Do Bra­sil a um acon­che­go cha­ma­do fa­do

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Nu­no Pa­che­co

sair de ca­sa. Eu es­ta­va na ida­de em que que­ria ir ao shop­ping com as mi­nhas ami­gas, beber um ca­fé à esquina, e o meu pai con­cluiu que as­sim não iria dar. Fi­ca­ram as mi­nhas ti­as à fren­te de em­pre­sa e o meu pai op­tou por vir pa­ra Por­tu­gal.” Mas des­ta vez o em­pre­go foi ou­tro: nu­ma ca­sa de fa­dos, co­mo gui­tar­ris­ta. Por­que já no Bra­sil, por in­fluên­cia do avô, o fa­do en­tra­ra nas su­as vi­das. “Ele é que le­vou o fa­do lá pa­ra ca­sa. E o meu pai, por in­te­res­se, ia mui­to com ele às co­mu­ni­da­des por­tu­gue­sas em São Pau­lo e apren­deu a to­car gui­tar­ra por­tu­gue­sa.”

A re­la­ção de Ma­ria Emí­lia com o fa­do co­me­çou no Bra­sil. Na Al­fa­ma dos Ma­ri­nhei­ros. “Era uma ca­sa de fa­do na Rua Pam­plo­na, mes­mo no cen­tro da ci­da­de de São Pau­lo, na zo­na mais chi­que. O do­no era um por­tu­guês, o se­nhor Je­ró­ni­mo Go­mes, e a pri­mei­ra vez que can­tei fa­do foi lá. Eu ou­via fa­dos no car­ro e em ca­sa, mas só ia pa­ra os fa­dos por­que gos­ta­va mui­to da co­mi­da que lá ha­via: ba­ca­lhau com na­tas, ovos mo­les. Ia com o meu pai, e co­mo sa­bia tu­do de cor, can­ta­ro­la­va nas me­sas. Uma noi­te, de­via es­tar mui­to bem-dis­pos­ta, pe­di pa­ra can­tar uma qua­dra­zi­nha à des­gar­ra­da. E as­sim co­me­çou.”

Ga­ro­ta de seis anos, achou “graça às pal­mas” e pou­co mais. O pai é que achou que ela “era afi­na­di­nha” e decidiu apri­mo­rar-lhe os do­tes. “Ele ou­via mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ho­mens, Car­los Zel, Ma­nu­el de Al­mei­da, mas nes­sa al­tu­ra co­me­çou a com­prar mais dis­cos com se­nho­ras a can­tar.” Só que em vez de lhe com­prar dis­cos de Amá­lia, com­pra­va-lhe dis­cos de Be­a­triz da Con­cei­ção, Fer­nan­da Ma­ria, Hermínia Sil­va. E as­sim fez a sua for­ma­ção. “Foi o meu pai que me in­cu­tiu es­se le­que de fa­dis­tas. Mas o pri­mei­ro tema que can­tei já em Por­tu­gal, com 12 anos, foi da Amá­lia: os Ca­ra­cóis. Era o que eu con­se­guia per­ce­ber com aque­la ida­de. Não me ia pôr a can­tar: ‘Meu cor­po, é um bar­co sem ter por­to’.”

Foi ain­da no Bra­sil, e com o seu pai, que Wan­der­ley se ini­ci­ou na gui­tar­ra por­tu­gue­sa e nas ca­sas de fa­do. O pai, avô de Ma­ria Emí­lia, en­tre­tan­to mor­reu, mas a li­ga­ção aos fa­dos con­ti­nu­ou. E em Por­tu­gal ele co­me­çou por to­car na Ti­póia, ca­sa que já não exis­te. À noi­te to­ca­va lá e de ma­dru­ga­da to­ca­va no Ne­lo. A fi­lha, Ma­ria Emí­lia, foi-lhe se­guin­do os pas­sos nes­sa aven­tu­ra. “Um ani­nho ou dois mais tar­de”, lem­bra ela. Com uma his­tó­ria cu­ri­o­sa. “O meu pai ti­nha um ca­sa­co em ca­sa que ti­nha o chei­ro de­le, mis­tu­ra de ta­ba­co e do per­fu­me que usa­va. Eu ado­ra­va aque­le ca­sa­co, so­bre­tu­do por­que ti­nha mo­e­das lá den­tro. Co­mo ti­nha 13, 14 anos, e co­me­ça­ra a fu­mar, pen­sei que ele não ia dar por is­so por­que tam­bém fu­ma­va. E ti­ra­va-lhe mo­e­das do ca­sa­co pa­ra ir com­prar ta­ba­co. Cla­ro que ele da­va por fal­ta das mo­e­das. Até um be­lo dia em que eu ia a sair de ca­sa, já ti­nha um pé fo­ra e ou­tro den­tro, ele diz-me: ‘ Vais com­prar ta­ba­co?’ Olhei pa­ra trás e dis­se: ‘Vou’. ‘En­tão vais e vol­tas aqui pa­ra fa­lar com o teu pai.’” Não lhe deu ne­nhum ser­mão mas dis­se-lhe is­to: “O ta­ba­co faz mal. O pai não te vai di­zer pa­ra não fu­ma­res, por­que o pai fu­ma e is­so era hi­po­cri­sia. Mas ta­ba­co é lu­xo. Qu­e­res fu­mar? En­tão vais tra­ba­lhar. Faz o fa­vor de apren­der 15 fa­dos que pa­ra a se­ma­na vais tra­ba­lhar com o pai na Ti­póia.”

Ou­viu três li­ções: “O ta­ba­co faz mal; rou­bar es­tá er­ra­do; e tens de ga­nhar o teu di­nhei­ro.” A pri­mei­ra noi­te na Ti­póia, diz, “foi in­crí­vel mas as­sus­ta­do­ra. An­tes ha­via o cui­da­do de che­gar à ca­sa de fa­dos e per­gun­tar à se­nho­ra do­na [fa­dis­ta ve­te­ra­na da ca­sa], acho que era Ma­ria Jo­sé de Me­lo: ‘te­nho aqui es­tes fa­dos com es­tas le­tras; gos­ta­ria de sa­ber se can­ta al­guns des­tes te­mas, que é pa­ra eu sa­ber o que pos­so can­tar.’” Ele ris­cou­lhe um tema: o Fa­do Al­fa­ci­nha. “De­pois dis­se-me: ‘Tam­bém can­to mais al­guns. Mas can­ta.’ E can­tei.” Com mui­tos ner­vos. “Tre­mia co­mo va­ras ver­des. Pri­mei­ro por­que o meu pai, que es­ta­va lá a to­car, era o meu mai­or crí­ti­co. Mas o pú­bli­co ado­rou, as pes­so­as gos­ta­ram mui­to.”

Ori­gi­nais e clás­si­cos

Ma­ria Emí­lia foi, de­pois, so­man­do pre­sen­ças em ca­sas de fa­do. Tan­tas que o seu dis­co de es­treia aca­bou por cha­mar-se Ca­sa de Fa­do. “Acho que a úni­ca ca­sa de fa­do do Bair­ro Al­to on­de não can­tei foi n’A Se­ve­ra, de res­to can­tei em to­das.” Nu­ma de­las, o For­ca­do, gra­vou aos 15 anos um dis­co por su­ges­tão do do­no da ca­sa, Os Fa­dos Que Tra­go. Mas es­se dis­co, vis­to à dis­tân­cia e da­das as cir­cuns­tân­ci­as em que sur­giu, não con­ta pa­ra a sua car­rei­ra dis­co­grá­fi­ca. Que co­me­ça ago­ra, com Ca­sa de Fa­do, dis­co já pen­sa­do por ela. “Mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, as es­co­lhas são mi­nhas. Mas ti­ve aju­da do pro­du­tor, Car­los Ma­nu­el Pro­en­ça. Es­ti­ve­mos mui­to em sin­to­nia, os dois.”

O dis­co tem vá­ri­os fa­dos tra­di­ci­o­nais com le­tras ori­gi­nais (Lin­da Le­o­nar­do, Cá­tia de Oli­vei­ra, Má­rio Raí­nho, Nu­no Mi­guel Gu­e­des) e ver­sões de fa­dos clás­si­cos (e até mar­chas) que fi­ze­ram his­tó­ria na voz de Amá­lia, Be­a­triz da Con­cei­ção ou Ani­ta Guerreiro. Ma­ria Emí­lia de­fen­de-os com uma voz lím­pi­da, de lai­vos cas­ti­ços, com um es­ti­lar que ga­nha­rá com o ama­du­re­ci­men­to mas já im­pres­si­o­na em pas­sa­gens dig­nas de nota, co­mo no fa­do Mui­to em­bo­ra o que­rer bem.

No dis­co há, a par dos mui­tos fa­dos, du­as can­ções: De vol­ta pa­ra o meu acon­che­go, co­nhe­ci­do clás­si­co bra­si­lei­ro de Do­min­gui­nhos e Nan­do Cor­del, que ela can­ta mui­to bem em por­tu­guês do Bra­sil, acom­pa­nha­da ao pi­a­no por Fi­li­pe Ra­po­so (au­tor dos ar­ran­jos des­te tema) e Mi­nha paz, ori­gi­nal que o bra­si­lei­ro Edu Kri­e­ger es­cre­veu a pe­di­do de­la. Ca­sa de Fa­do vai ser apre­sen­ta­do ao vi­vo dia 30 em Lis­boa, no Ti­vo­li BBVA, às 21h30.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.