Spi­ri­tu­al”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Mu­ros há mui­tos. In­fe­liz­men­te, os de be­tão pa­re­cem em ex­pan­são. Mas tam­bém, por ve­zes, há mu­ros na ca­be­ça de ca­da um, obs­truin­do ou­tras as­pi­ra­ções. O sin­gle Amor em tem­po de mu­ros, que an­te­ce­deu o lan­ça­men­to es­ta sex­ta-fei­ra do ál­bum Es­pi­ri­tu­al, o oi­ta­vo de Pedro Abru­nho­sa, já pre­nun­ci­a­va o que vi­nha aí: uma sé­rie de can­ções, ou ba­la­das, que nos trans­por­tam pa­ra si­tu­a­ções do quo­ti­di­a­no, histórias de amor, por exem­plo, en­vol­vi­das por alu­sões ao nos­so pre­sen­te co­lec­ti­vo em ter­mos so­ci­o­po­lí­ti­cos.

É tam­bém um ál­bum mar­ca­do pe­las im­por­tan­tes co­la­bo­ra­ções vo­cais da me­xi­ca­na Li­la Downs, da ame­ri­ca­na Lu­cin­da Wil­li­ams, da fran­ce­sa Car­la Bru­ni, do bra­si­lei­ro Ney Ma­to­gros­so e das por­tu­gue­sas Eli­sa Rodrigues e Ana Mou­ra. No iní­cio, ha­via ape­nas uma pá­gi­na em bran­co. Abru­nho­sa diz-nos que quan­do par­te pa­ra um novo ál­bum nun­ca exis­te uma ideia fe­cha­da. É um pro­ces­so em aber­to. “Não exis­te um arqué­ti­po. O que po­de exis­tir é uma ati­tu­de con­cep­tu­al mais la­ta, em­bo­ra se sai­ba pa­ra on­de se es­tá ir e o que se es­tá a cons­truir. Não se po­de ter pe­ran­te a música uma ati­tu­de cer­ra­da. É um pro­ces­so di­nâ­mi­co. Es­tás em diá­lo­go cons­tan­te con­ti­go e so­bre­tu­do quan­do és au­tor da música e da pa­la­vra o pro­ces­so au­to con­duz-se, mas cla­ro que o vais do­mes­ti­can­do.”

Co­mo um li­vro, diz, um ál­bum é um ob­jec­to ar­tís­ti­co que tem de ser co­e­ren­te. “Pa­ra mim es­sa ver­ten­te li­te­rá­ria ou poé­ti­ca é fun­da­men­tal e ao mes­mo tem­po a es­té­ti­ca do dis­co é uma coi­sa que se vai im­pon­do mas que tam­bém vais di­tan­do. Nes­se sen­ti­do, há can­ções que fi­ca­ram de fo­ra por­que dei­xa­ram de ter lu­gar nes­te to­do. E há ou­tras que lhe vão trans­mi­tin­do a sua es­sên­cia. Mas a li­nha não po­de es­tar fe­cha­da. Eu sei mais ou me­nos o que é que que­ro. Ve­nho de uma es­co­la mui­to clássica on­de as coi­sas ti­nham uma gre­lha mui­to pre­ci­sa. Mas es­se é um cam­pe­o­na­to on­de já não que­ro es­tar. De res­to, o jazz na mi­nha vi­da foi mui­to im­por­tan­te, in­tro­du­ziu uma com­po­nen­te de­ri­va­ti­va in­te­res­san­te. Aqui é o uni­ver­so que cru­za es­ses dois per­cur­sos, mas que vai à es­cri­ta das can­ções co­mo ac­to li­te­rá­rio.”

O ál­bum cha­ma-se Es­pi­ri­tu­al re­me­ten­do pa­ra es­sa ideia nu­cle­ar do in­di­ví­duo que se qu­es­ti­o­na, mas é tam­bém uma su­ges­tão so­bre o mo­men­to ac­tu­al do mun­do. “Vi­ve­mos um pe­río­do de pro­fun­da ago­nia es­pi­ri­tu­al. A pa­la­vra es­pí­ri­to, na sua gé­ne­se, quer di­zer for­ça vi­tal. Uma pa­la­vra que es­tá as­so­ci­a­da ao iní­cio do pen­sa­men­to não mi­to­ló­gi­co, que faz uma cli­va­gem en­tre o pen­sa­men­to re­fle­xi­vo e o não-re­fle­xi­vo. Por­tan­to, es­pí­ri­to não é ape­nas uma coi­sa re­li­gi­o­sa. Pa­ra mim é a ati­tu­de pe­ran­te a pro­fun­di­da­de, a di­fe­ren­ça en­tre o ser e o pa­re­cer.” Às tan­tas in­ter­ro­ga: “O que é que de­fi­ne mais o ser hu­ma­no: o fac­to de ter dois car­ros na ga­ra­gem ou não ter li­vros em casa? É por aí.”

Em ter­mos te­má­ti­cos, re­flec­te, é uma obra que não se des­via do que têm si­do as su­as abor­da­gens nos úl­ti­mos ál­buns, pe­gan­do em as­sun­tos do dia-a-dia que, in­trin­se­ca­men­te, aca­bam por con­ter tam­bém uma car­ga po­lí­ti­ca. “Qual­quer as­sun­to é po­lí­ti­co, o pró­prio ac­to se­xu­al é po­lí­ti­co, não só, mas tam­bém, por­que daí po­de re­sul­tar pôr mais uma pes­soa no mun­do e por­tan­to es­tás a as­su­mir uma res­pon­sa­bi­li­da­de po­li­ti­ca.”

E dá ou­tro exem­plo. “Quan­do es­cre­vi so­bre o Se­nhor do Adeus, per- so­na­gem poé­ti­ca da ci­da­de de Lis­boa com quem me cru­zei du­ran­te 40 anos por­que vi­nha pa­ra o Hot Clu­be dar au­las e ele di­zia-me adeus, foi pe­lo fas­cí­nio. Nun­ca fa­lei com ele mas quan­do ele de­sa­pa­re­ceu fez fal­ta. Ele car­re­ga­va uma au­ra de po­e­sia ur­ba­na do ba­nal. Um ti­po de po­e­sia que es­tá pre­sen­te nas can­ções rock. E is­so é tam­bém uma re­a­li­da­de po­lí­ti­ca co­mo foi a [trans­se­xu­al] Gis­ber­ta, so­bre a qual tam­bém es­cre­vi. A pop cir­cu­la en­tre o en­tre­te­ni­men­to e a dis­trac­ção. Mas a es­cri­ta de can­ções, que é aqui­lo que me in­te­res­sa, mer­gu­lha na re­a­li­da­de, não é coi­sa eté­rea ou afir­ma­ção es­té­ti­ca. É al­go mais an­ti­go e es­tru­tu­ral.”

Ao lon­go dos anos Pedro Abru­nho­sa nun­ca es­con­deu que não se con­si­de­ra­va um can­tor no sen­ti­do mais clássico. O cu­ri­o­so é que nun­ca se tem exi­mi­do em con­vi­dar gran­des in­tér­pre­tes pa­ra can­ta­rem a seu la­do. “Sei que exis­tem coi­sas que não con­si­go dar e é por is­so que vou à pro­cu­ra de vo­zes que po­dem acres­cen­tar es­se al­go mais”, ex­põe, re­flec­tin­do que é a par­tir da cons­ci­ên­cia dos li­mi­tes que nos po­de­mos su­plan­tar.

No ca­so do pre­sen­te dis­co o nai­pe de con­vi­da­dos im­pres­si­o­na. E daí re­sul­ta­ram co­la­bo­ra­ções pro­fí­cu­as e fá­ceis. Com Ana Mou­ra e Eli­sa Rodrigues as gra­va­ções de­cor­re­ram em Por­tu­gal, com as res­tan­tes vo­zes hou­ve vi­a­gens e tro­cas. “Ape­nas com o Ney Ma­to­gros­so per­de­mos mui­tas ho­ras, en­tre cá e o Bra­sil, mas aca­bá­mos por de­sa­guar on­de que­ría­mos. No ca­so da Car­la Bru­ni, fui a Pa­ris e ela dei­xou-se di­ri­gir sem qual­quer pro­ble­ma até por­que tam­bém tem as su­as li­mi­ta­ções de voz, mas fun­ci­o­na mui­to bem num cer­to re­gis­to que aca­ba por adop­tar co­mo seu. Deu-me imen­so go­zo tra­ba­lhar com ela, o mes­mo acon­te­cen­do com Li­la Downs, que apa­nhou e com­pre­en­deu lo­go a can­ção qua­se de ime­di­a­to, ou a Ana Mou­ra e a Eli­sa Rodrigues.”

Ape­sar da ex­ce­lên­cia das res­tan­tes, exis­te uma voz e uma pre­sen-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.