Tur­bi­lhão

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Quan­do se fi­zer a ar­que­o­lo­gia da música im­pro­vi­sa­da em Por­tu­gal, es­te dis­co se­rá do­cu­men­to fun­da­men­tal. Nuno Ca­ta­ri­no

Prai­se of Our Folly Lis­bon Fre­e­dom Unit Cle­an Fe­ed Olha­mos pa­ra a for­ma­ção: Luís Lo­pes (gui­tar­ra eléc­tri­ca), Ro­dri­go Ama­do (sa­xo­fo­ne te­nor), Bruno Par­ri­nha (sa­xo­fo­ne so­pra­no e cla­ri­ne­te), Pedro Sousa (sa­xo­fo­ne te­nor), Ro­dri­go Pi­nhei­ro (pi­a­no e Fen­der Rho­des), Ri­car­do Ja­cin­to (vi­o­lon­ce­lo), Her­nâ­ni Faus­ti­no (con­tra­bai­xo), Pedro Lo­pes (gi­ra­dis­cos e elec­tró­ni­ca) e Ga­bri­el Fer­ran­di­ni (ba­te­ria e per­cus­são). É uma equi­pa de lu­xo, en­con­tra­mos aqui al­guns dos me­lho­res, mais res­pei­ta­dos e re­co­nhe­ci­dos mú­si­cos por­tu­gue­ses li­ga­dos à im­pro­vi­sa­ção li­vre. For­ma­do por ini­ci­a­ti­va do gui­tar­ris­ta Luís Lo­pes, es­te dre­am te­am reú­ne a na­ta dos im­pro­vi­sa­do­res de Lis­boa, mú­si­cos que têm es­ta­do mui­to ac­ti­vos nes­ta úl­ti­ma dé­ca­da, oriun­dos de for­ma­ções co­mo RED Trio, Ro­dri­go Ama­do Mo­ti­on Trio, Hu­ma­ni­za­ti­on Qu­ar­tet, Gar­den, EITR, Pe­ter Ga­bri­el Duo, en­tre ou­tros pro­jec­tos e gru­pos ad-hoc.

Es­te im­pro­vá­vel no­ne­to, de­sig­na­do Lis­bon Fre­e­dom Unit (LFU), tra­ba­lha uma música pu­ra­men­te as­sen­te na im­pro­vi­sa­ção li­vre. Sem com­po­si­ções ou ba­ses pré­de­fi­ni­das, o gru­po de­sen­vol­ve um diá­lo­go mu­si­cal que vai evo­luin­do do ze­ro pe­las su­ges­tões in­di­vi­du­ais, ca­da um ali­men­tan­do o pro­pó­si­to de con­tri­buir pa­ra o co­lec­ti­vo. To­dos mú­si­cos com vas­ta ex­pe­ri­ên­cia a tra­ba­lhar sem re­de, Lo­pes, Ama­do, Fer­ran­di­ni e com­pa­nhia ar­ti­cu­lam idei­as e, sem atro­pe­los, lan­çam su­ges­tões in­di­vi­du­ais de ca­da ins­tru­men­to pa­ra o som co­mum, so­bre­pon­do ca­ma­das, num pro­ces­so de trans­for­ma­ção que vai cres­cen­do de for­ma con­tí­nua.

Exem­plo do tra­ba­lho de pes­qui­sa e diá­lo­go é o iní­cio do se­gun­do te­ma, que arranca com um diá­lo­go en­tre pi­a­no e con­tra­bai­xo, pri­mei­ro so­am per­di­dos, pro­cu­ram pon­tos em co­mum, de­pois vão en­tran­do ou­tros mú­si­cos, con­tri­buin­do pa­ra a mas­sa so­no­ra cres­cer em vo­lu­me e in­ten­si­da­de. Já no quar­to te­ma ou­vi­mos a di­nâ­mi­ca tí­pi­ca da im­pro­vi­sa­ção enér­gi­ca, aque­le rá­pi­do cres­cen­do de ten­são até che­gar a re­ben­ta­ção, com aque­la so­ber­ba ener­gia que já co­nhe­ce­mos des­tes mú­si­cos, re­ve­la­da nou­tros pro­jec­tos.

Os no­ve mú­si­cos ex­pres­sam a sua fa­ci­li­da­de de co­mu­ni­ca­ção ins­tru­men­tal, com­bi­nan­do uma amál­ga­ma de vo­zes e idei­as mu­si­cais, daí re­sul­tan­do uma música por ve­zes sen­sí­vel, de­li­ca­da, nou­tros mo­men­tos ru­go­sa, bru­ta. E, com to­dos os mú­si­cos a par­ti­ci­pa­rem em si­mul­tâ­neo, che­ga um ver­da­dei­ro tur­bi­lhão. Quan­do, num lon­gín­quo fu­tu­ro, se fi­zer a ar­que­o­lo­gia da música im­pro­vi­sa­da em Por­tu­gal no iní­cio do sé­cu­lo XX, es­te dis­co se­rá um do­cu­men­to fun­da­men­tal pa­ra se en­ten­der as di­nâ­mi­cas da im­pro­vi­sa­ção mais pu­ra. Quem não qui­ser es­pe­rar, po­de­rá ou­vir já es­te dis­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.