Uma com­pe­ti­ção de fil­mes ím­pa­res

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

O acon­te­ci­men­to des­ta com­pe­ti­ção é uma segunda

obra, de Bi Gan. Há um con­sa­gra­do, Ch­ris­ti­an Pet­zold,

que, num fil­me co­ra­jo­so, se põe a jei­to pa­ra os mal-

-en­ten­di­dos. Ethan Haw­ke co­mo­ve. A com­pe­ti­ção

do LEFFEST é uma mis­tu­ra se­du­to­ra­men­te he­te­ró­cli­ta

Os on­ze fil­mes que in­te­gram a sec­ção com­pe­ti­ti­va do LEFFEST com­põem uma mis­tu­ra se­du­to­ra­men­te he­te­ró­cli­ta, quer na ori­gem das obras se­lec­ci­o­na­das (va­mos dos EUA ao Ca­za­quis­tão), quer no “diá­lo­go” en­tre re­a­li­za­do­res de ge­ra­ções di­fe­ren­tes, uns já “con­sa­gra­dos” e com lon­gos per­cur­sos, ou­tros ain­da no prin­cí­pio, e fi­nal­men­te, co­mo se­ria o re­sul­ta­do ób­vio des­ta com­bi­na­ção, na pró­pria na­tu­re­za dos fil­mes a apre­sen­tar — dá von­ta­de de di­zer que não há “re­dun­dân­ci­as”, e que to­dos fa­zem, nes­te con­tex­to fi­gu­ra de fil­mes “im­pa­res” (não con­tan­do com os três tí­tu­los que não pu­de­mos ver an­te­ci­pa­da­men­te, e que adi­an­te men­ci­o­na­re­mos).

Ím­par é, cer­ta­men­te, Long Day’s Jour­ney In­to the Night, se­gun­do fil­me de um re­a­li­za­dor chi­nês de 29 anos, Bi Gan (Mo­nu­men­tal, dia 21 às 18h, e dia 22 às 15h30). O tí­tu­lo in­ter­na­ci­o­nal pe­de em­pres­ta­do o no­me de uma pe­ça de Eu­ge­ne O’Neill, mas o tí­tu­lo ori­gi­nal em man­da­rim sig­ni­fi­ca, ao que po­de­mos sa­ber, al­go co­mo Úl­ti­mas Noi­tes na Ter­ra — que é um tí­tu­lo que, por sua vez, faz pen­sar no Fer­ra­ra de 4.44 — Last Day on Earth. E to­das es­tas re­fe­rên­ci­as, to­ma­das à le­tra ou em sen­ti­do fi­gu­ra­do, pa­re­cem es­tra­nha­men­te vir a pro­pó­si­to. É um fil­me dum lon­go flu­xo, en­tre a vi­gí­lia e o so­nho, en­tre a so­bri­e­da­de e a alu­ci­na­ção, a fa­zer vé­ni­as a um es­pí­ri­to de noir mul­ti­co­lo­ri­do en­quan­to se­gue as de­am­bu­la­ções do pro­ta­go­nis­ta mas­cu­li­no, às vol­tas com fan­tas­mas do seu pas­sa­do (mu­lhe­res, ho­mens), pe­los bares, vi­e­las e bas­fonds, sem­pre noc­tur­nos, de uma ci­da­de (Kai­li) no sul da Chi­na. Bi Gan vem da Chi­na Popular mas o seu fil­me pa­re­ce inun­da­do da lan­gui­dez de Taiwan — a hu­mi­da­de quen­te de Tsai Ming-li­ang, o en­le­vo qua­se ro­mân­ti­co (há vá­ri­os nú­me­ros mu­si­cais, mui­to cro­o­ning chi­nês) de Hou Hsi­ao-Hsi­en. Bi

Gan, em en­tre­vis­tas e con­fe­rên­ci­as de im­pren­sa, a pro­pó­si­to de in­fluên­ci­as, fa­lou de um cocktail sin­gu­lar: Dan­te, Cha­gall e Billy Wil­der, e mais uma vez tu­do is­to, bem vis­tas as coi­sas, não é dis­pa­ra­ta­do (nem a re­fe­rên­cia a Wil­der, se pen­sar­mos em Marlene Di­e­tri­ch lan­ça­da nas rui­nas de Ber­lim em A Fo­reign Af­fair). Há tour de for­ce, e bas­tan­te ori­gi­nal: a meio, o pro­ta­go­nis­ta en­tra nu­ma sa­la de ci­ne­ma pa­ra ver um fil­me 3D e o es­pec­ta­dor é con­vi­da­do, nes­sa al­tu­ra, a pôr os ócu­los; e, co­mo se cru­zas­se um por­tal qual­quer pa­ra den­tro da men­te do pro­ta­go­nis­ta, a ho­ra fi­nal do fil­me pra­ti­ca­men­te se con­ver­te num lon­go pla­no-sequên­cia, experiência “sen­so­ri­al” fei­ta de coi­sas mui­to ma­te­ri­ais (até um jo­go de ping pong, por exem­plo). É um fil­me, mais do que pa­ra a “sus­pen­são da des­cren­ça”, pa­ra a “sus­pen­são do jui­zo” — avan­ça­mos por aque­le am­bi­en­te ter­ri­vel­men­te “at­mos­fé­ri­co” e go­za­mos o pas­seio. Só de­pois co­me­ça­mos a pen­sar so­bre o que é que, exac­ta­men­te, acon­te­ceu aqui. Boa sen­sa­ção, e sen­sa­ção ra­ra. A res­pei­to de des­co­ber­tas, Bi Gan se­rá o prin­ci­pal acon­te­ci­men­to des­ta com­pe­ti­ção.

De­pois há um “con­sa­gra­do”, que nos úl­ti­mos anos se tor­nou co­nhe­ci­do dos por­tu­gue­ses, e que tam­bém pro­põe um exer­cí­cio de “va­ci­la­ção” ple­no de pe­cu­li­a­ri­da­des. Fa­la­mos de Ch­ris­ti­an Pet­zold, de qu­em ve­re­mos Tran­sit (Mo­nu­men­tal, 20, 18h, e dia 23 às 21h45). É uma sequên­cia pa­ra o pre­ce­den­te Pho­e­nix, que lan­ça­va Ni­na Hoss nas ruí­nas da Ale­ma­nha do pós-gu­er­ra (co­mo a Di­e­tri­ch de Wil­der, já que fa­lá­mos de­la). Aqui não há Ni­na Hoss (pe­la pri­mei­ra vez em mui­tos anos Pet­zold não fil­ma com a sua ac­triz re­cor­ren­te), nem a Ale­ma­nha, mas há o Sul de Fran­ça, Mar­se­lha, e uma his­tó­ria da II Gu­er­ra (adap­ta­da de um ro­man­ce de An­na Seghers, publicado em 1942, so­bre um fu­gi­ti­vo dos cam­pos de con­cen­tra­ção que ten­ta con­se­guir pas­sa­gem pa­ra o por­to de abri­go dos EUA). Sin­gu­la­ri­da­de “con­cep­tu­al” do fil­me: Pet­zold não faz um fil­me de épo­ca, con­ta uma his­tó­ria da II Gu­er­ra com ves­tuá­ri­os e lu­ga­res mo­der­nos, e a “men­sa­gem” é evi­den­te no seu sen­ti­do po­lí­ti­co, tal­vez até um na­di­nha de­ma­si­a­do, qu­an­do en­qua­dra­do pe­ran­te esta Eu­ro­pa de re­ac­ci­o­na­ris­mos ga­lo­pan­tes.

de fil­mes ím­pa­res. Por Luís Mi­guel Oli­vei­ra

Uma ac­triz, um dé­cor te­a­tral vi­ra­do do aves­so pe­la ima­gi­na­ção (e até lu­xú­ria) da câ­ma­ra e da luz de Jú­lio Bres­sa­ne: A Se­du­ção da Car­ne

Um fil­me dum lon­go flu­xo, en­tre a vi­gí­lia e o so­nho, en­tre a so­bri­e­da­de e a alu­ci­na­ção: Long Day’s Jour­ney In­to the Night, de Bi Gan

Um exer­cí­cio de “va­ci­la­ção” ple­no de pe­cu­li­a­ri­da­des: Ch­ris­ti­an Pet­zold, Tran­sit

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.