A his­tó­ria ve­rí­di­ca

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Com uma Rosamund Pike em gran­de for­ma, o do­cu­men­ta­ris­ta Matthew Heineman es­treia-se na fic­ção com uma biografia am­bi­ci­o­sa da re­pór­ter Ma­rie Col­vin. Jorge Mou­ri­nha

Uma Guer­ra Pes­so­al

A Pri­va­te War de Matthew Heineman com Rosamund Pike, Ja­mie Dornan, Tom Hol­lan­der Há qual­quer coi­sa de fran­ca­men­te re­fres­can­te quan­do a pri­mei­ra coi­sa que apa­re­ce no écrã num fil­me ba­se­a­do nu­ma his­tó­ria ve­rí­di­ca não é “ba­se­a­do nu­ma his­tó­ria ve­rí­di­ca”. O do­cu­men­ta­ris­ta Matthew Heineman con­fia nos seus es­pec­ta­do­res pa­ra não pre­ci­sar de lhes ex­pli­car lo­go à ca­be­ça que a sua es­treia no cinema nar­ra­ti­vo é a his­tó­ria ve­rí­di­ca da jor­na­lis­ta Ma­rie Col­vin, acla­ma­da re­pór­ter de guer­ra do Sun­day Ti­mes que mor­reu em 2012 em Homs, na Sí­ria. Até por­que Uma Guer­ra Pes­so­al, ba­se­a­do no ar­ti­go que Ma­rie Bren­ner es­cre­veu pa­ra a re­vis­ta Va­nity Fair, não é nem um documentário so­bre os con­fli­tos re­gi­o­nais das úl­ti­mas dé­ca­das nem um con­ven­ci­o­nal fil­me bi­o­grá­fi­co: é um re­tra­to de uma mu­lher cu­jo con­fron­to quo­ti­di­a­no com o mun­do lá fo­ra a con­fron­ta tam­bém con­si­go mes­ma e com op­ções de vi­da que tal­vez ela pró­pria não sai­ba ex­pli­car.

Não é im­pro­vá­vel que Heineman te­nha re­co­nhe­ci­do al­go de si pró­prio nos ris­cos cor­ri­dos por Col­vin – afi­nal, ele ar­ris­cou-se jun­to do nar­co­trá­fi­co da Amé­ri­ca La­ti­na em Car­tel Land (2015) e jun­to dos re­sis­ten­tes sí­ri­os em City of Ghosts (2017). Nem que o que lhe te­nha in­te­res­sa­do em fil­mar a re­pór­ter te­nha si­do ten­tar com­pre­en­der es­sa atrac­ção do abis­mo, al­gu­res en­tre o de­ver mo­ral de me­mó­ria, o ide­a­lis­mo ra­di­cal e a adic­ção ao pe­ri­go. Heineman não re­cor­re a psi­co­lo­gi­as ba­ra­tas, pre­fe­re ir dei­xan­do pis­tas ao lon­go do fil­me que apon­tam pos­si­bi­li­da­des – a ideia é man­ter Col­vin um ser hu­ma­no, mis­to de fra­gi­li­da­de e for­ça, co­ra­gem e te­mor. Tem a aju­da de Rosamund Pike, ac­triz ex­ce­len­te e ha­bi­tu­al­men­te su­ba­pro­vei­ta­da (mes­mo de­pois da sua no­me­a­ção pa­ra os Ós­ca­res por Em Par­te In­cer­ta), que li­te­ral­men­te ha­bi­ta a re­pór­ter ame­ri­ca­na nu­ma per­for­man­ce que nos fez pen­sar em Ca­te Blan­chett ou Meryl

Stre­ep, e que aju­da e mui­to o ci­ne­as­ta a as­si­nar um fil­me con­sis­ten­te­men­te in­te­res­san­te e in­te­li­gen­te.

Mas Uma Guer­ra Pes­so­al não dei­xa nun­ca de ser to­lhi­do pe­lo pe­so do pas­sa­do. Quer da sua per­so­na­gem, cu­ja pre­sen­ça pai­ra so­bre mui­to do jor­na­lis­mo de guer­ra e de in­ves­ti­ga­ção que se faz ho­je em dia e cu­ja re­pu­ta­ção lhe co­me­çou a pe­sar; quer do seu re­a­li­za­dor, que pa­re­ce mais à von­ta­de nos ex­te­ri­o­res de con­fli­to do que nos in­te­ri­o­res mais pla­ni­fi­ca­dos de re­dac­ções ou apar­ta­men­tos (pa­ra já não fa­lar do ca­ri­ca­to que é ter o gran­de Stan­ley Tucci e des­per­di­çá-lo em três ce­nas ri­go­ro­sa­men­te su­pér­flu­as). Uma Guer­ra Pes­so­al não quer ser ape­nas mais um fil­me bi­o­grá­fi­co, quer pen­sar por­que é que de­ve­mos ce­le­brar Ma­rie Col­vin e con­vi­dar o es­pec­ta­dor pa­ra es­sa re­fle­xão. Não o con­se­gue por in­tei­ro, mas é ad­mi­rá­vel que o ten­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.