Os cor­pos de Né Bar­ros es­tão pron­tos pa­ra a re­vo­lu­ção

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

São to­das iguais, as ima­gens das re­vo­lu­ções. Ra­su­ra­dos os ros­tos, as rou­pas e os pen­te­a­dos, des­fo­ca­das as ban­dei­ras e as fai­xas com pa­la­vras de or­dem, des­vin­cu­la­das de tu­do o que lhes dá um aqui e um ago­ra (o le­trei­ro da lei­ta­ria à di­rei­ta, o Ci­troën 2 CV vi­ra­do ao con­trá­rio, a es­pes­su­ra da ne­ve acu­mu­la­da no pas­seio ou do ge­lo a flu­tu­ar no rio, a man­che­te do jor­nal que de­cla­ra, con­su­man­do o an­ti­clí­max: “De Gaul­le: Je res­te. Je gar­de Pom­pi­dou”), na­da a não ser cor­pos em po­si­ção de ata­que, cor­pos em po­si­ção de de­fe­sa, cor­pos tur­bi­na­dos pe­la ur­gên­cia de fa­zer o pos­sí­vel e o im­pos­sí­vel.

Eis uma ma­nei­ra de ler uma ico­no­gra­fia com cen­te­nas de anos, tal­vez mes­mo a úni­ca ma­nei­ra de a ler quan­do se tem a dan­ça co­mo cam­po de tra­ba­lho e de in­ter­ven­ção: “O cor­po dan­çan­te é um ter­ri­tó­rio ide­al pa­ra a me­ta­mor­fo­se, pa­ra a re­vo­lu­ção cons­tan­te”, diz Né Bar­ros a pro­pó­si­to da pe­ça que es­tre­ou há uma se­ma­na no Teatro Mu­ni­ci­pal do Por­to e que es­ta sex­ta-fei­ra apre­sen­ta na Ca­sa da Cul­tu­ra de Ílha­vo. Sin­cro­ni­za­da com o pro­gra­ma de in­ves­ti­ga­ção so­bre o Maio de 68 que o Gru­po de Es­té­ti­ca, Po­lí­ti­ca e Co­nhe­ci­men­to do Ins­ti­tu­to de Fi­lo­so­fia da Uni­ver­si­da­de do Por­to de­sen­ca­de­ou pa­ra si­na­li­zar os 50 anos do Maio de 68 (que são tam­bém os 50 anos de ou­tras pe­ças fun­da­men­tais des­sa ico­no­gra­fia: a Pri­ma­ve­ra de Pra­ga e o apo­geu do mo­vi­men­to dos di­rei­tos ci­vis, nos Es­ta­dos Uni­dos, e da Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral, na Chi­na), Re­vo­lu­ções tem cer­ta­men­te às cos­tas o in­fin­dá­vel acer­vo de ima­gens e de pro­du­ção teó­ri­ca e his­to­ri­o­grá­fi­ca so­bre os mo­vi­men­tos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os acu­mu­la­do até ao pre­sen­te. Mas Né Bar­ros pre­ci­sou de se des­li­gar de­le pa­ra po­der tra­ba­lhar a par­tir de um ima­gi­ná­rio, não das ma­ni­fes­ta­ções con­cre­tas des­ta ou da­que­la re­vo­lu­ção, e as­sim cons­truir “um dis­po­si­ti­vo de dis­tân­cia” mul­ti­dis­ci­pli­nar (dan­ça, música, ins­ta­la­ção, ima­gem, luz, ma­qui­na­ria te­a­tral) que ca­ta­li­sa em pal­co to­do o po­ten­ci­al des­sa ideia abs­trac­ta de trans­for­ma­ção. “É qua­se uma sequên­cia ci­ne­má­ti­ca: o es­pec­tá­cu­lo dis­cor­re so­bre vá­ri­as ico­no­gra­fi­as e so­bre vá­ri­os ma­te­ri­ais as­so­ci­a­dos ao ima­gi­ná­rio da re­vo­lu­ções. Não quis tra­tar uma re­vo­lu­ção es­pe­cí­fi­ca, até por­que as re­vo­lu­ções po­dem ser mui­to di­fe­ren­tes (ín­ti­mas ou co­lec­ti­vas, pú­bli­cas ou pri­va­das, mi­cro ou ma­cro), quis tra­tar es­ta­dos de re­vo­lu­ção”, ex­pli­ca a co­reó­gra­fa.

Ape­sar da vin­cu­la­ção do es­pec­tá­cu­lo a uma efe­mé­ri­de mui­to par­ti­cu­lar, cu­jo im­pac­to na his­tó­ria ar­tís­ti­ca e cul­tu­ral da Eu­ro­pa de­mo­ra­rá pe­lo me­nos ou­tros 50 anos a des­bra­var, Re­vo­lu­ções ra­di­ca tam­bém no cor­po de tra­ba­lho que Né Bar­ros vem de­sen­vol­ven­do e nos seus te­mas-fe­ti­che da pai­sa­gem in­te­li­gen­te, da ocu­pa­ção do ter­ri­tó­rio e, so­bre­tu­do, das zo­nas de con­tac­to e de fric­ção en­tre o cor­po poé­ti­co e o cor­po po­lí­ti­co. Al­gu­res du­ran­te o pro­ces­so, con­ta ao Íp­si­lon, uma fra­se do co­lec­ti­vo in­sur­rec­ci­o­nal fran­cês Co­mi­té In­vi­si­ble in­tro­me­teu­se nas lei­tu­ras e fi­cou a re­ver­be­rar (re­ver­be­ran­do ela pró­pria o man­tra bem mais an­ti­go de Gil Scott-He­ron se­gun­do o qual a re­vo­lu­ção não pas­sa­rá na te­le­vi­são): “To­das as ra­zões pa­ra fa­zer­mos uma re­vo­lu­ção es­tão aí (...). O nau­frá­gio da po­lí­ti­ca, a ar­ro­gân­cia dos po­de­ro­sos, o rei­na­do dos fal­sos, a vul­ga­ri­da­de dos ri­cos, os ca­ta­clis­mos da in­dús­tria, a mi­sé­ria ga­lo­pan­te, a ex­plo­ra­ção, o apo­ca­lip­se eco­ló­gi­co (...). Con­tu­do, não são as ra­zões que fa­zem as re­vo­lu­ções, são os cor­pos. E os cor­pos es­tão di­an­te dos ecrãs.”

Mas tal­vez es­ta se­ja uma fra­se de­ma­si­a­do de­fi­ni­ti­va, co­mo to­das as fra­ses re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as: se cha­mar­mos pe­lo cor­po, ele vem.

Da uto­pia ao trau­ma

É mais ou me­nos as­sim que Re­vo­lu­ções co­me­ça: cin­co cor­pos são cha­ma­dos ao pal­co (“o lu­gar do tra­ba­lho”, apon­ta Né Bar­ros, mas tam­bém: o lu­gar de to­das as pos­si­bi­li­da­des, de to­das as trans­for­ma­ções), on­de um sex­to cor­po os es­pe­ra, já de fa­to­ma­ca­co, pron­to pa­ra a ac­ção. O que têm pe­la fren­te não é uma re­vo­lu­ção, são vá­ri­as, e às ve­zes ao mes­mo tem­po. Mas à me­di­da que cer­tos ges­tos icó­ni­cos dos mo­vi­men­tos de contestação, Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa à ca­be­ça, vão sen­do ac­ti­va­dos e ac­tu­a­li­za­dos (mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te “de­cla­ma­dos”), o es­pec­tá­cu­lo pas­sa da te­o­ria à prá­ti­ca, com­pon­do um ar­co, su­bli­nha­do pe­la in­ter­ven­ção em con­tí­nuo do co­lec­ti­vo de música ex­pe­ri­men­tal e elec­tró­ni­ca Ha­arvöl, que co­me­ça na uto­pia e aca­ba no trau­ma pós-re­vo­lu­ci­o­ná­rio — o cor­po de no­vo sem uni­for­me, sem ban­dei­ra, sem fi­li­a­ção ide­o­ló­gi­ca ou par­ti­dá­ria, entregue a si mes­mo.

Um fim em an­ti­clí­max, co­mo o do Maio de 68? Exac­ta­men­te o con­trá­rio dis­so: pa­ra uma co­reó­gra­fa, as re­vo­lu­ções são “ma­te­ri­al que ge­ra, que ren­de”, e o cor­po em mo­vi­men- to é “ines­go­tá­vel”. A dan­ça é em si mes­ma re­vo­lu­ci­o­ná­ria, ine­vi­ta­vel­men­te: “Tem es­sa pul­sa­ção, es­sa ló­gi­ca de in­ten­si­fi­ca­ção do ges­to, da in­ten­ção, da ve­lo­ci­da­de.” Mais do que “o ma­ni­fes­to fi­nal”, in­te­res­sou­lhe por­tan­to ir bus­car à re­vo­lu­ção, às re­vo­lu­ções, “o la­do mais pro­ces­su­al, o la­do das for­ças in­ter­nas que con­du­zem à mu­dan­ça” — que en­con­trou não ape­nas nos gran­des mo­vi­men­tos po­lí­ti­cos e so­ci­ais, mas tam­bém nas van­guar­das ar­tís­ti­cas que ao lon­go de to­do o sé­cu­lo XX pu­se­ram a música e a dan­ça a dar o seu gran­de sal­to em fren­te, e que des­pon­tam no es­pec­tá­cu­lo “em li­vres jus­ta­po­si­ções tem­po­rais e te­má­ti­cas”.

Tal co­mo a Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa e o Maio de 68, tam­bém as su­ces­si­vas rup­tu­ras a que re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os co­mo Stockhau­sen, Ber­nard Par­me­gi­a­ni, John Ca­ge e Ste­ve Rei­ch sub­me­te­ram o pa­ra­dig­ma mu­si­cal se ma­ni­fes­tam no es­pec­tá­cu­lo, mes­mo que a ban­da so­no­ra en­co­men­da­da à DI­gi­tó­pia, a pla­ta­for­ma de música di­gi­tal da Ca­sa da Música, não se li­mi­te a re­pro­du­zir os ges­tos fun­da­do­res des­ses com­po­si­to­res. Do mes­mo mo­do que os seis bai­la­ri­nos não se li­mi­tam a re­pro­du­zir os ges­tos fun­da­do­res de co­reó­gra­fos co­mo Loie Ful­ler, Martha Graham, Mer­ce Cun­ningham, Trisha Brown e Lu­cin­da Childs que Né Bar­ros quis in­cor­po­rar em Re­vo­lu­ções: aqui, a lin­gua­gem cor­po­ral é a das van­guar­das da dan­ça ame­ri­ca­na, mas tam­bém é a lin­gua­gem da rua, ve­nha ela das lu­tas es­tu­dan­tis ou das dan­ças urbanas, uma lin­gua­gem que mais dia, me­nos dia, quan­do os ecrãs se des­li­ga­rem, vol­ta­re­mos a fa­lar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.