Ac­ção Pa­ra­le­la António Gu­er­rei­ro O po­vo, es­se em­pe­ci­lho

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

No seu uso ac­tu­al e mais cor­ren­te, “po­pu­lis­mo” é uma pa­la­vra-ma­ná. Di­zem os di­ci­o­ná­ri­os e en­ci­clo­pé­di­as que “ma­ná” é um ter­mo com ori­gem na Po­li­né­sia. Pas­sou a ser usa­do no vo­ca­bu­lá­rio da An­tro­po­lo­gia a par­tir do mo­men­to em que o gran­de an­tro­pó­lo­go francês Mar­cel Mauss (1872-1950) a co­lo­cou no cen­tro das su­as ela­bo­ra­ções teó­ri­cas so­bre a ma­gia e o xa­ma­nis­mo. Na in­tro­du­ção a um li­vro de Mauss, Clau­de Lé­vi-Strauss, ba­se­a­do na lin­guís­ti­ca, cha­mou “sig­ni­fi­can­te-flu­tu­an­te” ao ma­ná. O que é um sig­ni­fi­can­te-flu­tu­an­te? É uma pa­la­vra des­pro­vi­da de qual­quer sig­ni­fi­ca­ção de­ter­mi­na­da, um sig­ni­fi­can­te que não en­con­trou um sig­ni­fi­ca­do pa­ra for­mar um sig­no. E is­to acontece por­que em qual­quer lin­gua­gem há sem­pre sig­ni­fi­can­tes a mais, is­to é, um ex­ces­so na or­dem dos sig­ni­fi­can­tes em re­la­ção à or­dem dos sig­ni­fi­ca­dos, o que é, aliás, a con­di­ção ne­ces­sá­ria pa­ra que exis­ta po­e­sia, li­te­ra­tu­ra. Na te­o­ria po­lí­ti­ca, tem ha­vi­do nos úl­ti­mos anos es­se es­for­ço de dar à pa­la­vra o ri­gor de um con­cei­to, mas na lin­gua­gem do jor­na­lis­mo e do discurso dos po­lí­ti­cos con­ti­nua a ser um ma­ná. Se Lin­coln vol­tas­se ho­je à ter­ra e pro­cla­mas­se ou­tra vez “the go­vern­ment of the pe­o­ple, by the pe­o­ple, for the pe­o­ple” mas es­tas de­cla­ra­ções são de­ma­si­a­do sim­pli­fi­ca­do­ras (pa­ra res­pon­der aos “an­sei­os” do discurso cor­ren­te so­bre o po­pu­lis­mo?): não é nor­mal que um po­lí­ti­co se co­lo­que do la­do do po­vo e o in­vo­que? Mais ain­da: ha­ve­rá de­mo­cra­cia – ou mes­mo po­lí­ti­ca – sem es­ta in­vo­ca­ção? É ver­da­de que exis­tem mui­to “po­vos”, e o de Ca­ta­ri­na Mar­tins não é o mes­mo de As­sun­ção Cris­tas, as­sim co­mo o “po­vo so­be­ra­no” da de­mo­cra­cia não é o mes­mo que o “po­vo tra­ba­lha­dor” dos par­ti­dos co­mu­nis­tas. No uso imo­de­ra­do que ho­je se faz da pa­la­vra “po­pu­lis­mo”, re­ve­la-se uma fi­gu­ra que é o seu con­trá­rio ou a sua som­bra, uma for­ma­ção emi­nen­te­men­te ideológica que me­re­ce o no­me de de­mo­fo­bia, is­to é, a aler­gia a to­da a po­lí­ti­ca que faz ape­lo a uma fi­gu­ra do “po­vo”, por mais des­fi­gu­ra­da que ela es­te­ja, por mais que te­nha de­sa­pa­re­ci­do o me­do de um “po­vo re­vo­lu­ci­o­ná­rio”. Na pi­or das hi­pó­te­ses, co­mo acon­te­ceu ago­ra em Fran­ça, há um po­vo da revolta, mas a revolta não é o mes­mo que re­vo­lu­ção: a re­vo­lu­ção im­pli­ca um cál­cu­lo es­tra­té­gi­co de lon­ga du­ra­ção e uma experiência do tem­po da his­tó­ria que es­tão com­ple­ta­men­te au­sen­tes da revolta, em que a experiência do tem­po é a do quo­ti­di­a­no. A revolta não vi­sa ne­nhu­ma trans­for­ma­ção do tem­po his­tó­ri­co, não quer ins­ti­tuir um no­vo ca­len­dá­rio. Há uma de­ri­va de­mo­fó­bi­ca que de­sa­fia to­dos os prin­cí­pio da de­mo­cra­cia e a ani­qui­la a par­tir do seu in­te­ri­or. A de­mo­fo­bia apa­re­ce à luz do dia qu­an­do as me­di­das dos go­ver­nos, vi­san­do sa­tis­fa­zer rei­vin­di­ca­ções do “po­vo”, são ime­di­a­ta­men­te clas­si­fi­ca­das co­mo “po­pu­lis­tas”. O que se tor­nou “na­tu­ral” e al­ta­men­te “res­pon­sá­vel” é go­ver­nar pa­ra exer­cer um cas­ti­go. Ao po­pu­lis­mo, opõe-se uma ideia de ri­gor, dis­ci­pli­na e ver­da­de que são pro­fun­da­men­te ide­o­ló­gi­cos: tra­ta-se do ri­gor e da ver­da­de de uma “go­ver­na­men­ta­li­da­de” que se apre­sen­ta co­mo ten­do uma jus­ti­fi­ca­ção “ci­en­tí­fi­ca”, sub­train­do-se a to­da a jus­ti­fi­ca­ção ideológica. É de de­mo­fo­bia que se tra­ta, efec­ti­va­men­te, em mui­tos dis­cur­sos que vêem em to­do o la­do emer­gên­ci­as po­pu­lis­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.