Al­guém sou­be que Thom Yor­ke é fã de fil­mes de ter­ror

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Du­ran­te a tour­née de Ok Com­pu­ter pas­sa­va os mo­men­tos on the ro­ad a ver O Exor­cis­ta. Ago­ra lem­bra­ram-se de lhe pe­dir que com­pu­ses­se pa­ra um fil­me de ter­ror. Por He­len Bar­low

se for­mou em Ox­ford em 1985. “As ou­tras úni­cas pes­so­as que al­gu­ma vez me pe­di­ram — e cos­tu­mo rir com o meu ami­go Ed Nor­ton acer­ca dis­to — fo­ram as de Fight Club/Clu­be de Com­ba­te. Mas eu tinha ter­mi­na­do a di­gres­são do OK Com­pu­ter e não con­se­guia se­quer pen­sar di­rei­to, qu­an­to mais com­por uma ban­da so­no­ra.”

Jonny Gre­enwo­od, o gui­tar­ris­ta dos Ra­di­ohe­ad que com­põe pa­ra Paul Tho­mas An­der­son des­de Ha­ve­rá San­gue, 2007, deu-lhe con­se­lhos. “Es­sen­ci­al­men­te pas­sou o tem­po a go­zar co­mi­go por­que sa­be a ma­nei­ra co­mo fun­ci­o­no. Exis­te um grau de ca­os que me acom­pa­nha. O Jonny é mais me­tó­di­co, mas ao lon­go dos anos fui ob­ser­van­do co­mo ele fa­zia, por is­so a mo­dos que per­ce­bo — mas não to­tal­men­te. Deu-me con­se­lhos: ‘Tra­ba­lha em abs­trac­to e não tra­ba­lhes pa­ra o ecrã, por­que não es­tás ha­bi­tu­a­do a is­so.’ Tam­bém me dis­se pa­ra tra­ba­lhar com o ar­gu­men­to an­tes de me co­me­ça­rem a man­dar coi­sas e em cer­ca de três se­ma­nas ob­ti­ve a mai­or par­te das idei­as cen­trais so­bre a di­rec­ção que iria to­mar.”

Te­mas da ban­da ita­li­a­na de rock pro­gres­si­vo Go­blin des­ta­ca­vam-se no fil­me de Ar­gen­to. “Gos­to mui­to da música dos Go­blin mas não co­nhe­cia o fil­me original, por­que não sou co­nhe­ce­dor de cinema”, as­su­me Yor­ke. “Mas vi-o vá­ri­as ve­zes e tor­nou-se ób­vio que eles fi­ze­ram aqui­lo ra­pi­da­men­te e de for­ma mui­to in­ten­sa. É efec­ti­va­men­te ex­tre­ma e mui­to da­que­la épo­ca. É a nar­ra­ti­va da­que­le fil­me, que é qua­se co­mo um ví­deo de rock alon­ga­do, en­quan­to is­to que fa­ço é in­tei­ra­men­te di­fe­ren­te. De cer­ta for­ma, foi um alí­vio en­trar num mun­do com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te que o Luca es­ta­va a ten­tar cri­ar.”

Guadagnino es­cre­veu-lhe “uma car­ta mui­to sim­pá­ti­ca”. En­con­tra­ram-se em Tu­rim. “Nor­mal­men­te nes­te ti­po de con­ver­sas co­me­ço lo­go ‘ná, is­so não é a mi­nha on­da’, mas hou­ve qual­quer coi­sa na for­ma co­mo ele fa­la­va e a con­fi­an­ça que de­po­si­ta­va em mim que me fi­ze­ram pen­sar no as­sun­to.” Reu­ni­ram-se de no­vo num ca­fé em Lon­dres. “O Luca es­ta­va a fa­lar-me acer­ca de Volk [a pe­ça co­re­o­grá­fi­ca den­tro do fil­me] e dis­se-me que queria al­go mui­to sim­ples. ‘Que­ro um re­ló­gio, que­ro qual­quer coi­sa que o acom­pa­nhe.’ Mas eu tinha ou­tra ideia na ca­be­ça em ter­mos de co­mo de­ve­ria so­ar, co­mo iria pre­en­cher o es­pa­ço so­no­ro na sa­la e ca­da co­lu­na de som te­ria a pas­sar uma li­gei­ra de­ri­va­ção da ideia me­ló­di­ca. No fi­nal aca­bou por acon­te­cer is­so e o pon­to al­to ao ver o fil­me foi per­ce­ber que fi­cou co­mo eu tinha pen­sa­do que iria fi­car.”

Man­ter o pú­bli­co na ex­pec­ta­ti­va

Mu­si­cal­men­te Yor­ke não quis olhar pa­ra 1977. “Queria olhar pa­ra coi­sas an­te­ri­o­res, pa­ra o

Krau­trock, Tan­ge­ri­ne Dre­am, coi­sas com os pri­mei­ros sin­te­ti­za­do­res. Ha­via uma li­ber­da­de e ener­gia pa­ten­tes nes­se pe­río­do.” Can­tor, com­po­si­tor e mul­ti-ins­tru­men­tis­ta, o segredo da sua car­rei­ra, su­bli­nha, é man­ter o pú­bli­co na ex­pec­ta­ti­va. “Não con­si­go fa­zer o que as pes­so­as que­rem que fa­ça. Po­de pa­re­cer uma mal­di­ção mas é uma bên­ção. En­quan­to ban­da, Ra­di­ohe­ad, não con­se­guía­mos fa­zer ape­nas o que era ne­ces­sá­rio, es­tá­va­mos sem­pre a fa­zer o que não era ne­ces­sá­rio. Fi­co ner­vo­so quan­do as coi­sas são fá­ceis. A prin­ci­pal ra­zão pa­ra ter acei­te es­te fil­me foi sair da mi­nha zo­na de con­for­to. Há uma fra­se do [Da­vid] Bowie: se es­ta­mos con­for­tá­veis com aqui­lo que fa­ze­mos, en­tão es­ta­mos no sí­tio er­ra­do. Te­mos de nos des­lo­car pa­ra um lo­cal on­de não sa­be­mos mui­to bem o que es­tá a acon­te­cer.”

Nos úl­ti­mos anos tam­bém en­con­trou uma no­va li­ber­da­de en­quan­to in­tér­pre­te. Em pal­co, num re­cen­te con­cer­to a so­lo em Mi­lão, es­ta­va vi­si­vel­men­te di­ver­ti­do. “Ac­tu­ar é ago­ra uma for­ma de ce­le­bra­ção. An­tes nun­ca es­ta­va con­for­tá­vel com a ideia de que sou um in­tér­pre­te e is­so soa a es­tu­pi­dez, mas cres­ci com um mon­te de ban­das que me pa­re­cia que iri­am re­sis­tir a is­so. E de­pois per­ce­bi que não era ver­da­de. Um dos meus mai­o­res he­róis é Mi­cha­el Sti­pe [REM] e é um in­tér­pre­te na­tu­ral em to­das as si­tu­a­ções — ele vai ado­rar-me por eu ter di­to is­to!”.

Yor­ke, ar­tis­ta a so­lo, co­mo se

Mu­si­cal­men­te não quis olhar pa­ra o fil­me de Ar­gen­to de 1977. Ins­pi­rou­se no Krau­trock, nos Tan­ge­ri­ne Dre­am, “nos pri­mei­ros sin­te­ti­za­do­res”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.