A la­va da sín­te­se

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

A li­ção da música — não co­mo

em­be­le­za­men­to, nem téc­ni­ca, mas

en­quan­to te­o­ria-prá­ti­ca ar­tís­ti­ca com

au­to­no­mia — in­for­ma a po­e­sia de Jo­a­quim

Ma­nu­el Ma­ga­lhães.

Pa­ra Co­mi­go se­gue o mes­mo ne­xo re­or­ga­ni­za­dor de Um Tol­do Vermelho (Re­ló­gio D’Água, 2010), an­te­ri­or reu­nião da po­e­sia pre­ser­va­da de Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães. E uma vez mais se­guem­se cri­té­ri­os de ra­su­ra, des­lo­ca­ção e obli­qui­da­de, em re­la­ção a tí­tu­los au­tó­no­mos do au­tor e, bem as­sim, a an­te­ri­o­res reu­niões da sua obra poé­ti­ca.

Não se tra­ta­ria aqui nun­ca da ba­na­li­da­de de olhar co­mo se fos­se pe­la pri­mei­ra vez. Pos­si­vel­men­te, até o con­trá­rio dis­so. De tan­to olhar, de tan­to “ima­gi­nar”, no sen­ti­do que lhe da­va Ca­mões, a afir­ma­ção des­tes ver­sos tor­na-se opos­ta à fór­mu­la fi­xa, ao que é li­mi­ta­do e re­du­tor no idi­o­má­ti­co. Por is­so se ex­tir­pam to­das as ex­pres­sões da con­sa­gra­ção e da ob­vi­e­da­de. A um im­pul­so, adi­vi­nhá­vel, de afir­mar obli­qua­men­te cor­res­pon­de uma ex­pres­são que se en­con­tra na elip­se. O ver­so “Ne­cro­té­rio a ca­ma­da re­si­den­ci­al” con­den­sou e de­liu, por­que in­duz, em qua­tro pa­la­vras (uma de­las um sim­ples ar­ti­go), um con­jun­to dis­cer­ní­vel de sen­ti­dos. A pa­la­vra “ne­cro­té­rio” en­ca­be­ça o ver­so e sur­ge so­bre­car­re­ga­da de mor­te; a ex­tin­ção, o apa­ga­men­to, sa­em de­la, ex­pul­san­do os sen­ti­dos que aí se es­con­di­am, e que a pre­sen­ça em co­me­ço do ver­so põe a cir­cu­lar. Uma “ca­ma­da” é coi­sa fun­gí­vel, que se con­se­gue e há-de re­ti­rar. Tu­do o que a ela se agre­gar ten­de­rá pa­ra a im­per­ma­nên­cia, por­tan­to. As­sim acon­te­ce com o qua­li­fi­ca­ti­vo “re­si­den­ci­al”. Uma si­tu­a­ção de pre­ca­ri­e­da­de ur­ba­nís­ti­ca ou “su­bur­ba­nís­ti­ca” pai­ra, co­mo po­ei­ra a as­sen­tar, de­pois de de­to­na­dos os sen­ti­dos des­te ver­so. Sur­gi­do na con­clu­são de uma es­tro­fe, aque­le ver­so — usa­do co­mo ape­nas um exem­plo en­tre vá­ri­os pos­sí­veis — trans­por­ta con­si­go re­a­li­da­des fo­né­ti­cas que se unem e cri­am re­la­ções de eco, so­bre­po­si­ção, re­pli­ca­ção e pa­ra­le­lis­mo com ter­mos an­te­ri­o­res. Sons in­di­vi­du­ais, co­mo os na­sais, mas tam­bém sequên­ci­as mais am­plas, que com­bi­nam sons vo­cá­li­cos e con­so­nân­ti­cos. Tu­do is­to, po­rém, se­ri­am jo­gui­nhos de sa­le­ta se não es­ti­ves­se in­te­gra­do, co­mo es­tá, nu­ma dis­po­si­ção mui­to mais vas­ta, que se es­ten­de a to­do o li­vro, a to­da uma con­cep­ção de po­e­sia co­mo bus­ca sem des­can­so por uma in­di­vi­du­a­ção de ca­da com­po­nen­te do po­e­ma. Is­so im­pli­ca, na prá­ti­ca do po­e­ta, e na que aqui se en­saia, des­cer ao par­ti­cu­lar do ver­so, ao de ca­da pa­la­vra. Co­mo Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães es­cla­re­ce, a li­ção da música — não co­mo em­be­le­za­men­to, nem téc­ni­ca, mas en­quan­to te­o­ria-prá­ti­ca ar­tís­ti­ca com au­to­no­mia — in­for­ma a sua po­e­sia. Nes­se sen­ti­do, a va­ri­a­bi­li­da­de, a opu­lên­cia, mes­mo, do lé­xi­co não po­de­ria es­tar mais lon­ge da de­man­da pe­lo “vo­cá­bu­lo ra­ro” de um sim­bo­lis­ta de es­co­la co­mo Eu­gé­nio de Cas­tro (com Pes­sa­nha tal­vez fos­se di­fe­ren­te, mas não ire­mos por es­sa ali­ci­an­te de­ri­va).

Lei­a­mos es­tes ver­sos: “O tu vo­lun­tá­rio, eu./ Áto­mo e va­zio/ a opi­nião.// O en­ra­be de pé?/ Ca­co de sa­po, rou­fe­nho,/ a suc­ção, o tú­nel./ Me­tá­fo­ra? O me­tro, sua mer­da.” Es­te frag­men­to de um po­e­ma (por­que es­ta po­e­sia) ab­di­cou de mui­ta coi­sa. Pres­cin­diu de li­a­mes se­gu­ros, exis­te nu­ma cor­da de­ma­si­a­do ten­sa — de di­zer tão pou­co, con­ver­te-se num ex­po­en­te. Tu­do o que po­de ser di­to, exis­te aqui em la­tên­cia. No­te-se a in­sis­tên­cia em mo­nos­sí­la­bos (“o”, “eu”, “a”), que, ti­ran­do co­nec­to­res co­mo pre­po­si­ções e con­jun­ções, são pro­no­mes e de­ter­mi­nan­tes. (Não é li­ção de gra­má­ti­ca.) Pos­si­vel­men­te por­que es­ses ele­men­tos, “vazios” de sig­nif­ca­do são apro­vei­ta­dos co­mo per­cus­sões, ba­ti­das rít­mi­cas, or­ga­ni­za­ções do es­pa­ço e do som do po­e­ma. Por ou­tro la­do, os ter­mos sig­ni­fi­can­tes (no­mes, ver­bos, ad­jec­ti­vos) va­lem co­mo ter­mos num to­do e en­quan­to ele­men­tos unos, no seu com­ple­xo som-sen­ti­do. Uma li­ção que, con­for­me elu­ci­da Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães, a sua po­e­sia co­lheu no se­ri­a­lis­mo de An­ton We­bern.

As di­fe­ren­ças que o lei­tor in­for­ma­do de­tec­ta, em fa­ce dos an­te­ri­o­res li­vros de Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães re­sul­tam, co­mo de­ve­rá ser ób­vio, de op­ções di­ver­sas, por­que ge­ram (ou são ge­ra­das por) es­té­ti­cas di­fe­ren­tes. Man­ten­do-se, por exem­plo, a aten­ção ir­re­vo­gá­vel às re­a­li­da­des nun­ca exac­ta­men­te di­co­tó­mi­cas — pe­lo que ne­las há de in­ter­pe­ne­tra­ção — cam­po-ci­da­de, uma in­tro­du­ção co­mo “Apru­mo, in­du­men­tá­ria/ con­ven­ção de vi­la ta­ca­nha.” te­ma­ti­za di­fe­ren­te­men­te — com a “la­va da sín­te­se” de que fa­la um po­e­ma — os con­di­ci­o­na­lis­mos do es­pa­ço ru­ral ou se­mi-ru­ral, uma pre­sen­ça, des­de mui­to ce­do, de­tec­tá­vel, en­tre ou­tras, na po­e­sia de Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães pré­via a Pa­ra Co­mi­go. H.P.S. Pa­ra Co­mi­go Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães Re­ló­gio D’Água

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.