O Te­a­tro Pra­ga ce­le­bra o fa­lhan­ço do te­a­tro por­tu­guês

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Gon­ça­lo Fro­ta

Coi­sas que se po­di­am quei­mar: as me­mó­ri­as, a nos­tal­gia, to­do o sen­ti­men­to de amor, a pa­ter­ni­da­de, a des­cen­dên­cia, a li­nha­gem e tan­tas ou­tras coi­sas. É is­to que pas­sa pe­la ca­be­ça e pe­la voz de Ro­gé­rio Sa­mo­ra quan­do ter­mi­na a apre­sen­ta­ção de um ex­cer­to de Frei Luís de Sousa, em que Ma­nu­el de Sousa pro­fes­sa a sua re­sis­tên­cia à ti­ra­nia “per­den­do o amor a coi­sas tão vis e pre­cá­ri­as” quan­to os seus ha­ve­res. Em con­sequên­cia, ateia fo­go à sua ca­sa e pre­fe­re vê-la ar­der a dar abri­go a go­ver­na­do­res cas­te­lha­nos. De­pois, Ma­nu­el, Ma­da­le­na, Maria e o ro­mei­ro põem-se em fu­ga. A ce­na ter­mi­na e é en­tão que Ro­gé­rio a la­men­ta, sem po­der fu­gir a es­te clás­si­co do te­a­tro por­tu­guês, es­cri­to por Almeida Gar­rett em 1843 e aqui in­ter­pre­ta­do pe­la tru­pe do Te­a­tro Pra­ga com to­dos os ex­ces­sos dra­má­ti­cos a que tem di­rei­to. Sa­mo­ra é ver­ga­do por tu­do aqui­lo que de­se­ja­va ver re­du­zi­do a cin­zas — a me­mó­ria, a nos­tal­gia, a des­cen­dên­cia, a li­nha­gem, etc., coi­sas que o fa­zem ve­lho e lhe se­cam a pe­le. “Is­to de­via era aca­bar tu­do”, de­sa­ba­fa. “O pi­or é que fi­ca.”

E é do pi­or que se ocu­pa Worst of, no Te­a­tro Na­ci­o­nal D. Maria II, Lis­boa, de 1 a 18 de No­vem­bro, se­guin­do sem­pre es­te pin­gue-pon­gue en­tre a re­a­ni­ma­ção pro­vi­só­ria de clás­si­cos — de Gil Vi­cen­te e Gar­rett a no­mes me­nos po­pu­la­res co­mo Cor­reia Gar­ção ou Go­mes de Amo­rim —, pro­ta­go­ni­za­da pe­lo nú­cleo du­ro dos Pra­ga, e o co­men­tá­rio ofe­re­ci­do por ac­to­res co­nhe­ci­dos do pú­bli­co (Ro­gé­rio Sa­mo­ra, São Jo­sé Cor­reia e Már­cia Breia), nu­ma crí­ti­ca-quei­xa cons­tan­te dos ví­ci­os e das fra­que­zas do te­a­tro nas­ci­do em Por­tu­gal. De­pois de um se­gun­do mer­gu­lho que vai mais fun­do no re­gis­to dra­má­ti­co e trá­gi­co de Frei Luís de Sousa — “’Es­sa fi­lha é fi­lha do cri­me e do pe­ca­do!’ Não sou; diz, meu pai, não sou”, ro­ga uma des­fa­le­ci­da Maria a Ma­nu­el —, fei­to o zo­om out da ce­na há-de co­men­tar-se o tom ar­ti­fi­ci­al e con­ta­gi­an­te que im­pe­ra nos pal­cos, e há-de atri­buir-se as cul­pas à in­qui­si­ção, à cen­su­ra, à di­ta­du­ra, à con­di­ção pe­ri­fé­ri­ca do país e ao pe­so da tra­di­ção.

As ce­nas des­te Worst of, com­pi­la­ção que vi­ra a ló­gi­ca da an­to­lo­gia de per­nas pa­ra o ar — pre­te­rin­do a ideia es­ta­be­le­ci­da de de­can­ta­ção po­si­ti­va e de exal­ta­ção — obe­de­cem a vá­ri­os cri­té­ri­os. “Des­de coi­sas com que não con­se­guía­mos re­la­ci­o­nar-nos, tex­tos ana­cró­ni­cos ou que não eram re­pre­sen­ta­ti­vos de um de­ter­mi­na­do con­tex­to so­ci­al ou cul­tu­ral do país”, diz André e. Te­o­dó­sio, “mas tam­bém a crí­ti­ca que exis­tia e tem vin­do a exis­tir con­tra o te­a­tro por­tu­guês, in­cluin­do o Eça de Qu­ei­rós, di­zen­do que o te­a­tro por­tu­guês não pres­ta. E qu­e­ría­mos ain­da ata­car os vul­tos mai­o­res, en­tre coi­sas de que não gos­tá­va­mos, que qu­e­ría­mos dei­tar abai­xo ou que fa­lha­vam na sua for­ma.” Só que es­te exer­cí­cio de ati­rar to­ma­tes ao câ­no­ne não pas­sa por qual­quer ten­ta­ti­va de su­pe­ri­o­ri­za­ção do Te­a­tro Pra­ga. Até por­que um dos tex­tos do co­lec­ti­vo en­gros­sa a sequên­cia de clás­si­cos, obri­gan­do a que a crí­ti­ca de­sa­bri­da de Ro­gé­rio Sa­mo­ra tam­bém re­caia so­bre a com­pa­nhia. “Era pre­ci­so que nos in­cluís­se­mos pa­ra po­der­mos apon­tar o de­do”, de­fen­de Pedro Pe­nim. A ló­gi­ca, acres­cen­ta Jo­sé Maria Vi­ei­ra Men­des, é a de as­su­mir que tu­do é mau e, a par­tir daí, abo­lir hi­e­rar­qui­as. “Se tu­do é mau, nós tam­bém so­mos. Nin­guém po­de es­ca­par. E a cer­ta al­tu­ra o mau dei­xa de ser cri­té­rio e tor­na-se ape­nas nu­ma coi­sa que se diz so­bre al­go. Dei­xa de ser um pro­ble­ma.” É es­se o pon­to a que que­rem che­gar. A par­tir des­se mo­men­to, da im­plo­são do “mau”, des­co­bre-se a li­ber­da­de.

Co­me­çar a fa­lhar

O dis­po­si­ti­vo de Worst of é sim­ples: en­qua­dra­dos por um di­o­ra­ma, Pedro Pe­nim, Cláu­dia Jar­dim ou Diogo Ben­to as­su­mem os tex­tos ex­traí­dos do câ­no­ne do te­a­tro por­tu­guês e ofe­re­cem-nos uma in­ter­pre­ta­ção que os car­re­ga de hi­la­ri­da­de — por con­tras­te com a se­rís­si­ma pe­na da es­cri­ta ori­gi­nal. Es­se ges­to, fa­tal­men­te, des­ta­pa a enor­me dis­tân­cia en­tre o tem­po his­tó­ri­co da es­cri­ta ori­gi­nal e o ago­ra, su­bli­nhan­do o ana­cro­nis­mo de al­guns dos tex­tos. O pró­prio ce­ná­rio jun­ta dois ou três de­dos a em­pur­rar nes­sa di­rec­ção. Se o di­o­ra­ma es­tá ao fun­do do pal­co, mais per­to do pú­bli­co en­con­tram-se os ac­to­res que sol­tam a lín­gua na crí­ti­ca ao te­a­tro por­tu­guês — “eles fa­zem-nos sha­ming e nós so­mos uma es­pé­cie de power point que eles vão apre­sen­tan­do com exem­plos”, des­cre­ve Pe­nim —, ins­ta­la­dos nu­ma sa­la “le­ve- men­te ins­pi­ra­da num es­pa­ço de mu­seu”. “E de­pois o pú­bli­co vê aque­les ac­to­res que es­tão a ver ou­tro es­pec­tá­cu­lo”, acres­cen­ta Vi­ei­ra Men­des. Uma pe­que­na mi­se en aby­me, cor­te­sia dos Pra­ga.

A ideia de Worst of é an­ti­ga. De­pois de Cin­co Es­tre­las, em 2004, no Na­ci­o­nal, o Te­a­tro Pra­ga foi de­sa­fi­a­do pe­lo en­tão di­rec­tor do D. Maria II, An­tó­nio La­gar­to, a pen­sar um es­pec­tá­cu­lo pa­ra a sa­la prin­ci­pal. “E ime­di­a­ta­men­te de­ci­di­mos que qu­e­ría­mos fa­zer o pi­or do te­a­tro por­tu­guês, ain­da sem sa­ber­mos o que is­so po­de­ria ser”, lem­bra André e. Te­o­dó­sio. Worst of che­gou a es­tar es­ca­la­do pa­ra 2006, mas a en­tra­da de Car­los Fra­ga­tei­ro pa­ra o lu­gar de La­gar­to di­tou o can­ce­la­men­to. “Ele achou que era im­pos­sí­vel que aque­la com­pa­nhia que nin­guém co­nhe­cia e com um tra­ba­lho mar­gi­nal fos­se ocu­par a sa­la gran­de”, con­tam. Até que Ti­a­go Ro­dri­gues con­vi­dou os Pra­ga a pen­sar na re­es­cri­ta de um clás­si­co e eles se pro­pu­se­ram an­tes a, fi­nal­men­te, dar vi­da a es­te com­pên­dio de tex­tos de um te­a­tro que, “ape­sar de ter fi­gu­ras mai­o­res, co­mo Gil Vi­cen­te ou Almeida Gar­rett”, re­fe­re Pe­nim, não con­se­gue pa­ra “ne­nhu­ma de­las pro­jec­ção in­ter­na­ci­o­nal ou mes­mo na­ci­o­nal su­fi­ci­en­te pa­ra ser um mar­co — co­mo Sha­kes­pe­a­re em In­gla­ter­ra, Mo­liè­re em Fran­ça ou com os au­to­res do sé­cu­lo de ou­ro em Es­pa­nha.” “A ideia foi ce­le­brar es­sa fal­ta e co­mo es­sa fal­ta per­mi­te ser­mos cri­a­do­res mais li­vres por es­se pe­so não es­tar sem­pre a in­flu­en­ci­ar a ma­nei­ra co­mo cri­a­mos ou pen­sa­mos no te­a­tro.” Es­sa li­ber­da­de, acre­di­tam, é inau­gu­ra­da, des­de lo­go, pe­la “pe­ça fun­da­do­ra do te­a­tro por­tu­guês”, Mo­nó­lo­go do Va­quei­ro, de Gil Vi­cen­te. Quan­do es­se tex­to fun­da­dor é es­cri­to em cas­te­lha­no, quan­do o te­a­tro por­tu­guês fa­lha lo­go des­de o pri­mei­ro mo­men­to, en­tão es­tão reu­ni­das as con­di­ções pa­ra tu­do pos­sa cor­rer me­lhor a par­tir daí. Ou pi­or.

Em Worst of, de 1 a 18 de No­vem­bro no Na­ci­o­nal, o te­a­tro clás­si­co por­tu­guês é ob­jec­to de sha­ming e de crí­ti­ca im­pi­e­do­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.