“A úni­ca coi­sa que po­de­mos fa­zer é lu­tar”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Jor­ge Mou­ri­nha

ste é um fil­me so­bre o pas­sa­do, so­bre o pre­sen­te e so­bre o fu­tu­ro.” É as­sim que Sér­gio Tréfaut (n. 1965), do­cu­men­ta­ris­ta acla­ma­do ( Lis­bo­e­tas, Alen­te­jo, Alen­te­jo) e ex-di­rec­tor do Do­clis­boa, des­cre­ve a sua se­gun­da lon­ga-me­tra­gem de fic­ção (oi­ta­va, ao to­do, nu­ma car­rei­ra de 25 anos). Es­ta se­ma­na nas sa­las, Rai­va é uma adap­ta­ção de Se­a­ra de Ven­to, de Manuel da Fon­se­ca (19111993), so­bre a tra­gé­dia da po­bre­za no Alen­te­jo dos anos 1950: a his­tó­ria de An­tó­nio Pal­ma, um ho­mem bar­ra­do de tra­ba­lhar pe­lo la­ti­fun­diá­rio lo­cal, que não se ver­ga à in­jus­ti­ça, e das con­sequên­ci­as do seu or­gu­lho e da sua rai­va.

É le­gí­ti­mo co­me­çar por iden­ti­fi­car Rai­va com as pre­o­cu­pa­ções hu­ma­nis­tas e soci­ais do neo-re­a­lis­mo, e so­bre­tu­do com o neo-re­a­lis­mo por­tu­guês, cor­ren­te na qual Manuel da Fon­se­ca foi in­te­gra­do — mas Tréfaut re­cu­sa-se ter­mi­nan­te­men­te a “en­ga­ve­tar” o fil­me tão sin­ge­la­men­te. “Se­a­ra de Ven­to é um gran­de ro­man­ce es­cri­to no pre­sen­te ci­ne­ma­to­grá­fi­co,” ex­pli­ca o re­a­li­za­dor, ao lon­go de uma tro­ca de men­sa­gens e e-mails re­a­li­za­das du­ran­te a sua es­ta­dia no Bra­sil pa­ra acom­pa­nhar a es­treia lo­cal de Rai­va. Tréfaut des­co­briu o li­vro, pu­bli­ca­do em 1958 e ins­pi­ra­do num ca­so ve­rí­di­co ocor­ri­do em Be­ja em 1933, en­quan­to pre­pa­ra­va o seu do­cu­men­tá­rio so­bre o can­te alen­te­ja­no ( Alen­te­jo, Alen­te­jo, 2014), e de­fi­ne-o co­mo “ob­vi­a­men­te um li­vro com en­re­do pa­ra ci­ne­ma” (re­cor­da que o pró­prio es­cri­tor che­gou a tra­ba­lhar nu­ma adap­ta­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca que nun­ca se con­cre­ti­zou).

“Se­a­ra de Ven­to é um li­vro ma­la­ma­do, ou fo­ra dos câ­no­nes, no uni­ver­so neo-re­a­lis­ta da épo­ca,” co­mo diz o ci­ne­as­ta. “O seu he­rói, em vez de se trans­for­mar num mi­li­tan­te clan­des­ti­no, o que acon­te­ce qua­se sem­pre [por exem­plo] em Jor­ge Ama­do, é um he­rói so­li­tá­rio, um lo­nely cow­boy, sur­do à cri­a­ção de um mo­vi­men­to clan­des­ti­no or­ga­ni­za­do. E na mi­nha ver­são, Pal­ma, além de so­li­tá­rio, na­da tem de he­rói. Não é um he­rói, nem um már­tir pa­ra o fu­tu­ro. Nes­te fil­me, um mor­to é um mor­to.”

É es­sa re­cu­sa de ide­a­lis­mo que jus­ti­fi­ca a op­ção for­mal pe­la fo­to­gra­fia a pre­to e branco (tra­ba­lho as­som­bro­so de Acá­cio de Al­mei­da). “A lei­tu­ra que fa­ço ho­je do ide­a­lis­mo po­lí­ti­co já não tem ne­nhum ro­man­tis­mo,” ex­pli­ca Tréfaut. “Não há no fil­me ne­nhu­ma mú­si­ca, nem pos­sí­vel pro­ces­so de iden­ti­fi­ca­ção pa­ra tor­nar épi­ca a his­tó­ria, não há ca­tar­se. Aqui­lo que fi­ca é o re­tra­to de uma in­jus­ti­ça e de um abu­so so­ci­al que se per­pe­tu­am ao lon­go dos sé­cu­los.” Ci­ta uma cu­ri­o­sa re­ac­ção de um dos res­pon­sá­veis da Quin­ze­na de Re­a­li­za­do­res de Can­nes, quan­do Rai­va lhes foi apre­sen­ta­do (sem ser se­lec­ci­o­na­do): “Per­gun­tou-nos por­que é que não fiz uma adap­ta­ção aos tem­pos mo­der­nos. Não fiz por­que a mim não me in­te­res­sa. Por­que é de­ma­si­a­do fá­cil fa­zer to­dos os pa­ra­le­los. Por­que me in­te­res­sa fa­lar de for­ma qua­se con­cep­tu­al de um pas­sa­do e re­pre­sen­tá­lo de for­ma qua­se in­tem­po­ral.”

Uma in­tem­po­ra­li­da­de ma­ni­fes­ta­da nas re­fe­rên­ci­as ci­né­fi­las que Tréfaut evo­ca pa­ra Rai­va, que na­da têm a ver com o neo-re­a­lis­mo clás­si­co, mas atra­ves­sam ge­ra­ções e mo­vi­men­tos: o “po­e­ma fíl­mi­co” so­vié­ti­co Ter­ra, de Alek­san­der Dovzhen­ko (1930); Vidas Se­cas de Nelson Pe­rei­ra dos San­tos (1963), um dos fil­mes se­mi­nais do Ci­ne­ma No­vo bra­si­lei­ro; e The Night of Coun­ting the Ye­ars (1969), do egíp­cio Sha­di Ab­del Sa­lem. E Dreyer, Bres­son, Berg­man, Ros­sel­li­ni, John Ford, Glau­ber Ro­cha, no­mes que fo­ram vin­do à ca­be­ça du­ran­te a pro­jec­ção do fil­me? “Des­ses ci­ne­as­tas aque­les que mais ve­zes vi e re­vi são Dreyer e Berg­man,” res­pon­de o re­a­li­za­dor — são aliás du­as das pre­sen­ças mais evi­den­tes, no mo­do co­mo Tréfaut fil­ma (qua­se co­mo uma mu­lher-már­tir) a per­so­na­gem de Le­o­nor Sil­vei­ra, ou co­mo o pre­to e branco pa­re­ce ab­sor­ver a al­ma do fil­me. “Mas des­sa lis­ta não cons­tam os meus dois ci­ne­as­tas pre­fe­ri­dos, que amo pe­la for­ma co­mo são vis­ce- rais e in­te­li­gen­tes: Luís Buñu­el e Pi­er Pa­o­lo Pa­so­li­ni. E Mur­nau, cla­ro.”

Se­rá des­se la­do ci­né­fi­lo que vem o for­ma­lis­mo de Rai­va - pro­lon­gan­do o tra­ba­lho al­ta­men­te es­ti­li­za­do da sua pri­mei­ra fic­ção, Vi­a­gem a Por­tu­gal (2011), e do fil­me-en­saio Tre­blin­ka (2016)? “Eu nun­ca es­tu­dei ci­ne­ma. A mi­nha pri­mei­ra von­ta­de de fa­zer fil­mes cor­res­pon­dia a uma von­ta­de de co­mu­ni­car,” ex­pli­ca. “Eu via fil­mes, lia li­vros, via ex­po­si­ções, mas não pen­sa­va o ci­ne­ma co­mo al­guém que es­tu­dou ci­ne­ma. De­pois, a par­tir de Lis­bo­e­tas [2004], ten­tei co­me­çar a pen­sar mais ci­ne­ma. Foi o meu pri­mei­ro fil­me a es­tre­ar em sa­las. A for­ça des­se tra­ba­lho não es­ta­va na for­ma, mas já era di­fe­ren­te dos tra­ba­lhos an­te­ri­o­res. Com o tem­po, o meu pen­sar ci­ne­ma pas­sou a ser mais im­por­tan­te, mais ri­go­ro­so.”

É as­sim que Sér­gio Tréfaut, o do­cu­men­ta­ris­ta de Lis­bo­e­tas e Alen­te­jo, Alen­te­jo, fa­la so­bre a sua no­va in­cur­são na fic­ção: Rai­va, adap­ta­ção de Se­a­ra de Ven­to de Manuel da Fon­se­ca, re­cu­sa os ide­a­lis­mos ro­mân­ti­cos e usa a rai­va co­mo ba­se pa­ra a re­vol­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.