De ma­ni­cu­re ac­ti­vis­ta a “pu­ti­nha ter­ro­ris­ta”, Lyz Pa­ray­zo faz ar­te de guer­ri­lha atra­vés do cor­po

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Ma­ri­a­na Du­ar­te

Já in­va­diu ex­po­si­ções, já foi cen­su­ra­da, já pas­sou por im­por­tan­tes ins­ti­tui­ções das ar­tes do Bra­sil.

É um dos no­mes mais en­tu­si­as­man­tes e de­sa­fi­a­do­res de uma no­va ge­ra­ção de ar­tis­tas bra­si­lei­ros — va­mos vê-la no Maus Há­bi­tos a par­tir de dia 15, na ex­po­si­ção co­lec­ti­va Ador­no Po­lí­ti­co.

Lyz Pa­ray­zo não pe­diu li­cen­ça pa­ra en­trar no cir­cui­to ar­tís­ti­co bra­si­lei­ro. Co­me­çou o seu per­cur­so a in­va­dir ex­po­si­ções da Es­co­la de Ar­tes Vi­su­ais do Par­que La­ge, no Rio de Ja­nei­ro, on­de es­tu­da­va, com “tra­ba­lhos­sur­pre­sa” e ac­ções per­for­ma­ti­vas cen­tra­das no seu cor­po. Tra­çou “um pla­no de guer­ri­lha”. Na pri­mei­ra in­ter­ven­ção, Se­ca­gem Rá­pi­da (2015), co­lou nu­ma ca­sa de ba­nho fo­to­gra­fi­as do seu ânus es­ti­ca­do pe­las su­as mãos, com unhas pin­ta­das de cor­de-ro­sa. Foi cen­su­ra­da. Ao se­gun­do tra­ba­lho, des­pe­di­ram-na do car­go de edu­ca­do­ra. Ao ter­cei­ro, des­li­ga­ram as lu­zes a meio da per­for­man­ce. Ame­a­ça­ram-na de expulsão. En­tre­tan­to, co­me­çou a ser con­vi­da­da pa­ra mos­trar os seus pro­jec­tos em ga­le­ri­as e mu­seus. No ano pas­sa­do, participou na mui­to fa­la­da (e mui­to polémica) ex­po­si­ção co­lec­ti­va His­tó­ri­as da Se­xu­a­li­da­de, no Mu­seu de Ar­te de São Pau­lo As­sis Cha­te­au­bri­and (MASP). É das pou­cas ar­tis­tas trans­gé­ne­ro pre­sen­tes em co­lec­ções de mu­seus bra­si­lei­ros: es­tá no Mu­seu de Ar­te Con­tem­po­râ­nea de Ni­te­rói e no Mu­seu de Ar­te do Rio.

Sem in­va­sões, va­mos po­der ver Lyz Pa­ray­zo (n.1994) na ex­po­si­ção Ador­no Po­lí­ti­co, de 15 de No­vem­bro a 20 de Ja­nei­ro no Maus Há­bi­tos, no Por­to — apre­sen­ta-se tam­bém com uma per­for­man­ce, Ma­ni­cu­re Po­lí­ti­ca, na noi­te de inau­gu­ra­ção, e uma pa­les­tra, A Vê­nus de Cor, no dia 17, se­gui­da da exi­bi­ção do mi­ni­do­cu­men­tá­rio Pa­ray­zo. Com cu­ra­do­ria de Ta­les Frey, Ador­no Po­lí­ti­co reú­ne obras de ar­tis­tas bra­si­lei­ros de di­fe­ren­tes ge­ra­ções, abran­gen­do os ter­ri­tó­ri­os da per­for­man­ce, body art, ví­deo, fo­to­gra­fia. Es­tão aqui vá­ri­os “lu­ga­res de fa­la” e “sin­gu­la­ri­da­des di­ver­sas”, no­ta o cu­ra­dor. Nes­te “gru­po he­te­ro­gé­neo”, o que li­ga os ar­tis­tas são os seus cor­pos e exis­tên­ci­as fo­ra da norma; cor­pos his­to­ri­ca­men­te su­bal­ter­ni­za­dos na es­fe­ra po­lí­ti­ca, so­ci­al, ar­tís­ti­ca.

Ques­tões re­la­ci­o­na­das com o se­xis­mo, o ra­cis­mo, a LGBT­fo­bia e as he­ran­ças da co­lo­ni­za­ção atra­ves­sam es­ta ex­po­si­ção — e são te­mas in­dis­so­ciá­veis da prá­ti­ca ar­tís­ti­ca mi­li­tan­te de Lyz Pa­ray­zo. “O meu tra­ba­lho co­me­çou num lu­gar de ac­ti­vis­mo, mas co­mo es­tu­da­va nu­ma es­co­la de ar­te, o ac­ti­vis­mo ga­nhou um ca­rác­ter ar­tís­ti­co”, ex­pli­ca. A par da per­for­man­ce, tem vin­do a tra­ba­lhar com ob­jec­tos es­cul­tó­ri­cos a que cha­ma de “jóias bé­li­cas”, e atra­vés das quais en­saia “ex­ten­sões” do seu cor­po. O cor­po, es­se, es­tá sem­pre lá. É uma “ques­tão de so­bre­vi­vên­cia”. “Ain­da não con­se­gui fa­zer um tra­ba­lho sem co­lo­car o meu cor­po ne­le por­que es­tou num lu­gar de ur­gên­cia. O meu tra­ba­lho

“Ain­da não con­se­gui fa­zer um tra­ba­lho sem co­lo­car o meu cor­po ne­le por­que es­tou num lu­gar de ur­gên­cia. O meu tra­ba­lho es­tá mui­to li­ga­do à mi­nha vi­da. Fa­ço por­que pre­ci­so de fa­zer”

es­tá mui­to li­ga­do à mi­nha vi­da. Fa­ço por­que pre­ci­so de fa­zer.”

Pes­soa trans não-bi­ná­ria, cri­a­da nu­ma fa­mí­lia po­bre, co­me­çou a in­va­dir inau­gu­ra­ções de ex­po­si­ções no Par­que La­ge — que in­te­gra­vam obras de alu­nos mas tam­bém de ar­tis­tas con­sa­gra­dos — co­mo uma for­ma de se “po­si­ci­o­nar po­li­ti­ca­men­te” den­tro de um es­pa­ço, fí­si­co e sim­bó­li­co, que ex­cluía iden­ti­da­des co­mo a dela. Uma des­sas per­for­man­ces-pro­tes­to foi EAV AVE YZO, ma­te­ri­a­li­za­da nu­ma fan­zi­ne em que cri­ti­ca­va me­di­das da ad­mi­nis­tra­ção da es­co­la, co­mo a cri­a­ção de uma can­ti­na gour­met com pre­ços na­da aces­sí­veis pa­ra es­tu­dan­tes de clas­ses mais bai­xas. Em có­pi­as do me­nu da can­ti­na, en­tre a bar­ri­ga de por­co co­zi­da len­ta­men­te com sál­via, o en­trecô­te gre­lha­do no sal gros­so com man­tei­ga béar­nai­se e ba­ta­tas rús­ti­cas ou o ga­le­to no li­mão si­ci­li­a­no, Lyz ca­rim­bou a pa­la­vra “fome”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.