acei­te, até às gra­va­ções, em De­zem­bro de 2017, em tro­cas de men­sa­gens, en­vi­os das par­ti­tu­ras que tí­nha­mos e tro­cas de idei­as so­bre en­ca­mi­nha­men­to es­té­ti­co e ti­po de con­vi­da­dos. Ele foi de­pois ou­vin­do, su­ge­rin­do e o dis­co foi sen­do cons­truí­do.” À ida do gru­po pa­ra o Brasil as coi­sas ain­da não es­ta­vam mui­to fe­cha­das. “Es­tá­va­mos até com al­gu­ma an­si­e­da­de”, diz Ar­tur. Mas tu­do fluiu sem con­tra­tem­pos. Tra­ba­lha­ram seis ho­ras por dia no es­tú­dio e, à me­di­da das ne­ces­si­da­des, Ja­ques ia con­tac­tan­do os mú­si­cos: Mar­cos Su­za­no, Pau­lo Bra­ga, Lu­la Gal­vão, Ro­gé­rio Ca­e­ta­no, Luís Bar­ce­los, Mar­ce­lo Cos­ta, Ro­ber­ti­nho Sil­va, Ti­a­go Abrantes e Da­vid Feld­man, além do pró­prio Ja­ques no vi­o­lon­ce­lo. So­ma- ram-se, as­sim, às con­cer­ti­nas do gru­po e ao vi­o­lon­ce­lo de Ja­ques, per­cus­sões, gui­tar­ra eléc­tri­ca, ban­do­lim, ca­va­qui­nho, vi­o­lões de 6 e 7 cor­das, cla­ri­ne­te, pi­a­no e pi­a­no eléc­tri­co.

“Foi, ob­vi­a­men­te, um con­jun­to de con­tac­tos pri­vi­le­gi­a­dos, mas aci­ma de tu­do uma ideia do que ca­da mú­si­co po­dia fa­zer em de­ter­mi­na­da música. Foi es­se o gran­de tra­ba­lho de pro­du­ção de­le”, diz Ar­tur Fer­nan­des. Quem ou­vir o dis­co, nu­ma sequên­cia que o gru­po quis pau­tar “pe­lo ti­po de an­da­men­tos e de to­na­li­da­des”, en­tra e sai a dan­çar: Azá­fa­ma, a abrir, raia o fan­dan­go e Sor­ri­so, a fe­char, tem o pul­sar de um baião. Pe­lo meio, sur­gem te­mas mais con­tem­pla­ti­vos ou mais sin­co­pa­dos, com al­gu­mas so­lu­ções sur­pre­en­den­tes. “Sol­da­do, por exem­plo, tem uma pro­gres­são que não é a tí­pi­ca da MPB ou do cho­ri­nho, é mui­to mais afro. En­ten­de­mos que, co­mo a música tem uma sequên­cia har­mó­ni­ca re­pe­ti­ti­va e in­sis­ten­te, a re­fe­rên­cia se­ria uma coi­sa mais do ti­po Olo­dum, mais bai­a­na.”

Com um con­cei­to es­té­ti­co, so­no­ro, de­sen­vol­vi­do ao lon­go dos anos, foi com es­tra­nhe­za que o gru­po re­ce­beu o re­sul­ta­do das gra­va­ções. “Com o Tó Pi­nhei­ro Sil­va, no iní­cio, e de­pois com o nos­so téc­ni­co Nuno Re­bo­cho, fo­mos de­sen­vol­ven­do um con­cei­to com um bai­xo pro­fun­do, re­don­do e ave­lu­da­do e com uma equa­li­za­ção das nos­sas con­cer­ti­nas a cor­tar nos mé­di­os. E cha­má­mos a aten­ção ao Ja­ques, re­pe­ti­da­men­te, que gos­ta­ría­mos que o gra­ve fos­se equa­li­za­do nes­se sen­ti­do. Ora quan­do re­ce­be­mos as pri­mei­ras ver­sões das mis­tu­ras, le­vá­mos li­te­ral­men­te às mãos à ca­be­ça”, diz Ar­tur. “Es­ta­va mui­to mais so­bre os mé­di­os”, acres­cen­ta Fi­li­pe. “Uma se­ma­na de­pois, de­mos a mão à pal­ma­tó­ria”, con­clui Ar­tur. “O tra­ba­lho do Ja­ques es­tá fe­no­me­nal. Pois se nós qu­e­ría­mos tra­ba­lhar com o Ja­ques e com mú­si­cos bra­si­lei­ros, o que es­pe­rá­va­mos? Es­ta mis­tu­ra pe­los mé­di­os le­va a música pa­ra um la­do mui­to mais le­ve. E afi­nal era is­to que nós qu­e­ría­mos!”

Den­tro Des­se Mar vai ser apre­sen­ta­do ao vi­vo em Coim­bra, no Con­ven­to São Francisco ( dia 31, às 21h30), se­guin­do-se Lis­boa (Te­a­tro Ti­vo­li BBVA, dia 3 de No­vem­bro, às 21h30), Avei­ro (Te­a­tro Avei­ren­se, dia 4, às 21h) e Por­to (Ca­sa da Música, dia 21, às 21h).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.