Ro­mân­ti­cos de to­do o mun­do: vêm aí The Sa­xopho­nes

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Ví­tor Be­lan­ci­a­no

Lan­ça­ram o ál­bum de es­treia há um par de me­ses e des­te en­tão o cul­to tem-se alas­tra­do. Na pró­xi­ma se­ma­na, o ca­sal Ale­xi e Alison vai es­tar no Por­to e em Lis­boa pa­ra ex­por a sua mú­si­ca ín­ti­ma, va­ga­ro­sa e so­nha­do­ra e mui­tos sus­pi­ros pro­me­tem ser li­ber­ta­dos.

Oque é ser ro­mân­ti­co ho­je? “Só pos­so res­pon­der por mim e sem cer­te­zas”, de­fen­de-se ele, pa­ra de se­gui­da ar­ris­car: “Tal­vez se­ja olhar pa­ra o amor não co­mo um acon­te­ci­men­to mas co­mo um ca­mi­nho, al­go que nos fa­ça acre­di­tar que, in­di­vi­du­al ou co­lec­ti­va­men­te, por mais pro­ble­mas que te­nha­mos no ime­di­a­to é pos­sí­vel su­pe­rá-los des­de que as­su­ma­mos tam­bém os con­fli­tos e não nos es­con­da­mos de nós pró­pri­os.”

Di-lo Ale­xi Eren­kov, voz e gui­tar­ra dos The Sa­xopho­nes. O ou­tro membro do duo é a es­po­sa, a ba­te­ris­ta e can­to­ra Alison Al­der­di­ce. Em Ju­nho lan­ça­ram Songs Of The Sa­xopho­nes, da­que­les re­gis­tos que se foi pro­pa­gan­do len­ta­men­te, tor­nan­do- se num ob­jec­to de cul­to atra­vés do bo­ca-a-bo­ca vi­ral. Mú­si­ca ro­mân­ti­ca e vo­lup­tu­o­sa pa­ra voz tão gra­ve quan­to frá­gil, gui­tar­ra, per­cus­são sub­til e am­bi­en­tes lím­pi­dos, uma pop de câ­ma­ra mi­ni­ma­lis­ta, com os olhos chei­os de do­çu­ra, com­pai­xão e nos­tal­gia por aqui­lo que não se vi­veu ain­da, se­ja no pas­sa­do ou no fu­tu­ro.

E as le­tras? “A mai­o­ria das can­ções dis­cor­re so­bre re­la­ci­o­na­men­tos no abs­trac­to — ape­sar da mi­nha re­la­ção com Alison tam­bém lá es­tar ine­vi­ta­vel­men­te ins­cri­ta — atra­vés dos trau­mas, di­fi­cul­da­des e in­cer­te­zas, mas tam­bém dos afec­tos ca­lo­ro­sos e da es­pe­ran­ça. Por ve­zes de­vol­vem-me que se tra­ta de um dis­co me­lan­có­li­co. Não pa­ra mim. Pa­ra mim é so­bre cres­ci­men­to e a pos­si­bi­li­da­de que ca­da um gu­ar­da pa­ra se trans­for­mar.”

É mú­si­ca que ape­te­ce dan­çar len­ta­men­te a dois, com man­chas da pop so­nha­do­ra dos anos 1950, do es­ti­lo exó­ti­ca co­mo ele foi de­fi­ni­do por Mar­tin Denny, do jazz mais clás­si­co, da folk mais lu­mi­no­sa ou da bos­sa no­va mais acin­zen­ta­da, tu­do is­to con­ta­mi­na­do pe­los am­bi­en­tes mis­te­ri­o­sos de Da­vid Lyn­ch co­mo ele os transpôs pa­ra a sé­rie Twin Pe­aks. É esta du­pla que irá es­tar na pró­xi­ma se­ma­na, pe­la pri­mei­ra vez, em Por­tu­gal — a 22 de No­vem­bro no Hard Club do Por­to e, a 24, no con­tex­to do festival Su­per Bock em Stock, no ci­ne­ma São Jor­ge em Lis­boa.

Ape­sar de só es­te ano te­rem lan­ça­do o ál­bum de es­treia, o pro­jec­to já exis­te na ca­be­ça de Ale­xi há dez anos. De­pois de ter com­ple­ta­do es­tu­dos de jazz na uni­ver­si­da­de, on­de apren­deu a to­car sa­xo­fo­ne, cla­ri­ne­te ou flau­ta, mas on­de o for­ma­lis­mo que en­con­trou não o con­ven­ceu a se­guir es­se ca­mi­nho, co­me­çou a to­car gui­tar­ra e a can­tar, ou­vin­do Da­ni­el Johns­ton, Roy Or­bin­son ou Le­o­nard Cohen. “De­pois de anos pre­so a te­o­ri­as foi mui­to li­ber­ta­dor co­me­çar a com­por de for­ma to­tal­men­te di­ver­sa.” Às tan­tas sen­tiu que ne­ces­si­ta­va de al­guém a acom­pa­nhá-lo e a mu­lher foi o seu pri­mei­ro pen­sa­men­to. “O fac­tor mais im­por­tan­te pa­ra tra­ba­lhar bem com al­guém é o afec­to e co­me­cei a pen­sar: qu­em é que amo nes­te mun­do?”, diz por en­tre ri­sos, “e o no­me da mi­nha mu­lher sur­giu lo­go, até por­que sem-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.