As­som­bra­ções do Rio

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Jair Bol­so­na­ro foi elei­to três di­as an­tes do iní­cio do 20.º Festival In­ter­na­ci­o­nal do Rio. Des­te la­do do Atlân­ti­co, an­tes de par­tir, as­sis­tia a um pe­que­no fil­me de 3 mi­nu­tos que a re­a­li­za­do­ra Te­re­sa Vil­la­ver­de ro­dou no dia da elei­ção, em São Pau­lo, e lo­go dis­po­ni­bi­li­zou na sua pá­gi­na de Vi­meo. Cha­ma-se, sim­ples­men­te, Av. Pau­lis­ta 28.10.18. E tão sim­ples co­mo o tí­tu­lo é a sua es­tru­tu­ra: es­sen­ci­al­men­te um pla­no fi­xo, fron­tal, de um cin­zen­to pe­lo­tão de mi­li­ta­res que ser­vem de fun­do às su­ces­si­vas po­ses fo­to­grá­fi­cas dos apoi­an­tes do no­vo pre­si­den­te elei­to, qua­se sem­pre en­ver­gan­do a co­lo­ri­da ban­dei­ra bra­si­lei­ra. A cam­pa­nha fas­ci­zan­te de Bol­so­na­ro lo­grou apro­pri­ar-se de du­as ico­no­gra­fi­as: o fes­ti­vo uni­for­me da se­lec­ção de fu­te­bol do Bra­sil e, por ou­tro la­do, a mo­nó­to­na e escura far­da mi­li­tar. Um na­ci­o­na­lis­mo mi­li­ta­ris­ta que o tes­te­mu­nho de Vil­la­ver­de cap­ta na sua os­ten­si­va con­tra­di­ção pic­tó­ri­ca.

Es­pe­ra­va por­tan­to um país em guer­ra ci­vil, con­fron­tos na rua, co­mí­ci­os em ca­da es­qui­na. Achei que não ha­ve­ria festival, que to­das as ses­sões se­ri­am in­ter­rom­pi­das por cla­mo­res de “Ele Não!” (na ver­da­de o festival es­te­ve pa­ra não acon­te­cer mas por ques­tões de fi­nan­ci­a­men­to de­cor­ren­tes da mu­dan­ça do Pre­fei­to do Rio de Ja­nei­ro — de um par­ti­do de­mo­crá­ti­co cris­tão —, que cor­tou to­dos os apoi­os ao even­to). Mas che­go ao Rio e tu­do es­tá cal­mo, as pes­so­as to­mam cer­ve­ja nas es­pla­na­das, con­ver­sam, apa­ren­te­men­te fe­li­zes e des­con­traí­das. Ques­ti­o­no as mi­nhas no­vas ami­za­des so­bre es­te es­ta­do de coi­sas: é a res­sa­ca, res­pon­dem-me.

De­pois de uma cam­pa­nha elei­to­ral que le­van­tou que­zí­li­as an­ti­gas e fez sur­gir no­vas, que di­vi­diu fa­mí­li­as e se­pa­rou ami­gos, a von­ta­de de des­can­so e es­ca­pis­mo im­pu­se­ram­se. Is­so, mas tam­bém a cons­ci­ên­cia de que uma som­bra es­cu­re­ce tu­do e to­dos. Ao con­trá­rio do es­pe­ra­do, ne­nhum dos re­a­li­za­do­res gri­tou o que fos­se — ex­cep­ção pa­ra João Sa­la­vi­za. O no­me da bes­ta ra­ra­men­te era pro­nun­ci­a­do e to­das as pa­la­vras eram cui­da­do­sa­men­te medidas, co­mo se, mes­mo ali, nu­ma sa­la de cinema cheia de “pes­so­as da cul­tu­ra”, não se sou­bes­se exac­ta­men­te quem se tinha na fren­te. Con­vém lem­brar que, no fi­nal das con­tas, qua­se 60 mi­lhões de pes­so­as vo­ta­ram em Bol­so­na­ro.

Es­se pe­so sen­te-se por en­tre a jo­vi­a­li­da­de de quem quer, fi­nal­men­te, ver fil­mes e pen­sar nou­tras coi­sas. Um pe­so que se tra­duz na pon­de­ra­ção das pa­la­vras e no tom de voz à me­sa do jan­tar. Mas que, tam­bém é cer­to, se dis­si­pa ra­pi­da­men­te no ano­ni­ma­to de uma pla­teia de sa­la de cinema que ir­rom­pe vi­o­len­ta­men­te em aplau­sos, de­fron­te de um fil­me que aci­ca­te os seus de sen­ti­men­tos de revolta e in­dig­na­ção. Du­as cur­tas-me­tra­gens, em par­ti­cu­lar, in­vo­ca­ram as fa­tí­di­cas pa­la­vras do en­tão de­pu­ta­do Bol­so­na­ro aquan­do do im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­te Dil­ma, em que es­te lou­vou Car­los Al­ber­to Bri­lhan­te Us­tra (o pri­mei­ro mi­li­tar con­de­na­do pe­la Jus­ti­ça Bra­si­lei­ra pe­la prá­ti­ca de tor­tu­ra du­ran­te a di­ta­du­ra, em 2008): Uni­ver­so Pre­to Pa­ra­le­lo , de Ru­bens Pas­sa­ro (que re­ce­beu uma Men­ção Hon­ro­sa), e Mais Tris­te que Chu­va num Re­creio de Co­lé­gio, de Lobo Mau­ro. Em am­bas os re­a­li­za­do­res op­ta­ram por ape­nas usar a tri­lha so­no­ra des­se mo­men­to, re­ti­ran­do o cor­po à voz. E aqui co­me­ça o pro­ces­so de des­ma­te­ri­a­li­za­ção fan­tas­ma­gó­ri­ca do mal que pa­re­ce ca­rac­te­ri­zar es­te cinema “pós-gol­pe”.

O no­me de Bol­so­na­ro ra­ra­men­te foi pro­nun­ci­a­do e to­das as pa­la­vras medidas. Co­mo se, nu­ma sa­la de cinema cheia de “pes­so­as da cul­tu­ra”, não se sou­bes­se quem se tinha na fren­te. Es­se pe­so sen­tia-se por en­tre a jo­vi­a­li­da­de de quem queria, fi­nal­men­te, ver fil­mes. O Festival do Rio na res­sa­ca das elei­ções — e pe­ran­te a des­ma­te­ri­a­li­za­ção fan­tas­ma­gó­ri­ca do mal.

Um ter­ror mui­to re­cen­te

Bol­so­na­ro não é mos­tra­do, ape­nas alu­di­do, o seu no­me não é pro­nun­ci­a­do, ape­nas su­ben­ten­di­do — nos fil­mes e tam­bém nas ru­as —, e pa­re­ce que a sua fi­gu­ra se apro­xi­ma de uma qua­li­da­de ima­te­ri­al. Co­mo co­men­ta­va um ami­go de re­des so­ci­ais, so­bre es­ta ques­tão, “No ju­daís­mo, o no­me de Deus não se pro­nun­cia,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.