Ac­ção Pa­ra­le­la António Gu­er­rei­ro A es­quer­da? Quan­do?

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Ve­xa­ta qua­es­tio: o Go­ver­no que te­mos ac­tu­al­men­te é de es­quer­da, co­mo se diz no ró­tu­lo ofi­ci­al? In­tro­du­zo es­ta per­gun­ta não pa­ra fa­zer uma aná­li­se da ac­ção go­ver­na­ti­va, mas com o fim pre­ci­so de in­ter­ro­gar a po­la­ri­da­de di­rei­ta/es­quer­da (ou es­quer­da/di­rei­ta?) con­si­de­ra­da ob­so­le­ta ou, pe­lo me­nos, mui­to flui­da e por­tan­to pou­co pro­du­ti­va, des­de que a po­lí­ti­ca se in­cli­nou pa­ra a “go­ver­nan­ça” exer­ci­da por ex­perts que — é di­to — tra­ba­lham pa­ra o bem de to­dos. Jul­go que es­te Go­ver­no nos dei­xa qua­se sem­pre à bei­ra do in­de­ci­dí­vel e, por is­so, nos con­vi­da mui­to mais a re­sol­ver a ve­xa­ta qua­es­tio re­cor­ren­do à per­gun­ta: “Quan­do é que há es­quer­da?”, do que for­mu­lan­do a ques­tão clássica: “O que é a es­quer­da?”. Es­ta passagem de uma de­fi­ni­ção es­sen­ci­a­lis­ta da es­quer­da pa­ra uma de­fi­ni­ção prag­má­ti­ca e cir­cuns­tan­ci­al se­gue a li­ção do fi­ló­so­fo ame­ri­ca­no Nel­son Go­od­man (1906-1998) que, pe­ran­te os de­sa­fi­os lan­ça­dos pe­la ar­te abs­trac­ta e pe­la ar­te con­cep­tu­al, dis­se que a ver­da­dei­ra ques­tão é es­ta: “When is art?”. Con­si­de­re­mos um ca­so re­cen­te: pe­ran­te a gre­ve dos es­ti­va­do­res do por­to de Se­tú­bal, on­de o con­fli­to é tão ti­pi­fi­ca­do que atrai es­pon­ta­ne­a­men­te o uso da lin­gua­gem mar­xis­ta, o Go­ver­no es­for­ça-se ni­ti­da­men­te por en­fra­que­cer — ou di­luir — a no­ção de con­fli­to. As­su­mi-lo im­pli­ca­ria não se cur­var à lin­gua­gem eu­fe­mís­ti­ca que faz a ges­tão en­ga­na­do­ra de uma lu­ta la­bo­ral e re­cal­ca a na­tu­re­za con­fli­tu­o­sa das re­la­ções so­ci­ais. Po­de­mos di­zer que há es­quer­da quan­do há uma as­sump­ção do con­fli­to. Ora, por es­te cri­té­rio nun­ca há es­quer­da nes­te go­ver­no, o con­fli­to é pa­ra ele uma coi­sa a evi­tar ou in­con­ce­bí­vel. Na lin­gua­gem da psi­ca­ná­li­se, po­de­mos di­zer que ele pra­ti­ca, por sis­te­ma e por es­tra­té­gia, a for­clu­são do con­fli­to: o con­fli­to en­tre o tra­ba­lho e o ca­pi­tal (es­ta lin­gua­gem fun­ci­o­na mui­to bem co­mo des­cri­ção e aná­li­se do que se pas­sa no por­to de Se­tú­bal), en­te ar­tis­tas e fi­lis­teus, en­tre afi­ci­o­na­dos dos tou­ros e abo­li­ci­o­nis­tas da tor­tu­ra tau­ri­na, en­tre os que que­rem san­gue e os que que­rem a coi­sa ser­vi­da sem dor. E as­sim por di­an­te.

Sub­me­ti­do à for­clu­são ou, na me­lhor das hi­pó­te­ses, des­vi­a­do pa­ra uma ver­são mo­le e de­gra­da­da da “éti­ca da dis­cus­são”, o con­fli­to vai sen­do apa­ga­do pe­la eu­fe­mi­za­ção da lin­gua­gem. Um go­ver­no vi­ve o seu “es­ta­do de gra­ça” en­quan­to con­se­gue con­ven­cer os ci­da­dãos de que tem uma lin­gua­gem do­ta­da de al­gum po­ten­ci­al de sig­ni­fi­ca­ção, de que as su­as pa­la­vras não con­sis­tem nu­ma ex­pro­pri­a­ção da nos­sa lin­gua­gem. Os ac­tos até po­dem não con­di­zer, mas as pa­la­vras vão à fren­te, abrem um es­pa­ço res­pi­rá­vel. O “es­ta­do de gra­ça” che­ga ao fim (e de­ve­mos re­pa­rar que es­se ci­clo é ac­tu­al­men­te mui­to cur­to) quan­do os ci­da­dãos co­me­çam a re­a­gir com uma in­ter­jei­ção: “Já não os pos­so ou­vir!”. O que é que se tor­na pe­no­so ou­vir? Na cir­cuns­tân­cia ac­tu­al, tor­na-se pe­no­so ou­vir es­te dis­cur­so da for­clu­são do con­fli­to, que é ape­nas um dos as­pec­tos da me­ta­mor­fo­se eu­fe­mís­ti­ca, do es­va­zi­a­men­to de to­da a lin­gua­gem. Se não fos­se exa­ge­ra­do e até de al­gum mau gos­to, por evo­car coi­sas in­fi­ni­ta­men­te mais ter­rí­veis, tal­vez lhe pu­dés­se­mos cha­mar LTR, Lin­gua Ter­tii Re­pu­bli­cae. A lo­gor­reia eco­nó­mi­co-em­pre­sa­ri­al do dis­cur­so po­lí­ti­co, em que ele se dá ares de coi­sa sé­ria, ins­cre­ve-se nes­ta ta­ga­re­li­ce. Mas não tem na­da de inó­cuo: per­mi­te pin­tar o eco­nó­mi­co, o so­ci­al e até as pró­pri­as idei­as nas co­res que as tor­nam acei­tá­veis e, às ve­zes, in­con­tes­tá­veis. Ain­da mais efi­caz a re­a­li­zar es­ta ta­re­fa é o dis­cur­so da cul­tu­ra. A cul­tu­ra é uma es­pé­cie de de­ter­gen­te que lava as man­chas con­fli­tu­o­sas, ou um óleo que evi­ta o atri­to. Por is­so, quan­to mais ela é ex­ten­si­va, me­lhor. Quan­do há es­quer­da? Quan­do se su­pri­me es­te ci­nis­mo cul­tu­ral. E por­que é que não é ne­ces­sá­rio trans­por a ques­tão pa­ra o ou­tro la­do e per­gun­tar: “Quan­do há di­rei­ta?”. Por­que a di­rei­ta é, por tra­di­ção e de­fi­ni­ção, es­sen­ci­a­lis­ta, po­de sem­pre ser apre­en­di­da atra­vés da for­mu­la­ção: “A di­rei­ta é...”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.