A his­tó­ria ofi­ci­al

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Nem Ra­mi Ma­lek con­se­gue fin­gir que é Fred­die Mer­cury, nem Bohe­mi­an Rhap­sody quer fa­zer mais do que con­tar a ver­são ofi­ci­al da his­tó­ria dos Qu­e­en. Mais va­lia fi­car em ca­sa com os dis­cos. Jor­ge Mou­ri­nha

Bohe­mi­an Rhap­sody

Bohe­mi­an Rhap­sody

De Bryan Sin­ger e Dexter Flet­cher, Com Ra­mi Ma­lek, Lucy Boyn­ton, Gwilym Lee Re­su­mi­da­men­te: es­te mui­to fa­la­do bi­o­pic de Fred­die Mer­cury, vo­ca­lis­ta dos Qu­e­en, é a “ver­são ofi­ci­al” da his­tó­ria do can­tor fei­ta com a su­per­vi­são e par­ti­ci­pa­ção dos so­bre­vi­ven­tes (um dos pro­du­to­res é Jim Be­a­ch, ma­na­ger de lon­ga da­ta do gru­po; o gui­tar­ris­ta Bri­an May e o ba­te­ris­ta Ro­ger Tay­lor su­per­vi­si­o­na­ram a ban­da-so­no­ra e fo­ram con­sul­to­res no pla­te­au). Não in­te­res­sa gran­de­men­te o que se pos­sa achar do fil­me, por­que o es­ta­tu­to mí­ti­co que o can­tor dos Qu­e­en ga­nhou ain­da em vi­da, bem co­mo a po­pu­la­ri­da­de continuada do gru­po, ga­ran­tem que Bohe­mi­an Rhap­sody vai ser um êxi­to co­los­sal.

Va­le, no en­tan­to, a pe­na olhar pa­ra es­te ob­jec­to “de es­tú­dio” pe­la cu­ri­o­si­da­de de ser um “fil­me sem au­tor”. Sa­cha Ba­ron Cohen, aliás Ali G e Bo­rat, foi ori­gi­nal­men­te es­ca­la­do pa­ra in­ter­pre­tar Mer­cury; ain­da an­tes da ro­da­gem, ba­teu com a por­ta por “di­ver­gên­ci­as cri­a­ti­vas” com os ele­men­tos da ban­da, subs­ti­tuí­do pe­lo ame­ri­ca­no Ra­mi Ma­lek (da sé­rie Mr. Robot). Bohe­mi­an Rhap­sody co­me­çou a ser ro­da­do por Bryan Sin­ger, re­a­li­za­dor de Os Sus­pei­tos do Cos­tu­me e dos pri­mei­ros X-Men; a meio das fil­ma­gens, foi des­pe­di­do pe­lo es­tú­dio e foi o ac­tor bri­tâ­ni­co Dexter Flet­cher a ter­mi­nar o fil­me (em­bo­ra a ar­bi­tra­gem le­gal co­lo­que o no­me de Sin­ger co­mo úni­co re­a­li­za­dor). Is­to faz de Bohe­mi­an Rhap­sody o mais re­cen­te pro­du­to de uma lon­ga tra­di­ção de ob­jec­tos in­dus­tri­ais on­de não in­te­res­sa qu­em fez o quê des­de que o re­sul­ta­do se cin­ja às exi­gên­ci­as da pro­du­ção (que, co­mo já per­ce­be­mos, ape­nas es­tá in­te­res­sa­da em per­pe­tu­ar o mi­to). Es­sa di­men­são de ano­ni­ma­to cum­pri­dor, fun­ci­o­nal, cor­rec­to, dá-se mal com a his­tó­ria de um out­si­der em bus­ca de uma iden­ti­da­de, fi­lho de in­di­a­nos nas­ci­do em Zan­zi­bar, que se tor­nou fa­mo­so à fren­te de um gru­po que se tor­nou nu­ma das mai­o­res ban­das do mun­do con­tra to­das as evi­dên­ci­as.

E Ra­mi Ma­lek no meio dis­to tudo? Há que sau­dar a sua en­tre­ga ao pa­pel, o mo­do co­mo apa­nha os mo­vi­men­tos, a po­se, de Mer­cury (so­bre­tu­do em pal­co), mas a ver­da­de é que, dos qua­tro ac­to­res que in­ter­pre­tam os Qu­e­en, Ma­lek é o que me­nos pa­re­cen­ças tem com o ori­gi­nal. Tal­vez por is­so te­mos sem­pre a sen­sa­ção de es­tar a ver um ac­tor em es­for­ço, e a mos­trar es­se es­for­ço, nu­ma mi­me­ti­za­ção tra­ba­lha­da e com­pe­ten­te. Não é Fred­die Mer­cury que ve­mos, é Ra­mi Ma­lek a es­for­çar-se pa­ra ser Fred­die Mer­cury, e apre­ci­a­mos o es­for­ço. E é só: Bohe­mi­an Rhap­sody fi­ca-se pe­la ce­le­bra­ção ha­gi­o­grá­fi­ca e fa­mi­li­ar de uma fi­gu­ra mai­or que a vi­da, que se con­ten­ta em con­tar o que já sa­bía­mos ao som de mú­si­ca que to­dos co­nhe­ce­mos de trás pa­ra a fren­te. Pa­ra is­so fi­cá­va­mos em ca­sa com os dis­cos.

Mo­o­re, qua­se pa­ter­na­lis­ta, fil­man­do pa­ra um “es­pec­ta­dor mé­dio ame­ri­ca­no” não ex­ces­si­va­men­te in­for­ma­do

Bohe­mi­an Rhap­sody fi­ca-se pe­la ce­le­bra­ção ha­gi­o­grá­fi­ca e fa­mi­li­ar de uma fi­gu­ra mai­or que a vi­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.