Mpe­dir os­so ve­ja coi­sa”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Pi­e­ces. An­tes dis­so, era con­tra a re­pe­ti­ção de per­for­man­ces.

De­pois, achou que al­gu­ma coi­sa es­ta­va a mu­dar. As per­for­man­ces dos anos 70 eram co­pi­a­das, ci­ta­das sem ri­gor, usa­das por fo­tó­gra­fos de mo­da, pa­ra vi­de­o­clips, pa­ra pu­bli­ci­da­de. Ela que­ria dar o de­vi­do cré­di­to aos ar­tis­tas que as in­ven­ta­ram. A ideia era fa­zê-lo com ou­tros ar­tis­tas, mas pa­ra is­so era pre­ci­so trei­ná-los se­guin­do um mé­to­do com re­gras es­tri­tas pa­ra que eles pu­des­sem en­trar na lin­gua­gem e fi­lo­so­fia de­la.

Ela es­tá a cri­ar um ava­tar em re­a­li­da­de vir­tu­al, es­tá em­pe­nha­da em fa­zer com que o seu tra­ba­lho vi­va pa­ra sem­pre — o que é o opos­to do seu pon­to de par­ti­da. Mas há uma con­ti­nui­da­de, uma pes­qui­sa que vai nes­ta di­rec­ção. É mui­to con­sis­ten­te.

Al­gu­mas des­tas per­for­man­ces têm dé­ca­das. A lei­tu­ra que fa­ze­mos ho­je é a mes­ma que foi fei­ta ori­gi­nal­men­te ou tor­na­ram-se di­fe­ren­tes por­que os tem­pos são di­fe­ren­tes?

Pen­sei que ho­je se­ri­am vis­tas mais nu­ma pers­pec­ti­va his­tó­ri­ca. Mas não. Es­tas re­per­for­man­ces con­ti­nu­am ac­tu­ais, mui­to mo­der­nas, mui­to ur­gen­tes. Porquê? Es­ta­mos na era das redes soci­ais, to­da a gen­te ti­ra fo­to­gra­fi­as, faz ví­de­os com os te­le­mó­veis, e tudo o que foi fei­to pe­lo nos­so pú­bli­co foi cen­su­ra­do. Ten­ta­ram blo­que­ar a nos­sa con­ta [da ex­po­si­ção] por­que es­tá­va­mos a pu­bli­car con­teú­do “por­no­grá­fi­co” ou “imo­ral”. Aca­bá­mos por che­gar a um acor­do por­que ta­pá­mos cer­tas par­tes das ima­gens.

As­su­mi­mos um com­por­ta­men­to di­fe­ren­te, no iní­cio éra­mos com­ple­ta­men­te aber­tos por­que pen­sá­va­mos — e con­ti­nu­a­mos a pen­sar — que is­to é ar­te. Nos anos 70 foi exac­ta­men­te a mes­ma coi­sa. A per­for­man­ce Im­po­de­ra­bi­lia em Bo­lo­nha foi en­cer­ra­da pe­la po­lí­cia pou­cas ho­ras de­pois de se ter ini­ci­a­do. Is­so não acon­te­ce ho­je, mas es­tá a acon­te­cer nas redes soci­ais, que são pro­va­vel­men­te a ver­da­dei­ra re­a­li­da­de. Es­tes tra­ba­lhos são ac­tu­ais e ur­gen­tes por­que con­ti­nu­am a di­zer al­go ho­je co­mo dis­se­ram no pas­sa­do. Se ti­ves­se si­do nas dé­ca­das de 80 ou de 90 te­ria si­do di­fe­ren­te? O cli­ma ho­je es­tá mais pró­xi­mo do dos anos 70? Qu­em sa­be? Pro­va­vel­men­te sim. Tal­vez nos anos 80 ou 90 hou­ves­se me­nos con­tro­lo, mas por ou­tro la­do há uma mu­dan­ça: é que, gra­ças às redes soci­ais, a ar­te che­ga a uma au­di­ên­cia mai­or. É di­fí­cil res­pon­der a es­sa per­gun­ta, não te­ría­mos es­tas re­ac­ções mas tam­bém não che­ga­ría­mos a um pú­bli­co tão vas­to.

Quais são os gran­des de­sa­fi­os da or­ga­ni­za­ção des­tas re­per­for­man­ces?

Pa­ra nós é um no­vo de­sa­fio. É a pri­mei­ra vez que tra­ba­lha­mos as­sim. Te­mos que con­tra­tar 34 per­for­mers, ge­ri-los e cri­ar um sis­te­ma pa­ra is­so. Agora po­de­mos di­zer que já apren­de­mos e que con­se­gui­re­mos fa­zê-lo no fu­tu­ro sem pro­ble­mas. Te­mos que fa­zer um ca­len­dá­rio e co­mu­ni­cá-lo pa­ra que as pes­so­as sai­bam quan­do é que as per­for­man­ces acon­te­cem.

É um tra­ba­lho mui­to exi­gen­te pa­ra os ar­tis­tas en­vol­vi­dos.

É por is­so que te­mos que fa­zer um ca­len­dá­rio de acor­do com a dis­po­ni­bi­li­da­de de­les. Não é um tra­ba­lho nor­mal, das no­ve às cin­co. Eles só trabalham al­guns di­as por se­ma­na e al­gu­mas ho­ras por dia. Não fo­mos nós que criá­mos es­tas re­gras. É tudo tra­ba­lho de Ma­ri­na, li­mi­ta­mo-nos a se­guir as ins­tru­ções de­la.

Ma­ri­na Abra­mo­vic diz que ca­da vez mais, no tra­ba­lho de­la, o pú­bli­co tor­na-se a obra. Co­mo é que as pes­so­as se com­por­tam? Em The Ar­tist is Pre­sent, de 2010, ela es­ta­va pre­sen­te, mas a per­for­man­ce foi fei­ta pe­lo pú­bli­co. Is­to é uma par­te im­por­tan­te da car­rei­ra de­la. Ela es­ta­va mui­to pre­sen­te no iní­cio das su­as per­for­man­ces e foi fi­can­do ca­da vez me­nos pre­sen­te. As per­for­man­ces tor­na­ram-se mais es­pi­ri­tu­ais e pas­sa­ram a en­vol­ver ca­da vez mais o pú­bli­co, co­mo acon­te­ce tam­bém em The Hou­se with the Oce­an Vi­ew, que va­mos re­pe­tir em De­zem­bro, e que du­ra do­ze di­as. O pú­bli­co é im­por­tan­te por­que há uma in­te­rac­ção. Há mui­to en­tu­si­as­mo, is­to é vis­to co­mo al­go de no­vo. Cla­ro que te­mos que ter cui­da­do, as pes­so­as po­dem com­por­tar-se de for­ma im­pró­pria, mas até agora tudo tem cor­ri­do bem. Em Im­pon­de­ra­bi­lia, al­gu­mas pes­so­as atra­ves­sam a “por­ta” [têm que pas­sar en­tre um ho­mem e uma mu­lher nus] mas mui­tas con­tor­nam-na. Há mui­ta gen­te a par­ti­ci­par?

De­pen­de, par­te do pú­bli­co acei­ta o de­sa­fio, ou­tra par­te pre­fe­re fi­car a ver. O nos­so pú­bli­co é mui­to va­ri­a­do, so­mos uma ins­ti­tui­ção pú­bli­ca e ape­nas de ar­te con­tem­po­râ­nea. Uma par­te do nos­so pú­bli­co é me­nos es­pe­ci­a­li­za­do e acha [o que vê] al­go de pou­co ha­bi­tu­al, ou­tros ado­ram Ma­ri­na por is­so es­tão pre­pa­ra­dos.

A ar­te po­de ser li­da a mui­tos ní­veis. Is­so acon­te­ce tam­bém com uma obra de Gi­ot­to pa­ra um al­tar, há pes­so­as que se li­mi­tam a ver as co­res e as ima­gens, que po­dem achar es­tra­nhas por se­rem mui­to di­fe­ren­tes da re­a­li­da­de, mas ou­tras po­dem ler vá­ri­as ca­ma­das. Tudo de­pen­de do que se sa­be — quan­to mais se sa­be mais se vê.

Os tra­ba­lhos de Ma­ri­na nos anos 70 são mui­to mais vi­o­len­tos e cho­can­tes, mais tar­de há uma es­pi­ri­tu­a­li­da­de e uma cer­ta paz que se vai ins­ta­lan­do. Di­ria que os pri­mei­ros são mui­to mais ra­di­cais?

Mais uma vez de­pen­de, se olhar­mos com os olhos de ho­je pa­re­cem mais ra­di­cais por­que são mais ex­tre­mos. Nu­ma des­tas per­for­man­ces, Ma­ri­na qua­se mor­reu. Mas, co­lo­can­do-as no con­tex­to da ar­te per­for­ma­ti­va da al­tu­ra, eram mais nor­mais. A ar­te per­for­ma­ti­va era uma ar­te ra­di­cal, ex­tre­ma. Ho­je al­gu­mas des­tas per­for­man­ces se­ri­am ile­gais, se­ria im­pos­sí­vel fa­zê-las. A his­tó­ria mu­da e a his­tó­ria da ar­te per­for­ma­ti­va tam­bém, mas as per­for­man­ces da Ma­ri­na são sem­pre ra­di­cais, sem­pre no­vas, mas ao mes­mo tem­po adap­ta­das ao con­tex­to.

O mun­do es­tá a fi­car mais po­la­ri­za­do, há uma ten­são cres­cen­te, e Ma­ri­na pe­de-nos pa­ra mer­gu­lhar­mos nas nos­sas ca­be­ças e con­cen­trar­mo-nos no mo­men­to. Há uma re­la­ção en­tre as du­as coi­sas?

Ar­tu­ro Ga­lan­si­no, 43 anos, é, des­de 2015, di­rec­tor do Pa­laz­zo Stroz­zi, em Flo­ren­ça, que apre­sen­ta The Cle­a­ner, de Ma­ri­na Abra­mo­vic

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.