Pa­ra le­gi­ti­mar a fú­ria da clas­se ope­rá­ria

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Com Em Guer­ra, Stépha­ne Bri­zé re­en­con­tra Vin­cent Lin­don co­mo efí­gíe das clas­ses po­pu­la­res, do ope­ra­ri­a­do, do mun­do dos as­sa­la­ri­a­dos, num fil­me que tam­bém por is­so se li­ga mui­to di­rec­ta­men­te a A Lei do Mer­ca­do (2015), quan­do a co­la­bo­ra­ção en­tre os dois, ac­tor e re­a­li­za­dor, “ex­plo­diu” de­ci­di­da­men­te. Em Guer­ra mer­gu­lha no uni­ver­so la­bo­ral con­tem­po­râ­neo: uma fá­bri­ca, que até dá lu­cros e não tem pro­ble­ma de te­sou­ra­ria pre­men­te, cor­re o ris­co de fe­char, e os em­pre­ga­dos se­rem des­pe­di­dos, por­que a ad­mi­nis­tra­ção pen­sa em trans­fe­rir a ope­ra­ção pa­ra um mun­do de mão de obra mais ba­ra­ta, no Les­te eu­ro­peu. O que o fil­me faz é en­ce­nar os múl­ti­plos ple­ná­ri­os e reu­niões, en­tre tra­ba­lha­do­res e pa­trões, en­tre tra­ba­lha­do­res e tra­ba­lha­do­res, em lon­gos de­ba­tes que pa­re­cem es­tar sem­pre a ba­ter con­tra a pa­re­de de uma cau­sa per­di­da — até por­que, co­mo diz Bri­zé ao Íp­si­lon, atin­giu­se o pon­to mais bá­si­co das lu­tas ope­rá­ri­as: “Não se lu­ta por me­lho­res sa­lá­ri­os, nem por me­lho­res con­di­ções de tra­ba­lho, mas ape­nas pa­ra con­ser­var o em­pre­go”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.