Dos Aço­res à Rús­sia, a vol­ta ao mun­do nas fic­ções do re­al

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Uma com­pe­ti­ção de pri­mei­ra água no Por­to/Post/Doc.

E, che­ga­dos a No­vem­bro, na sequên­cia da pre­sen­ça ca­da vez mais sig­ni­fi­ca­ti­va dos “cinemas do re­al” nos fes­ti­vais de ca­te­go­ria A co­mo Ber­lim, Can­nes ou Lo­car­no, de­pois do pa­no­ra­ma exaus­ti­vo do Do­clis­boa, co­mo é pos­sí­vel que a com­pe­ti­ção in­ter­na­ci­o­nal do Por­to/Post/Doc ain­da nos tra­ga sur­pre­sas e gran­des fil­mes? Não es­ta­mos ape­nas a ser re­tó­ri­cos; se é ver­da­de que o documentário é ho­je um dos ter­ri­tó­ri­os mais fer­vi­lhan­tes do cinema mo­der­no, a equi­pa de pro­gra­ma­ção do ain­da jo­vem festival por­tu­en­se con­ti­nua a en­con­trar pé­ro­las a ca­da can­to, mes­mo que is­so im­pli­que en­trar pe­los ter­re­nos es­qui­vos das “fic­ções do re­al”. A Fa­mily Tour, de Ying Li­ang (Trin­da­de, dia 26, 18h45, e Ri­vo­li, dia 28, 18h00), é um exem­plo dis­so: é uma nar­ra­ti­va que fic­ci­o­na a ex­pe­ri­ên­cia do seu re­a­li­za­dor, exi­la­do em Hong Kong de­pois da per­se­gui­ção de que foi al­vo por par­te das au­to­ri­da­des chi­ne­sas, e o re­en­con­tro pos­sí­vel com a fa­mí­lia que fi­cou pa­ra trás.

É um dos 14 fil­mes es­ca­la­dos pa­ra a mai­or com­pe­ti­ção do festival até ago­ra — o que se de­ve, se­gun­do a or­ga­ni­za­ção, pe­la von­ta­de de ter du­as longas por­tu­gue­sas a con­cur­so. Que são dois fil­mes frá­geis, de­li­ca­dos. Um já o co­nhe­ce­mos de Lo­car­no: So­bre Tu­do, So­bre Na­da, diário de uma dé­ca­da na vi­da de Dí­dio Pes­ta­na, en­ge­nhei­ro de som, mú­si­co, vi­a­jan­te (Trin­da­de, dia 28, 21h45, e Ri­vo­li, dia 30, 16h). O ou­tro é uma es­treia — Há­li­to Azul, a mais re­cen­te aven­tu­ra de Ro­dri­go Arei­as, aqui ex­plo­ran­do a po­vo­a­ção aço­ri­a­na de Ri­bei­ra Quen­te ins­pi­ra­do por Raul

Bran­dão (Trin­da­de, dia 25, 21h45, e Ri­vo­li, dia 29, 16h). A fra­gi­li­da­de do fil­me de Pes­ta­na vem do olhar a nu so­bre uma dé­ca­da da sua vi­da; a de Há­li­to Azul vem da in­de­fi­ni­ção do pro­jec­to, na sua essência um documentário so­bre a Ri­bei­ra Quen­te com “in­ter­fe­rên­ci­as” nar­ra­ti­vas, mais con­se­gui­do na ver­ten­te do­cu­men­tal do quo­ti­di­a­no in­su­lar, me­nos con­vin­cen­te nas in­crus­ta­ções en­ce­na­das.

É tam­bém is­so que o ame­ri­ca­no Ro­bert Gre­e­ne atin­ge num dos me­lho­res tí­tu­los da com­pe­ti­ção e, di­ría­mos mes­mo, do ano ci­ne­ma­to­grá­fi­co. De­pois de Ka­te Plays Ch­ris­ti­ne, pre­mi­a­do pe­lo In­di­eLis­boa em 2016, Bis­bee ‘17 (Trin­da­de, dia 25, 18h45, e Ri­vo­li, dia 27, 18h) pro­lon­ga o in­te­res­se de Gre­e­ne pe­las fron­tei­ras es­qui­vas en­tre o re­al e o fa­bri­ca­do. Em 1917, a ci­da­de mi­nei­ra de Bis­bee, no Ari­zo­na, foi lo­cal da de­por­ta­ção de um mi­lhar de mi­nei­ros, em greve pe­la me­lho­ria das su­as con­di­ções de vi­da e de tra­ba­lho. Cem anos de­pois, com a mi­na já fe­cha­da, uma co­mis­são de re­si­den­tes de­ci­de mar­car o cen­te­ná­rio do even­to. Acom­pa­nhan­do a pre­pa­ra­ção das co­me­mo­ra­ções e re­gis­tan­do as re­cons­ti­tui­ções his­tó­ri­cas, Bis­bee

‘17 con­ce­be-se co­mo uma me­di­ta­ção à vol­ta da no­ção de co­mu­ni­da­de por re­la­ção com o seu con­tex­to social — a fa­mí­lia que des­co­bre que te­ve os dois ir­mãos pa­tri­ar­cas de la­dos opos­tos da bar­ri­ca­da, os re­gis­tos que re­ve­lam co­mo a mai­o­ria dos mi­nei­ros de­por­ta­dos era imi­gran­te, uma Amé­ri­ca que não nas­ceu com Trump mas já exis­tia em 1917.

São vá­ri­os os fil­mes da com­pe­ti­ção que to­cam nas ques­tões da imi­gra­ção e da co­mu­ni­da­de. O bra­si­lei­ro Ka­rim Ai­nouz tra­ta-a em Cen­tral Air­port (Trin­da­de, dia 27, 21h45, e Ri­vo­li, dia 29, 18h): o ae­ro­por­to ber­li­nen­se de Tem­pe­lhof, por on­de pas­sa­ram Hi­tler e a pon­te aé­rea de Ber­lim, é ho­je um cen­tro de aco­lhi­men­to pa­ra re­fu­gi­a­dos, co­mu­ni­da­de à par­te den­tro de uma co­mu­ni­da­de. Em Obs­cu­ro Bar­ro­co (Trin­da­de, dia 25, 17h, e Ri­vo­li, dia 29, 14h30), a gre­ga Evan­ge­lia Kra­ni­o­ti per­cor­re o Rio de Ja­nei­ro atra­vés dos olhos da ar­tis­ta e ac­ti­vis­ta trans­gé­ne­ro Luana Mu­niz (fa­le­ci­da após a ro­da­gem do fil­me) e das pa­la­vras de Cla­ri­ce Lis­pec­tor, nu­ma ex­plo­ra­ção das co­mu­ni­da­des mar­gi­nais atra­vés da ca­pa­ci­da­de de rein­ven­ção e lu­ta dos ca­ri­o­cas. E o ga­le­go Eloy Do­mín­guez Se­rén foi a um cam­po de re­fu­gi­a­dos no de­ser­to do Sa­a­ra fil­mar Ha­ma­da (Trin­da­de, dia 25, 15h, e Ri­vo­li, dia 1, 16h): o quo­ti­di­a­no de três jo­vens sah­rawis pre­sos no meio de na­da. Fil­mar a vi­da num cam­po de re­fu­gi­a­dos po­de ra­pi­da­men­te cair num re­tra­to bem-in­ten­ci­o­na­do mas mi­se­ra­bi­lis­ta ou no pan­fle­to ac­ti­vis­ta; Se­rén não cai em ne­nhu­ma des­sas ar­ma­di­lhas, mes­mo que não es­ca­mo­teie a po­bre­za a que os sah­rawis fo­ram con­de­na­dos pe­lo seu es­ta­tu­to qua­se apá­tri­da. Ha­ma­da cons­trói­se à vol­ta de uma coi­sa tão quo­ti­di­a­na co­mo um car­ro, sím­bo­lo de uma li­ber­da­de que os jo­vens tei­mam em pro­cu­rar, apren­den­do a gui­ar, ar­ran­jan­do car­ros, pro­cu­ran­do em­pre­go ou ten­tan­do emi­grar.

Nu­ma com­pe­ti­ção tão ines­go­tá­vel, ter-se-á que fa­lar de Pu­tin’s Wit­nes­ses (Ri­vo­li, dia 26,

18h, e Trin­da­de, dia 30, 21h45)., Vi­taly Mansky, exi­la­do na Le­tó­nia des­de 2014, mer­gu­lha nos seus ar­qui­vos pa­ra re­des­co­brir ima­gens do ano 2000 - ano I da era Pu­tin. E que ima­gens: fil­ma­das du­ran­te um pe­río­do em que Mansky fez per­fis te­le­vi­si­vos de Yelt­sin, Gor­ba­chev e Pu­tin, só ago­ra mos­tra­das re­ve­lam o mo­men­to em que a Rús­sia mu­dou sem que o no­tás­se­mos, com al­go de pro­fé­ti­co do que acon­te­ce­ria nos vin­te anos en­tre­tan­to de­cor­ri­dos. Pu­tin’s Wit­nes­ses é tam­bém um mea cul­pa de Mansky atra­vés de uma voz off que ques­ti­o­na a sua con­vic­ção da­que­les tem­pos, tes­te­mu­nha cu­jo es­ta­tu­to neu­tral de ob­ser­va­dor se trans­for­mou em cúm­pli­ce da as­cen­são do pre­si­den­te rus­so.

Se Vi­taly Mansky fa­la de 2000, Ser­gei Loz­nit­sa fa­la de 2018 e das con­sequên­ci­as da as­cen­são de Pu­tin em Don­bass (Ri­vo­li, dia 26, 21h30, e Trin­da­de, dia 29, 18h45), fil­me-gé­meo da via sa­cra Uma Mu­lher Do­ce mas tam­bém da sua obra-pri­ma do­cu­men­tal Aus­ter­litz. Ins­pi­ra­do pe­las “re­pú­bli­cas po­pu­la­res” pró-rus­sas da Cri­meia e pe­la ma­ni­pu­la­ção me­diá­ti­ca rus­sa, é uma su­ces­são pro­gres­si­va­men­te mais des­con­for­tá­vel de epi­só­di­os apa­ren­te­men­te des­li­ga­dos en­tre si, de um ab­sur­do de­ses­pe­ra­do tor­na­do em hu­mor es­car­ni­nho e ne­grís­si­mo, en­tre Roy An­ders­son e Franz Kaf­ka. É um re­tra­to de uma re­a­li­da­de de­sin­te­gra­da, on­de tu­do é ver­da­dei­ro e fal­so e se tor­na im­pos­sí­vel fa­zer a distinção, com o vir­tu­o­sis­mo for­mal e a lu­ci­dez alu­ci­na­da que re­co­nhe­ce­mos ao bi­e­lo­rus­so. É coi­sa pa­ra dei­xar o es­pec­ta­dor sem fé na hu­ma­ni­da­de, mas é tam­bém o fil­me ide­al pa­ra fa­lar de “fic­ções do re­al” num tem­po em que o re­al pa­re­ce, ele pró­prio, uma fic­ção. J. M.

Bis­bee ‘17, de Ro­bert Gre­e­ne, e Obs­cu­ro Bar­ro­co, de Evan­ge­lia Kra­ni­o­ti

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.