As me­lo­di­as de Mar­ce­lo Ca­me­lo são coi­sa de or­ques­tra

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Gon­ça­lo Fro­ta

Sem­pre o co­nhe­ce­mos co­mo ins­pi­ra­do es­cri­tor de can­ções. Ago­ra, o mú­si­co bra­si­lei­ro es­treia-se co­mo com­po­si­tor sin­fó­ni­co. Pri­mi­ti­va, pe­ça evo­ca­do­ra do ro­man­tis­mo, aí es­tá a fa­zer as apre­sen­ta­ço­es.

Não é ra­ro ou­vir de um mú­si­co a con­fis­são de que a che­ga­da de um be­bé aos seus bra­ços te­ve im­pli­ca­ções di­rec­tas no pe­río­do cri­a­ti­vo que se se­guiu. Mui­tas ve­zes, por ques­tões de or­dem emi­nen­te­men­te prá­ti­ca: qu­an­do se adormece uma pe­que­na bom­ba de cho­ro com pul­mão de can­tor de ópe­ra, os ins­tru­men­tos não de­mo­ram a per­ce­ber que têm de al­ca­ti­far as no­tas, a voz can­ta­da apren­de à pri­mei­ra que de­ve ra­sar o si­lên­cio pa­ra o bem de am­bos. E, por is­so, é bas­tan­te ha­bi­tu­al a des­ci­da drás­ti­ca de de­ci­béis nas cri­a­ções se­guin­tes, de­cor­ren­te não ape­nas do em­be­ve­ci­men­to por um pe­que­no ser — es­se es­ta­do des­lum­bra­do tam­bém não se coí­be de apa­re­cer na mú­si­ca —, mas so­bre­tu­do em dí­vi­da pa­ra com o jus­to des­can­so das du­as par­tes.

O que é ra­ro — se­não úni­co — é que al­guém que te­nha pas­sa­do a sua vi­da ar­tís­ti­ca a es­cre­ver can­ções, al­gu­mas de­las já tan­gen­tes ao si­lên­cio, por ve­zes de uma can­du­ra que só po­de do­mar ener­gi­as e de uma be­le­za que sus­pen­de, por mo­men­tos, as ame­a­ças do mun­do lá fo­ra, en­ca­re a paternidade co­mo um con­vi­te a en­cos­tar o vi­o­lão a um can­to e a ele­ger co­mo pro­jec­to pa­ra os dois anos se­guin­tes a es­cri­ta de uma sin­fo­nia. Mas foi mes­mo is­so que acon­te­ceu com o mú­si­co bra­si­lei­ro Mar­ce­lo Ca­me­lo, membro dos in­ter­mi­ten­tes Los Her­ma­nos e au­tor de dois so­ber­bos ál­buns a so­lo ( Sou/Nós e To­que De­la). Se a ideia soa meio lou­ca, é por­que não há co­mo ne­gar o qua­se de­lí­rio do ges­to — a tí­pi­ca ideia me­ga­ló­ma­na que, re­gra ge­ral, per­de qual­quer ra­zo­a­bi­li­da­de após uma noi­te de so­no (mes­mo que mal dor­mi­da).

Em ri­gor, po­de­mos rec­ti­fi­car e pre­ci­sar que o vi­o­lão não foi en­cos­ta­do à pa­re­de; an­tes ser­viu pa­ra te­cer nas su­as cor­das as me­lo­di­as que, mui­tos me­ses de­pois, vi­ri­am a ser pas­sa­das pa­ra os vá­ri­os nai­pes de uma or­ques­tra. Mas foi o nas­ci­men­to, em Por­tu­gal, da sua fi­lha com a can­to­ra Mal­lu Ma­ga­lhães, a em­pur­rar Mar­ce­lo Ca­me­lo na di­rec­ção de uma experiência to­tal­men­te no­va na sua car­rei­ra. Im­pe­li­do an­tes de mais, re­ve­la o mú­si­co ao Íp­si­lon, pe­la “ideia de não vi­a­jar, pe­la ne­ces­si­da­de de es­tar em ca­sa, dis­po­ní­vel pa­ra to­dos os as­pec­tos [da no­va vi­da a três]”. “Ha­via es­se can­sa­ço de já ter vi­a­ja­do du­ran­te mui­tos anos e fi­quei pen­san­do co­mo é que po­dia fa­zer um dis­co que não sig­ni­fi­cas­se uma tour­née nes­te mo­men­to da mi­nha vi­da.” E foi as­sim que, sem se dar tem­po pa­ra gran­des he­si­ta­ções, co­me­çou a “com­por mui­to em ca­sa, no so­fá, com a te­le­vi­são li­ga­da”. “De­pois a par­te da or­ques­tra­ção é que exi­giu uma imer­são um pou­co mai­or.”

An­tes de ini­ci­ar es­sa vi­da re­gra­da de com­po­si­tor ao ser­vi­ço da mú­si­ca es­cri­ta, que lhe per­mi­tiu apro­xi­mar­se da “vi­da nor­mal da mai­o­ria das pes­so­as” gra­ças ao cum­pri­men­to de uma ro­ti­na — “Sem­pre an­si­ei por es­sa or­ga­ni­za­ção de po­der acor­dar to­dos os di­as e ter um cer­to ho­rá­rio pa­ra fa­zer um de­ter­mi­na­do tra­ba­lho”, con­fes­sa —, Mar­ce­lo Ca­me­lo ain­da pro­du­ziu os mais re­cen­tes ál­buns de Mal­lu e de Mo­mo, bem co­mo um dis­co em re­gis­to fa­mi­li­ar as­si­na­do por Ana Ca­me­lo em par­ce­ria com Luis Otá­vio (mãe e tio do mú­si­co). Ao lon­go des­se pe­río­do em que se per­mi­tiu ain­da dis­per­sar a aten­ção por pro­jec­tos alhei­os, Mar­ce­lo ia ama­du­re­cen­do a ideia es­pa­ven­to­sa de com­por uma sin­fo­nia, tão mais es­pa­ven­to­sa quan­to até en­tão a sua experiência era sim­ples­men­te a de ser co-au­tor de ar­ran­jos de me­tais pa­ra os dis­cos dos Los Her­ma­nos. For­ma­ção em mú­si­ca es­cri­ta: ne­nhu­ma. Experiência em or­ques­tra­ção: ze­ro. Mas is­so não o de­te­ve.

Aqui­lo que fez foi ape­tre­char-se com qua­tro fer­ra­men­tas fun­da­men­tais: fez um cur­so de com­po­si­ção e or­ques­tra­ção online, pa­ra se fa­mi- li­a­ri­zar com a lin­gua­gem e apren­der acer­ca das “es­pe­ci­fi­ci­da­des da es­cri­ta” dos vá­ri­os ins­tru­men­tos; ex­pe­ri­men­tou vá­ri­os softwa­res de com­po­si­ção até en­con­trar aque­le que me­lhor se ade­qua­va às su­as ne­ces­si­da­des de ini­ci­a­do; ou­viu mi­lhen­tas sin­fo­ni­as, ana­li­san­do a es­tru­tu­ra das pe­ças e per­ce­ben­do a lin­gua­gem com que se iden­ti­fi­ca­va de for­ma mais fla­gran­te; e, por fim, a no­ção pes­so­al de que ca­da ál­bum obe­de­ce a um pro­ces­so de apren­di­za­gem. “Ser ar­tis­ta é uma pro­fis­são em que qu­em ar­ris­ca e qu­em es­tá em con­tac­to com aqui­lo que nun­ca fez de­via ser re­gra”, diz. “Não me atrai mui­to a ideia de acertar aqui­lo que já acer­tei, is­so só ser­ve pa­ra mos­trar ‘Olha co­mo eu acer­tei!’. Acho que aqui­lo que me mo­ve a fa­zer é a jor­na­da de apren­di­za­gem. É re­con­for­tan­te es­sa ideia de que se es­tá a ga­nhar al­gum co­nhe­ci­men­to en­quan­to se cria al­gu­ma coi­sa. Is­so é fun­da­men­tal pa­ra mim.”

Mú­si­co ro­mân­ti­co

An­tes de avan­çar pa­ra a com­po­si­ção de Pri­mi­ti­va — a pri­mei­ra obra or­ques­tral de Mar­ce­lo Ca­me­lo, dis­po­ní­vel na ín­te­gra esta sexta-fei­ra no YouTu­be (ou­tras pla­ta­for­mas se se­gui­rão) —, Mar­ce­lo já vi­nha “pa­que­ran­do a mú­si­ca sin­fó­ni­ca há al­gum

“Não me atrai mui­to a ideia de acertar aqui­lo que já acer­tei, is­so só ser­ve pa­ra mos­trar ‘Olha co­mo eu acer­tei!’. Acho que aqui­lo que me mo­ve a fa­zer é a jor­na­da de apren­di­za­gem”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.