A al­tu­ra cer­ta pa­ra Ata Kak

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Ro­dri­go No­guei­ra

O ga­nen­se que gra­vou uma cas­se­te no Ca­na­dá no iní­cio dos anos 1990 e de­sis­tiu da música até ser des­co­ber­to na dé­ca­da de 2000 es­treia-se em Lis­boa es­ta sex­ta­fei­ra no Mu­sic­box.

via na Ale­ma­nha, on­de es­te­ve pri­mei­ro, ti­nha com uma ban­da de ver­sões de reg­gae), mas nun­ca to­ca­ra as su­as pró­pri­as com­po­si­ções em fren­te a pú­bli­co.

E é al­go em que se es­me­ra a sé­rio, co­mo par­ti­lha com or­gu­lho: “Os ou­tros mú­si­cos, os jo­vens, quan­do ac­tu­am, só can­tam. Nos anos 1970, os gru­pos e os mú­si­cos não can­ta­vam só, tam­bém dan­ça­vam. Por­que is­so é en­tre­te­ni­men­to.” Pa­ra Lis­boa, pro­me­te um “es­pec­tá­cu­lo in­crí­vel”: “Vou fa­zer al­go que tem si­do a es­pi­nha dor­sal do en­tre­te­ni­men­to: can­tar, dan­çar, an­dar de um la­do pa­ra o ou­tro, sal­tar, fa­zer tu­do o que pos­so pa­ra en­tre­ter o pú­bli­co”, pro­me­te.

Em 2016, era su­pos­to Ata Kak, o no­me que es­co­lheu pa­ra lan­çar música, ter-se es­tre­a­do em Lis­boa, no Lux, mas um con­tra­tem­po e uma tem­pes­ta­de aca­ba­ram por lhe tro­car as vol­tas e fa­zer com que o avião afi­nal fi­cas­se pre­so no Al­gar­ve.

O ape­lo dos anos 1970

Foi na dé­ca­da de 1970 que Ata Kak cres­ceu co­mo ou­vin­te de música. O dis­co-sound de no­mes co­mo KC & The Sunshi­ne Band ou Ko­ol & The Gang, en­tre ou­tros, era uma par­te im­por­tan­te da sua di­e­ta mu­si­cal. “Pop, reg­gae, funk, coun­try, oi­ço to­do o ti­po de música. Sou um mú­si­co, oi­ço os ou­tros e ten­to ver de que é que o mun­do pre­ci­sa”, pro­cla­ma. “Ini­ci­al­men­te, a mi­nha música era só funk e pop. Ou­vi Grand­mas­ter Flash e pen­sei que con­se­guia fa­zer is­so e in­cor­po­rei is­so”, con­ta. Mas a in­fluên­cia do rap não é as­sim tão gran­de, já que, con­fes­sa, não gos­ta de quan­do “jo­vens mú­si­cos gos­tam qua­se só de música rap” e acha que a mai­o­ria do rap “não tem um bom rit­mo, com­pa­ra­do com a ge­ra­ção an­ti­ga”. “Eu cres­ci na era do dis­co e ti­nha tu­do que ver com o rit­mo e a dan­ça. É o que fa­ço. Man­te­nho-me na mi­nha música e no que acho que fun­ci­o­na pa­ra mim.” Ain­da as­sim, as­se­gu­ra que, quan­do ti­ver no­vo ál­bum, te­rá ou­tra vez par­tes rap.

É que, en­tre­tan­to, tem te­mas no­vos e um ál­bum que, se tu­do cor­rer bem, sai­rá no ano que vem. Tem di­to que o re­sul­ta­do so­a­rá me­lhor do que Obaa Si­ma. “Há uma di­fe­ren­ça en­tre 1992 e 2018. O equi­pa­men­to que usa­va es­tá ob­so­le­to. Vai ser um bo­ca­di­nho di­fe­ren­te, mas rit­mo e a música, ba­si­ca­men­te, vão ter o mes­mo sen­ti­men­to”, ex­pli­ca.

Não tem me­do de per­der a ma­gia da música ori­gi­nal, que acon­te­ceu mais ou me­nos por aci­den­te? “Quan­do co­me­cei a gra­var os no­vos sons, per­ce­bi que so­a­vam di­fe­ren­te do que eu ti­nha fei­to nos anos 1990. Ti­ve de pa­rar e re­a­gru­par, pen­sar bem so­bre is­so, por­que a tec­no­lo­gia mu­dou. An­tes gra­va­va so­zi­nho, no meu apar­ta­men­to, no meu pró­prio es­tú­dio. Ago­ra es­ta­va no es­tú­dio dou­tra pes­soa, com ins­tru­men­tos di­fe­ren­tes e tec­no­lo­gia mo­der­na. Tor­na o som bas­tan­te di­fe­ren­te. E não gos­tei. Foi por is­so que de­mo­rei mui­to tem­po pa­ra fa­zer um se­gun­do ál­bum. Ain­da es­tou a tra­ba­lhar ne­le, pa­ra não so­ar a música mo­der­na. Es­pe­ro ain­da ter o sa­bor ori­gi­nal”, res­pon­de.

“Ago­ra olho pa­ra trás e pen­so ‘gra­ças a Deus’. Fiz al­go bom, só que a al­tu­ra não era a cer­ta”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.