Trans­for­mar o quar­to nu

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Nu­no Crespo

EO fer­ro de Rui Cha­fes ver­sus o bron­ze e o ges­so de Al­ber­to Gi­a­co­met­ti; a li­su­ra das su­per­fí­ci­ci­es ver­sus a ru­go­si­da­de; as abs­trac­ções de cor­pos e lu­ga­res ver­sus a ten­são fi­gu­ra­ti­va. Afi­nal, uma afi­ni­da­de pro­fun­da, in­tuiu a pro­pos­ta de uma ex­po­si­ção em Pa­ris.

sta ex­po­si­ção, Gris, Vi­de, Cris, na de­le­ga­ção de Pa­ris da Fun­da­ção Gul­ben­ki­an, par­tiu de uma in­tui­ção cu­ra­to­ri­al de He­le­na de Frei­tas que per­ce­beu exis­ti­rem pro­fun­das afi­ni­da­des en­tre as obras dos es­cul­to­res Al­ber­to Gi­a­co­met­ti (19011966) e Rui Cha­fes (n. 1966). E é uma in­tui­ção por­que não há en­tre es­tes dois ar­tis­tas re­la­ções cri­ti­ca e ca­no­ni­ca­men­te es­ta­be­le­ci­das. São de mun­dos ge­o­grá­fi­ca, cro­no­ló­gi­ca e ar­tis­ti­ca­men­te dis­tan­tes e ana­cró­ni­cos, não fre­quen­ta­ram as mes­mas es­co­las e não par­ti­lham có­di­gos for­mais ou ma­te­ri­ais: o fer­ro de Cha­fes ver­sus o bron­ze e o ges­so de Gi­a­co­met­ti; a li­su­ra das su­per­fí­ci­ci­es ver­sus a ru­go­si­da­de; as abs­trac­ções de cor­pos e lu­ga­res ver­sus a ten­são per­ma­nen­te­men­te fi­gu­ra­ti­va do se­gun­do. Uma re­la­ção qua­se de an­ta­go­nis­mo que po­de­ria co­lo­car os dois ar­tis­tas em cam­pos es­cul­tó­ri­cos opos­tos. Mas, co­mo tão bem per­ce­beu He­le­na de Frei­tas, a afi­ni­da­de ocor­re a um ní­vel mais pro­fun­do on­de já não se po­de fa­lar de for­ma, fi­gu­ra ou ma­té­ria, mas se tor­na ne­ces­sá­rio re­cor­rer a um ou­tro ti­po de vo­ca­bu­lá­rio que di­ga do apa­re­cer do mun­do e da exis­tên­cia das coi­sas e fa­le acer­ca da imen­sa comunidade dos mor­tos a qu­em to­da a obra de ar­te se des­ti­na. Pa­ra Cha­fes, con­for­me es­cre­veu em 1998 num tex­to in­ti­tu­la­do Tal­vez, o ca­mi­nho de Gi­a­co­met­ti é de ne­ga­ção, re­du­ção, aus­te­ri­da­de, as­ce­tis­mo o qual re­sul­ta, ain­da se­gun­do as su­as pa­la­vras tão pre­ci­sas, na apre­sen­ta­ção de um tes­te- mu­nho do Ho­mem des­pro­vi­do de qu­a­li­da­de in­di­vi­du­ais, o Ho­mem tor­na­do lo­cal, lu­gar, es­pa­ço. O Ho­mem des­truí­do, es­bu­ra­ca­do, dis­se­ca­do, exau­ri­do.

Idei­as que não só ser­vem pa­ra des­cre­ver a obra do es­cul­tor suí­ço, mas ca­rac­te­ri­zam de mo­do pro­fun­do a obra dos dois ar­tis­tas e que le­va­ram a jun­tar num mes­mo tem­po, num mes­mo es­pa­ço e nu­ma mes­ma ex­pe­ri­ên­cia, as du­as obras: Gris, Vi­de, Cris [cin­za, va­zio, gri­tos] é uma pro­pos­ta a qua­tro mãos fei­ta na de­le­ga­ção de Pa­ris da Fun­da­ção Gul­ben­ki­an com o apoio da Fon­da­ti­on Gi­a­co­met­ti.

Se a ex­pe­ri­ên­cia da ne­ga­ção e do va­zio é um ele­men­to co­mum, tam­bém exis­te um mo­de­lo de tra­ba­lho se­me­lhan­te a am­bos: o tra­ba­lho so­li­tá­rio de Gi­a­co­met­ti no es­tú­dio é tam­bém a for­ma de Cha­fes tra­ba­lhar, afir­ma, dis­tan­ci­an­do-se das idei­as con­tem­po­râ­ne­as de pro­du­ção ar­tís­ti­ca e ten­tan­do re­gres­sar à so­li­dão, à ma­nu­a­li­da­de co­mo ele­men­tos es­sen­ci­ais na cons­tru­ção da obra de ar­te.

Pa­ra o es­cul­tor por­tu­guês a pro­pos­ta que lhe foi fei­ta, a qual nun­ca pen­sou po­der tor­nar-se pos­sí­vel, trans­for­mou-se na am­bi­ção de, so­bre­tu­do, dar a ver Gi­a­co­met­ti. Tra­tou-se de, com hu­mil­da­de, mos­trar aque­las es­cul­tu­ras nas con­di­ções em que nun­ca fo­ram vis­tas e ten­do o cui­da­do de não so­bre­por os seus tra­ba­lhos aos de­le. Tra­tou-se, es­sen­ci­al­men­te, de uma re­la­ção de cui­da­do.

Da­qui re­sul­tou uma ex­po­si­ção ex­cep­ci­o­nal e sin­gu­lar on­de ve­mos as obras de Gi­a­co­met­ti, fei­tas mai­o­ri­ta­ri­a­men­te nos úl­ti­mos quin­ze anos da sua vi­da, a par­tir de uma po­si­ção pou­co usu­al: li­vres de plin­tos, vi­dros de cam­pâ­nu­las, lu­zes di­ri­gi­das, en­ce­na­ções mu­se­o­grá­fi­cas, li­vres das vi­tri­nes que en­ca­dei­am e ce­gam o es­pec­ta­dor e o con­de­nam a uma po­si­ção de dis­tân­cia fa­ce aos se­res que são as obras de ar­te. E é ex­cep­ci­o­nal tam­bém por­que a re­la­ção de pro­xi­mi­da­de pro­pos­ta por Cha­fes com os se­res es­gui­os, fu­gi­di­os e ima­te­ri­ais de Gi­a­co­met­ti se ins­cre­ve nu­ma ló­gi­ca de cri­a­ção de um dis­po­si­ti­vo es­cul­tó­ri­co que nos per­mi­te ex­pe­ri­men­tar di­rec­ta e pro­xi­ma­men­te as fi­gu­ras de Gi­a­co­met­ti.

Trans­for­mar o es­pa­ço

Ge­net, no li­vro O es­tú­dio de Al­ber­to Gi­a­co­met­ti, re­la­ta um diá­lo­go que te­ve com o es­cul­tor en­quan­to lhe lia pas­sa­gens do li­vro que es­cre­veu so­bre ele:

“É pre­ci­so co­ra­ção for­te pa­ra ter uma das su­as es­tá­tu­as em ca­sa.

ELE: Por quê? / He­si­to em res­pon­der. A mi­nha fra­se vai fa­zê-lo tro­çar de mim. EU: Uma de su­as es­tá­tu­as num quar­to, e o quar­to vi­ra um templo.”

Nes­ta ex­po­si­ção é co­mo se Cha­fes ti­ves­se per­ce­bi­do que é es­ta a me­ta­mor­fo­se que as obras de ar­te ope­ram no es­pa­ço mun­da­no: trans­for­mam o es­pa­ço quo­ti­di­a­no e in­di­fe­ren­ci­a­do do dia-a-dia num templo. Cla­ro que es­ta me­ta­mor­fo­se es­pa­ci­al tem con­sequên­ci­as no tem­po. Des­ta for­ma, é o con­ti­nuo do es­pa­ço e do tem­po que se vê per­tur­ba­do e trans­for­ma­do atra­vés da ac­ção da ar­te.

To­dos os ges­tos ma­te­ri­a­li­za­dos Gris, Vi­de, Cris

De Al­ber­to Gi­a­co­met­ti e Rui Cha­fes

Cu­ra­do­ria: He­le­na de Frei­tas

Fun­da­ção Ca­lous­te Gul­ben­ki­an Pa­ris. Até 16 de De­zem­bro

Pa­ra Cha­fes a pro­pos­ta trans­for­mou-se na am­bi­ção de dar a ver Gi­a­co­met­ti. De, com hu­mil­da­de, mos­trar aque­las es­cul­tu­ras nas con­di­ções em que nun­ca fo­ram vis­tas e ten­do o cui­da­do de não so­bre­por os seus tra­ba­lhos aos de­le. Tra­tou-se de uma re­la­ção de cui­da­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.