O se­xo, quan­to mais se es­con­de mais ele apa­re­ce

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

A re­gra mo­ral que re­ge ho­je os in­ter­di­tos

e clas­si­fi­ca­ções do uni­ver­so da Internet

(e, es­pe­ci­al­men­te, das redes soci­ais),

um mun­do on­de só há con­teú­dos sem

for­ma, foi pro­jec­ta­da no mun­do re­al dos

mu­seus, das bi­bli­o­te­cas, da es­fe­ra pú­bli­ca.

De­la­croix, Cour­bet, Egon Schi­e­le, Map­plethor­pe e mui­tos ou­tros ar­tis­tas, clás­si­cos e con­tem­po­râ­ne­os, têm si­do ob­jec­to de uma cen­su­ra, exer­ci­da de ma­nei­ra ce­ga nas cha­ma­das “redes soci­ais”, mas com ma­ni­fes­ta­ções vá­ri­as nou­tras es­fe­ras e al­gu­ma ten­dên­cia pa­ra se ge­ne­ra­li­zar. A emer­gên­cia des­tes epi­só­di­os em nú­me­ro cres­cen­te e em la­ti­tu­des di­ver­sas tor­nou plau­sí­vel o diagnóstico que apon­ta pa­ra uma no­va on­da de pu­ri­ta­nis­mo. O al­vo pre­fe­ren­ci­al e qua­se ex­clu­si­vo é o se­xo, to­da a ico­no­gra­fia que, de uma ma­nei­ra ou de ou­tra, o re­pre­sen­ta. Já não é pre­ci­so que ha­ja in­si­nu­a­ção ou os­ten­ta­ção de por­no­gra­fia, bas­ta o ero­tis­mo ou a sim­ples su­ges­tão do cor­po se­xu­al. Por exem­plo, um qua­dro de De­la­croix, La li­ber­té gui­dant le peu­ple, já se su­jei­tou a ser ba­ni­do por­que a fi­gu­ra fe­mi­ni­na, em­pu­nhan­do uma ban­dei­ra, que guia o po­vo da re­vo­lu­ção é um mu­lher de ma­mas des­co­ber­tas.

A ar­te e a li­te­ra­tu­ra mo­bi­li­zam o se­xo, co­mo ne­nhu­ma ou­tra cri­a­ção e ac­ti­vi­da­de hu­ma­nas. Por is­so, é so­bre­tu­do no cam­po ar­tís­ti­co e li­te­rá­rio que es­te no­vo pu­ri­ta­nis­mo tem ti­do uma ac­ção vi­sí­vel e cons­tan­te. A re­vo­lu­ção se­xu­al dos anos 60 do sé­cu­lo pas­sa­do e to­da a sua he­ran­ça po­lí­ti­ca, es­té­ti­ca e so­ci­al es­tão a ser er­ra­di­ca­das e sur­gem ho­je, meio sé­cu­lo de­pois, co­mo uma es­tri­ta di­men­são de bo­om no pla­no da in­dús­tria e do mer­ca­do do se­xo. Nes­ta on­da pu­ri­ta­na, de­sa­pa­re­ce a dis­tin­ção con­ven­ci­o­nal en­tre a ar­te eró­ti­ca e a por­no­gra­fia. É ver­da­de que es­sa dis­tin­ção ser­viu mui­tas ve­zes pa­ra le­gi­ti­mar ou­tros pu­ri­ta­nis­mos, mas a in­fla­ção e a ex­ten­são do ter­ri­tó­rio da cen­su­ra aca­ba por atin­gir tudo o que tem a ver com o mun­do das pul­sões e dos es­ta­dos-li­mi­te. Aqui e ali já se er­guem sinais de que es­tá em cur­so a pre­pa­ra­ção de um no­vo in­fer­no pa­ra as bi­bli­o­te­cas e os mu­seus. Co­me­çou a mar­ca­ção das obras mal­di­tas. E, co­mo sem­pre acon­te­ceu nes­tas oca­siões, o in­ci­ta­men­to à de­la­ção é ele­va­da à ca­te­go­ria de vir­tu­de cí­vi­ca.

Nos anos 60 e 70 do sé­cu­lo pas­sa­do as­sis­ti­mos a uma lei­tu­ra de Sa­de ao mais al­to ní­vel das dis­ci­pli­nas dos es­tu­dos li­te­rá­ri­os e da fi­lo­so­fia, na uni­ver­si­da­de e em ou­tros cír­cu­los. Ho­je, tal coi­sa pa­re­ce in­ve­ro­sí­mil. Um au­tor co­mo Ba­tail­le, que foi um es­cri­tor de cul­to, não te­ria ho­je a mes­ma for­tu­na e até se­ria, pro­va­vel­men­te, es­con­di­do das bo­as fa­mí­li­as co­mo uma de­ge­ne­ra­ção mons­tru­o­sa. E a sua ma­da­me Edwar­da ja­mais le­van­ta­ria o ves­ti­do pa­ra mos­trar a par­te mal­di­ta, on­de o se­xo e a re­li­gião se en­con­tram en­quan­to do­mí­ni­os de uma he­te­ro­lo­gia que Ba­tail­le opôs ao pla­no das ac­ti­vi­da­des hu­ma­nas pro­du­ti­vas.

Co­mo to­dos os pu­ri­ta­nis­mos, in­cluin­do o pu­ri­ta­nis­mo es­té­ti­co dos re­gi­mes to­ta­li­tá­ri­os do sé­cu­lo XX, es­ta no­va on­da pu­ri­ta­na é gui­a­da por uma ló­gi­ca em que im­por­ta so­bre­tu­do a ques­tão do con­teú­do. O pu­ri­ta­nis­mo se­xu­al de que a ar­te es­tá a ser ví­ti­ma é emi­nen­te­men­te con­teu­dís­ti­co e, por­tan­to, su­põe uma dis­tin­ção — que é sem­pre uma ma­nei­ra im­pró­pria de olhar a ar­te — en­tre for­ma e con­teú­do. O mo­do e o re­gi­me con­tem­po­râ­neo de cir­cu­la­ção das ima­gens, atra­vés dos no­vos me­dia, veio po­ten­ci­a­li­zar a clas­si­fi­ca­ção de Coi­sa obs­ce­na: a fi­gu­ra fe­mi­ni­na da li­ber­da­de, do qua­dro de De­la­croix, avan­çan­do de pei­tos des­co­ber­tos, quan­do trans­pos­ta pa­ra o uni­ver­so pro­fa­no e in­di­fe­ren­ci­a­do da Internet é ape­nas uma mu­lher de ma­mas à mos­tra. Tal co­mo uma fo­to­gra­fia de Map­plethor­pe, en­tran­do no ar­qui­vo di­gi­tal da por­no­gra­fia, tor­na-se ob­jec­to da mais uni­ver­sal das fi­xa­ções: a fi­xa­ção no pé­nis. Acon­te­ce en­tão que a re­gra mo­ral que re­ge ho­je os in­ter­di­tos e clas­si­fi­ca­ções do uni­ver­so vir­tu­al da Internet (e, es­pe­ci­al­men­te, das redes soci­ais) foi pro­jec­ta­da no mun­do re­al dos mu­seus, das bi­bli­o­te­cas, da es­fe­ra pú­bli­ca. A ar­te, re­du­zi­da a pu­ros con­teú­dos e re­pre­sen­ta­ções, sub­trai-se à con­di­ção ar­tís­ti­ca. Pa­ra es­ta ma­nei­ra pu­ri­ta­na de olhar, a Ma­ri­a­na da Re­pú­bli­ca fran­ce­sa é co­mo uma pu­ta que se exi­be no bor­del; e as fi­gu­ras dos ne­gros bem do­ta­dos das fotos de Map­plethor­pe são me­ras re­a­li­za­ções de um ima­gi­ná­rio por­no­grá­fi­co, obs­ce­no, que ne­nhu­ma ou­tra di­men­são vem res­ga­tar. Não é que a ar­te — e es­pe­ci­al­men­te a ar­te con­tem­po­râ­nea — não pos­sa in­cor­po­rar a por­no­gra­fia e re­jei­tar até a re­den­ção do por­no­grá­fi­co pe­lo eró­ti­co, que cor­res­pon­de­ria sem­pre a uma ma­no­bra ide­a­lis­ta. Mas por mais crua que se­ja uma obra de ar­te, a sua obs­ce­ni­da­de im­pli­ca um pac­to com o es­pec­ta­dor que não é o das ima­gens pa­ra con­su­mo por­no­grá­fi­co. En­tre elas e o es­pec­ta­dor há um fil­tro, um se­gun­do grau. Elas so­li­ci­tam-nos de ou­tra ma­nei­ra, por mais que pa­re­çam exac­ta­men­te iguais às ima­gens da ico­no­gra­fia por­no­grá­fi­ca de uso cor­ren­te. Mui­tos dos equí­vo­cos da ati­tu­de cen­só­ria que pra­ti­ca uma ra­su­ra ce­ga co­me­çam aqui. A ques­tão de mo­ral aca­ba por ser tam­bém uma ques­tão es­té­ti­ca.

Ro­land Barthes es­cre­veu uma vez que os maus es­cri­to­res in­cor­rem no er­ro de pen­sar que bas­ta di­zer mer­da pa­ra que um chei­ro nau­se­a­bun­do che­gue às na­ri­nas do lei­tor. Ora, não é na­da dis­so que se pas­sa: po­de-se es­cre­ver mer­da mui­tas ve­zes sem que o tex­to mer­di­fi­que. Os guar­diães des­te no­vo pu­ri­ta­nis­mo não per­ce­bem na­da dis­to e fun­ci­o­nam co­mo as or­dens de blo­que­a­men­to de sites nos com­pu­ta­do­res: vai tudo a ei­to. Na ver­da­de, po­de­mos ho­je des­cor­ti­nar uma re­tro­ac­ção do mun­do vir­tu­al so­bre o mun­do re­al. As­sim, es­te no­vo pu­ri­ta­nis­mo não po­de ser des­li­ga­do do mun­do dos al­go­rit­mos, do mun­do da in­dús­tria de con­teú­dos, is­to é, do mun­do on­de só há con­teú­dos sem for­ma. As fotos de Map­plethor­pe são, aliás, um bom exem­plo do que es­tou a di­zer. Elas são tão con­for­mes a uma es­té­ti­ca apo­lí­nea, o fil­tro do es­te­ti­cis­mo é tão for­te, ne­las, que até ape­te­ce di­zer que Map­plethor­pe era uma pu­ri­ta­no. Um pu­ri­ta­no da for­ma. Fos­se ele um pou­co mais di­o­ni­sía­co e as per­ver­sões es­có­pi­cas dos no­vos pu­ri­ta­nos sai­ri­am der­ro­ta­das. Ou en­tão, vi­si­tan­do o Mu­seu de Ser­ral­ves, man­da­ri­am co­lo­car um avi­so de in­ter­di­ção a me­no­res na ex­po­si­ção ao la­do, de Pe­dro Cos­ta, um di­o­ni­sía­co que nos faz tre­mer até aos fun­da­men­tos.

Por An­tó­nio Guer­rei­ro

A fi­gu­ra da li­ber­da­de, do qua­dro de De­la­croix, avan­çan­do de pei­tos des­co­ber­tos, quan­do trans­pos­ta pa­ra o uni­ver­so pro­fa­no e in­di­fe­ren­ci­a­do da internet é ape­nas uma mu­lher de ma­mas à mos­tra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.