A so­bre­vi­vên­cia ar­tís­ti­ca de Abru­nho­sa

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Es­pi­ri­tu­al dei­xa pres­sen­tir o quan­to o mú­si­co in­ves­te ca­da vez mais nu­ma mar­ca au­to­ral, cor­tan­do no seu pro­ta­go­nis­mo.

Por Gon­ça­lo Fro­ta

Não pa­re­ce ha­ver gran­de evi­dên­cia ci­en­tí­fi­ca que cer­ti­fi­que a ten­dên­cia na­tu­ral nu­ma voz mas­cu­li­na pa­ra bai­xar de tom com a ida­de, pas­san­do a so­ar mais gra­ve. Há in­dí­ci­os de que, a exis­tir uma al­te­ra­ção de tom mais co­mum en­tre os ho­mens, tra­tar-se-á da­que­la que cor­re­la­ci­o­na a acu­mu­la­ção dos anos com um tim­bre mais agu­do. Mas não é re­gra, e bas­ta pen­sar­mos em Tom Waits, Le­o­nard Cohen ou Johnny Cash (quais­quer que se­jam ou te­nham si­do os seus há­bi­tos nas ca­te­go­ri­as de lí­qui­dos e fu­mos in­ge­rí­veis) pa­ra aco­lher com sim­pa­tia qual­quer ar­gu­men­ta­ção que apon­te no sen­ti­do de as vo­zes — pe­lo me­nos al­gu­mas, pe­lo me­nos aque­las que mais nos in­te­res­sam — po­de­rem co­brir-se de grão, gra­vi­lha e as­pe­re­za à me­di­da que a ju­ven­tu­de se vai tor­nan­do um pon­to mais dis­tan­te no re­tro­vi­sor. Pen­sa-se nis­to quan­do se ou­ve os pri­mei­ros ver­sos de Va­mos le­van­tar voo, aber­tu­ra do sé­ti­mo ál­bum de es­tú­dio de Pedro Abru­nho­sa, Es­pi­ri­tu­al. Não só por­que é evi­den­te a ru­go­si­da­de ex­tra que lhe vai na voz, mas tam­bém por­que, des­de que em 2007 in­flec­tiu no sen­ti­do de uma so­no­ri­da­de de cla­ra fi­li­a­ção pop-rock nor­te-ame­ri­ca­na, a som­bra de fi­gu­ras co­mo Tom Waits, Le­o­nard Cohen, Bru­ce Springs­te­en, Tom Petty e El­vis Cos­tel­lo (sim, é in­glês, e en­tão?) vem ocu­pan­do um es­pa­ço ca­da vez mai­or. Ao des­mem­brar os Ban­de­mó­nio e pôr de pé o Co­mi­té Ca­vi­ar que ago­ra o acom­pa­nha, pres­cin­dia dos so­pros — e do funk, da soul e do acid-jazz — que nor­te­a­ram a so­no­ri­da­de dos seus pri­mei­ros tem­pos, tro­can­do-os pe­lo pe­so das gui­tar­ras e da ba­te­ria — e do rock, nas su­as va­ri­a­ções mais de­ri­va­ti­vas de blu­es ou folk.

Es­pi­ri­tu­al é o se­gui­men­to ló­gi­co de Lon­ge (2007) e de Con­tra­mão (2013). É a con­fir­ma­ção de que Abru­nho­sa per­ce­beu o quan­to a ine­vi­tá­vel re­no­va­ção da sua lin­gua­gem mu­si­cal o apro­xi­ma­va de uma es­cri­ta de can­ções mais clássica e que, des­ta vez, re­for­ça es­se pen­sa­men­to au­to­ral ao fa­zer-se acom­pa­nhar por mui­tas ou­tras vo­zes. Não é no­vi­da­de que o sucesso e a so­bre­vi­vên­cia ar­tís­ti­ca de Abru­nho­sa sem­pre de­pen­de­ram de um ci­rúr­gi­co re­cur­so a uma voz de re­cur­sos li­mi­ta­dos; em

Es­pi­ri­tu­al, es­sa cons­ci­ên­cia ex­pan­de-se no in­te­ri­or do dis­co, co­mo re­co­nhe­ci­men­to de que a fi­xa­ção num mes­mo ter­ri­tó­rio es­té­ti­co cor­ria o ris­co de tor­nar-se pan­ta­no­so se não se ro­de­as­se de fi­gu­ras que, pa­ra­do­xal­men­te, o le­vas­sem a sair de si mes­mo.

E es­sa no­ção de que a sua qua­li­da­de de es­cri­ta só tem a be­ne­fi­ci­ar quan­do se en­tre­ga a ou­tras vo­zes é por de­mais evi­den­te quan­do es­cu­ta­mos Se tens de par­tir não me con­tes e Não vás em­bo­ra ho­je, em que Abru­nho­sa ar­ran­ca de Lu­cin­da Wil­li­ams e Eli­sa Rodrigues du­as so­ber­bas in­ter­pre­ta­ções — das me­lho­res que ou­vi­mos a qual­quer uma de­las até ho­je. Wil­li­ams, uma das mais es­pan­to­sas can­to­ras des­te di­as, de um fer­vor coun­try-folk que caiu em de­su­so, ofe­re­ce um can­to de­vas­ta­dor, de dor em que­da li­vre, voz da fa­ta­li­da­de de um aban­do­no amo­ro­so que há-de che­gar, num te­ma que tre­san­da ao uni­ver­so de Cohen (o ca­na­di­a­no, de res­to, ci­ran­da boa par­te de Es­pi­ri­tu­al); da por­tu­gue­sa, o mú­si­co con­se­gue a mais cer­tei­ra con­fir­ma­ção de que, com a de­vi­da ori­en­ta­ção, es­ta­rá aqui uma das mais no­tá­veis vo­zes des­te país, nu­ma can­ção in­to­xi­ca­da por um am­bi­en­te de nou­vel­le chan­son, co­mo se in­ven­ta­da por Ben­ja­min Bi­o­lay.

São os dois exem­plos mais fla­gran­tes dos be­ne­fí­ci­os tra­zi­dos por ou­tras vo­zes à música de Abru­nho­sa, num dis­co em que se ro­deia ain­da de Ana Mou­ra, Li­la Downs, Car­la Bru­ni e Ney Ma­to­gros­so, num dis­co sin­to­ni­za­do nas do­res do mun­do — os mu­ros mais ou me­nos li­te­rais que gui­lho­ti­nam la­ços de amor, a cri­se dos re­fu­gi­a­dos quan­do “ca­em an­jos na praia por­que há lo­bos no mar”, a ten­ta­ti­va de que­brar com o ci­clo da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca —, mas tam­bém nas ma­ze­las amor­sas da mais pe­que­na es­ca­la e no vo­ca­bu­lá­rio da se­du­ção.

Ál­bum em que Abru­nho­sa apa­re­ce tam­bém a na­ve­gar em águas que co­nhe­ce­mos a Jor­ge Palma e abri­lhan­ta­do pe­la pe­dal ste­el de Greg Leisz (com cré­di­tos es­pa­lha­dos por ál­buns de

Emmy­lou Har­ris, Grant Lee

Buf­fa­lo, Haim, Whis­key­town, Springs­te­en ou Grant Lee Buf­fa­lo), Es­pi­ri­tu­al dei­xa pres­sen­tir o quan­to o mú­si­co in­ves­te ca­da vez mais nu­ma mar­ca au­to­ral, cor­tan­do no seu pro­ta­go­nis­mo (bem de­fen­di­do, ain­da as­sim, em Va­mos le­van­tar voo ou Le­va-me pa­ra um sí­tio me­lhor). O que de­mons­tra, uma vez mais, a sua sá­bia so­bre­vi­vên­cia ar­tís­ti­ca. Es­pi­ri­tu­al Pedro Abru­nho­sa Uni­ver­sal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.